América Latina apoia a liberdade de imprensa e exige a libertação de jornalistas palestinos detidos por Israel

América Latina apoia a liberdade de imprensa e exige a libertação de jornalistas palestinos detidos por Israel

Mais de 200 organizações e personalidades latino-americanas apresentaram uma carta dirigida à Alta Comissária para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, para pressionar as autoridades israelenses e, assim, libertar jornalistas palestinos presos.

"Expressamos nossa profunda preocupação com a enorme e crescente propagação da pandemia da COVID-19 em Israel e nos territórios palestinos ocupados, e nosso temor é de que essa situação possa afetar centenas de prisioneiros, incluindo os 19 jornalistas palestinos detidos nas prisões israelenses".

Os presos palestinos enfrentam uma ameaça de morte por esse vírus, já que as prisões israelenses não garantem condições de vida, além da negligência médica que já matou dezenas de prisioneiros palestinos ao longo dos anos, disse o comunicado.

"Dirigimos nosso pedido ao Alto Comissário e a todos os membros das Nações Unidas, para que sejam tomadas medidas urgentes na libertação de detidos no contexto dessa pandemia mortal, que pode violar facilmente as instalações prisionais e diante do fracasso das administrações que aderem ao direito internacional, especialmente as Convenções 3 e 4 de Genebra de 1949, no que diz respeito à resolução da situação dos prisioneiros palestinos e jornalistas presos ", acrescenta a carta.

De acordo com uma declaração do deputado Tahseen al-Astal, sindicato de jornalistas palestinos, pelo menos 19 jornalistas estão detidos nas prisões israelenses, incluindo duas mulheres jornalistas.

Israel viola constantemente os direitos dos palestinos, nos últimos tempos, inúmeros jornalistas foram detidos cobrindo as marchas de retorno que ocorriam na fronteira de Gaza e foram fortemente reprimidos pelas forças militares israelenses.