100 dias após o assassinato de Soleimani: os EUA alcançaram seus objetivos? - Parte 2

100 dias após o assassinato de Soleimani: os EUA alcançaram seus objetivos? - Parte 2

Por Elijah J. Magnier 

O presidente Donald Trump executou o general Qassem Soleimani da Brigada IRGC-Quds do Irã, após incentivo do primeiro-ministro israelense Benyamin Netanyahu. Israel nunca ousou assassinar Soleimani, apesar de o oficial iraniano nunca ter passado despercebido em todos os seus movimentos de ida e volta do Irã para Beirute, Damasco, Bagdá, Erbil e outros estados.

Na noite de primeiro de janeiro, Soleimani voltou de Beirute após uma visita ao Secretário Geral Sayyed Hassan Nasrallah. Como todas as manhãs quando ele estava na Síria, ele pediu a todos os seus oficiais baseados no Levante que se reunissem logo após as orações matinais. Naquela manhã, ele reteve extraordinariamente todos os seus oficiais por mais de 12 horas antes de partir para o aeroporto de Damasco para um vôo para Bagdá.

Netanyahu é muito esperto para assassinar Soleimani diretamente ou para concordar com seu assassinato em Beirute ou Damasco; ele é ciente de que mísseis cairiam um minuto depois sobre Israel. Tanto Netanyahu quanto Trump - segundo as fontes - acreditavam que a arena iraquiana ardia sob os pés dos iranianos.

No Iraque, as manifestações cobriam toda a parte sul do país sob domínio da maioria xiita, inclusive em Bagdá, a capital. Os EUA podem ter pensado que o Irã não tinha mais privilégios no Iraque, particularmente quando uma dúzia de jovens queimaram seus consulados em Karbalaa e Najaf. Mas as pessoas na rua protestavam contra a corrupção dos políticos iraquianos, a falta de oportunidades de emprego e a falta de infra-estrutura básica, e não contra o Irã.

Os EUA erroneamente acreditaram que os dias da Força de Mobilização Popular (PMF) - gratos pelo pronto apoio militar do Irã nos primeiros dias da ocupação do ISIS de um terço do Iraque, quando os EUA se recusaram a se apressar para derrotar o grupo terrorista e negaram a entrega de armas pagas a Bagdá - estavam contados. A administração americana, que está baseada a cerca de 10.000 km do Iraque, aparentemente acreditava que sua hegemonia deveria ser inigualável, incontestável e reconhecida como a única autoridade no Oriente Médio. Na verdade, montou uma campanha bem sucedida na mídia contra o PMF, descrevendo-o como uma "milícia iraniana".

Entretanto, as manifestações nas cidades xiitas do Iraque foram contra a aspiração do Irã à estabilidade do país. Não deviam ser ignoradas a ponto de até a mais alta autoridade religiosa do Iraque, Sayyed Ali Sistani, se juntar  às exigências e solicitar - e obter - a renúncia do primeiro-ministro Adil Abdul Mahdi. O poder constitucional estava no vácuo, e a estabilidade do país era crítica. Todos os líderes xiitas falharam em concordar sobre uma pessoa para liderar o país. Soleimani não conseguiu convencê-los a escolher um candidato que tivesse o apoio da maioria. Este foi o ponto em que os EUA assassinaram Soleimani e al-Muhandes.

O assassinato empurrou mais de um milhão de manifestantes iraquianos para as ruas, contra a presença dos EUA no Iraque e lamentando por seu líder al-Muhandes, que havia lutado contra o ISIS durante anos. Pela primeira vez, todos os grupos, partidos políticos e organizações se uniram sob um slogan: a existência das forças norte-americanas do Iraque deve ser eliminada. De fato, o parlamento iraquiano reuniu-se com 173 membros e votou a favor da retirada das tropas. O preço do assassinato de Soleimani e Muhandes estava longe de ser barato. A mesa estava virada para o presidente Trump e seu aliado Netanyahu. Nenhum manifestante foi mais para as ruas após essa data.

Trump deu ao PMF e ao Irã um verdadeiro impulso de apoio, o mesmo Trump que acreditava que os aliados iranianos ficariam órfãos sem os dois líderes. De fato, várias organizações iraquianas surgiram nestas últimas semanas traindo suas capacidades militares, compartilhando imagens de vídeo da embaixada dos EUA em Bagdá e da base norte-americana de Ayn al-Assad. Outro grupo mostrou dois artefatos IEDs explodindo com um intervalo de um minuto contra caminhões que transportam veículos militares americanos.

Politicamente, o presidente Barham Saleh agarrou a oportunidade de escolher um candidato anti-iraniano e pró-EUA, Adnan al-Zurfi. Foi quando o líder do Conselho Nacional Iraniano Almirante Ali Shamkhani, seguido por Ismail Qaani, visitou o Irã. Al-Zurfi foi removido e substituído por um primeiro-ministro aceito por Teerã. As tropas americanas saíram de 6 bases e centros, e nenhum soldado americano pode andar nas ruas do Iraque ou dirigir sem ser um alvo ambulante.

Na frente palestina, Qaani se reuniu com o Hamas, a "Jihad Islâmica", a Frente Popular Palestina e todos os grupos palestinos que operam em Gaza. O primeiro encontro aconteceu em Teerã, seguido de outros comícios em Damasco e Beirute. Qaani está determinado a apoiar os palestinos mais do que nunca. Israel está ciente da capacidade militar palestina, consciente de que qualquer confronto futuro custará caro.

Trump queria que o assassinato de Soleimani representasse uma mudança de jogo. Ele acabou colhendo uma guerra aberta com os aliados do Irã no Iraque. O Secretário-Geral do Hezbollah Sayed Hassan Nasrallah disse: "O preço do assassinato de Soleimani será a saída forçada das tropas dos EUA do Iraque". Isto significa que todos os soldados dos EUA se tornaram um alvo potencial. Esta é a gloriosa política de Trump no Oriente Médio em ação!

Trump queria mudar a Regra de Engajamento e tinha como objetivo ter tudo isso. Ele acaba pedindo ao Iraque uma "retirada honrosa da Mesopotâmia". O assassinato de Soleimani ofereceu ao "Eixo da Resistência" o que o Irã nunca ousaria pedir ao Iraque para escolher (a retirada dos EUA). A perda de Soleimani e Muhandes parece um passo necessário para apoiar o Irã em várias frentes. O Irã voltou à sua melhor política anterior: desfrutar enquanto coleciona sucessos desencadeados pelos fracassos dos EUA no Oriente Médio.

***

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência

Originalmente em ejmagnier.com