A bestialidade imperial é contra os povos livres | Angel Rafael Tortolero Leal

A bestialidade imperial é contra os povos livres | Angel Rafael Tortolero Leal

Por Prof. Dr. Angel Rafael Tortolero Leal 

Os objetivos estratégicos da política externa dos EUA e de seus aliados na União Européia estão tingidos de sangue e sofrimento, como foi no século XX, e com o dobro de maldade, assim é no século XXI. Os EUA e a UE vivem do terror que causam à humanidade; por isso, não há dia em que a imprensa mundial controlada por seu poder malévolo, não distorça com suas manchetes as mortes que produz e o sofrimento que causa às nações, cujo único crime é se declarar livre de sua hegemonia infesta.

Só os povos organizados, casados com os seus valores e determinados a preservar a sua história e a exercer a sua autodeterminação, souberam resistir e combater os golpes imperiais; sobreviver aos infernos de suas guerras e vencer com bravura os recorrentes ataques e emboscadas econômicas, financeiras e militares que eles propiciam, inspiram e / ou executam contra eles.

Portanto, não se pode ignorar que os imperialistas, apesar de sua bestialidade, armamentos e meios sofisticados de manipulação, não puderam, nem poderão, apagar da história seus fracassos diante da dignidade e da bravura, que inspiram as grandes maiorias para seguir o caminho de sua liberdade.Não estou negando os efeitos dos ataques criminosos dos impérios contra os povos, nem minimizando as feridas que lhes infligiram, sem distinção de raça, credo político ou religião; Mas quero enfatizar que as nações que aspiram a um mundo livre de hegemonias, solidário e complementar em favor da vida, vão se fortalecendo à medida que entendem que a alternativa aos ataques é reconhecer que a origem de seus infortúnios, é inerente às aspirações do capitalismo neoliberal de estabelecer um pensamento único no mundo.

Nessa ordem de ideias, é imperativo destacar os grandes exemplos de resistência e dignidade de nações como Irã, Cuba, Venezuela, Nicarágua, Síria, Coréia do Norte, entre outras, que coincidem no exercício do anti-imperialismo, como princípio inalienável e na proteção de seus povos contra os ataques implacáveis das feras imperiais.

Mas quanto maior é a resistência e os avanços nos povos dignos; maior a intensidade dos ataques imperiais contra eles, que se traduz em campanhas na mídia que impõem histórias macabras entre pós-verdades e mais mentiras, para narcotizar seus seguidores viciados dentro das nações, descarregando sobre eles altas doses de violência, negar-lhe a possibilidade de compreender sua própria história; sua realidade concreta e a exegese que deriva da vida e de suas circunstâncias.

Não há dúvida de que estamos em meio a uma guerra letal, que usa o simbólico da mensagem na mídia, com a mesma intensidade, que invade e devasta nações inteiras. Às vezes de forma direta, como no Iraque, Líbia e Síria, e outros, com a imposição de sanções penais, bloqueios marítimos e aéreos, que justificam a repetição de slogans e consignas, que estão demolindo a razão de seus adoradores, até que alcancem essa realidade para aquele pequeno grupo social, seja substituído por um compêndio de meias-verdades que confundem e distorcem o reconhecimento de sua identidade nacional, valores patrióticos, raça, credo e religião.

Nesse sentido, é importante destacar que o mundo está à mercê de milhões de mensagens, em sua maioria composições idílicas que levam o receptor a espaços sub-reais para carregar em suas consciências a aspiração a um estágio ilusório de conforto, que prometem exclusividade , distância e distinção de seus pares. Assim, cada celular, por exemplo, é uma fonte dessa mensagem e cada uma das redes, aplicativos e programas de computador, uma fábrica de sonhos incomensuráveis, em sua maioria inatingíveis pelos trabalhadores, mas não por eles, inócuos, casuísticos e naturais.

Bem, enquanto as classes dominantes nos países assediados, bloqueados e ameaçados de invasão, as consequências dos ataques "são justificadas", para o resto de seus habitantes, as maiorias conscientes e organizadas, os  inimigos imperiais e seus capangas são descobertos em todas as suas mentiras.

Na Venezuela, vivemos momentos muito difíceis, pois os impérios e seus sequazes conseguiram demolir nossa economia interna, impedir o livre comércio internacional e bloquear contas e ativos externos. Não satisfeitos com isso, eles tentaram demolir o Estado, difamar suas instituições e manter a farsa de um governo de transição com o qual justificar a contínua expropriação da pátria.

Porém, neste marco referencial, em meio à batalha contra os impérios, vamos às eleições parlamentares. Porque aqui existem instituições e um governo legítimo presidido por Nicolás Maduro Moros. Porque neste país os conflitos se resolvem nas urnas e nada, nem ninguém, será imposto à decisão do soberano e do Estado Revolucionário que o acolhe; porque aqui o povo manda e há uma revolução que está presente e ativa para guardar a vida e a paz. Porque ao contrário da manipulação e da chantagem da mídia imperialista, todas as garantias estão dadas, para que o soberano decida quem deve assumir o comando em cada eleição. Os impérios podem dizer o mesmo? Justifique sua resposta!

***

Dr. (PhD) Ángel Rafael Tortolero Leal  é Profesor Investigador Titular da Universidad Nacional Experimental "Rómulo Gallegos" (Unerg), Diplomata; Ex Embajador venezuelano, Analista Internacional e membro do Centro de Estudios Socialistas Jorge Rodríguez.