Banestado: O escândalo infernal de lavagem de dinheiro do Brasil | Pepe Escobar

Banestado: O escândalo infernal de lavagem de dinheiro do Brasil | Pepe Escobar

Por Pepe Escobar

Duas décadas depois de um terremoto político, um poderoso tremor secundário, que deveria abalar o Brasil, está sendo recebido com um silêncio estrondoso.

O que agora é chamado de "vazamentos do Banestado" [#BanestadoLeaks] e "CC5gate" é extraído do WikiLeaks antigo: uma lista publicada pela primeira vez na íntegra, nomeando nomes específicos e detalhando um dos maiores casos de corrupção e lavagem de dinheiro do mundo nas últimas três décadas.

Esse escândalo permite a prática saudável do que Michel Foucault caracterizou como a arqueologia do conhecimento. Sem entender esses vazamentos, é impossível colocar em contexto apropriado eventos que vão desde o sofisticado ataque de Washington ao Brasil - inicialmente via a NSA espionando o primeiro mandato da presidente Dilma Roussef (2010-2014) - até a investigação da corrupção pela Operação Lava Jato que prendeu Luiz Inácio Lula da Silva e abriu caminho para a eleição do patife neofascista Jair Bolsonaro como presidente.

O crédito pelo furo nesta trama de guerra de George Orwell-híbrido se deve, mais uma vez, à mídia independente. O pequeno site Duplo Expresso, liderado pelo jovem e ousado advogado internacional Romulus Maya, de Berna, publicou a lista pela primeira vez.

Um podcast épico de cinco horas reuniu os três principais protagonistas que denunciaram o escândalo, no final dos anos 90, e agora podem analisá-lo novamente: o então governador do estado do Paraná, Roberto Requião, o promotor federal Celso Tres e o agora superintendente de polícia aposentado, José Castilho Neto.

Anteriormente, em outro podcast, Maya e o antropólogo Piero Leirner, o maior analista de guerra híbrida do Brasil, me informaram sobre as inúmeras complexidades políticas dos vazamentos enquanto discutíamos a geopolítica no Sul Global.

As listas do CC5 estão aquiaqui e aqui. Vamos ver o que as torna tão especiais.

O mecanismo

Em 1969, o Banco Central do Brasil criou o que foi descrito como uma “conta CC5” para facilitar a empresas e executivos estrangeiros a transferência legal de ativos para o exterior. Por muitos anos, o fluxo de caixa nessas contas não foi significativo. Mas tudo mudou nos anos 90 - com o surgimento de uma grande e complexa rede criminosa centrada na lavagem de dinheiro.

A investigação original do Banestado começou em 1997. O promotor federal Celso Tres ficou surpreso ao descobrir que, de 1991 a 1996, valores em moeda brasileira no valor de nada menos que US$ 124 bilhões haviam sido transferidos ao exterior. Eventualmente, o total durante toda a vida da rede (1991-2002) aumentou para US$ 219 bilhões - colocando o Banestado como um dos maiores esquemas de lavagem de dinheiro da história.

O relatório de Tres levou a uma investigação federal focada em Foz do Iguaçu, no sul do Brasil, estrategicamente situada na Tríplice Fronteira do Brasil, Argentina e Paraguai, onde os bancos locais estavam lavando grandes quantias de dinheiro por meio de suas contas CC5.

Aqui está como isso funcionou. Os negociantes de dólares no mercado negro, vinculados a funcionários bancários e governamentais, usavam uma vasta rede de contas bancárias sob os nomes de duendes inocentes e empresas fantasmas para lavar fundos ilegais da corrupção pública, fraude tributária e crime organizado, principalmente por meio do Banco do Estado do Paraná em Foz do Iguaçu. Assim surgiu "o caso Banestado".

Castilho foi fundamental na criação de uma comissão parlamentar de inquérito [CPI] sobre o caso Banestado. Mas, mais uma vez, essa Comissão não levou a lugar algum - não houve sequer uma votação em um relatório final. A maioria das empresas negociou acordos com a Receita Federal do Brasil e, portanto, encerrou qualquer possibilidade de ação judicial em relação à sonegação de impostos.

Banestado encontra a Operação Lava Jato

Em poucas palavras, os dois maiores partidos políticos - o PSDB neoliberal de Fernando Henrique Cardoso e o Partido dos Trabalhadores de Lula, nenhum dos quais realmente enfrentaram as maquinações imperiais e a classe rentista brasileira - enterraram ativamente uma investigação que havia avançado muito.

Além disso, Lula, logo após Cardoso, conscientemente ou preservando um mínimo de governabilidade, tomou uma decisão estratégica de não investigar a corrupção “Tucana”, incluindo uma série de privatizações criminosas.

Os promotores de Nova York chegaram ao ponto de preparar uma lista especial do Banestado para Castilho com o que realmente importava para o processo criminal: o círculo completo do esquema de lavagem de dinheiro, com os fundos inicialmente remetidos ilegalmente do Brasil usando as contas do CC5, na próxima passagem por meio das agências de Nova York dos bancos brasileiros envolvidos, alcançando contas bancárias e fundos fiduciários em paraísos fiscais (por exemplo, Cayman, Jersey, Suíça) e finalmente retornando ao Brasil como - totalmente lavado - “investimento estrangeiro”, para o uso real e gozo dos beneficiários finais que primeiro haviam removido o dinheiro não contabilizado do país usando as contas CC5.

Mas o ministro da Justiça brasileiro, Marcio Thomaz Bastos, nomeado por Lula, anulou a investigação. Como o superintendente Castilho coloca metaforicamente: "Isso deliberadamente me impediu de voltar ao Brasil com o corpo assassinado".


A investigação federal esteve indo a lugar nenhum até 2001, quando o então superintendente da Polícia Castilho constatou que a maioria dos fundos tinha realmente desembarcando em contas na agência do Banestado, em Nova York. Castilho chegou a Nova York em janeiro de 2002 para realizar o necessário rastreamento internacional de dinheiro.

Por meio de uma ordem judicial, Castilho e sua equipe revisaram 137 contas no Banestado Nova York, acompanhando US$ 14,9 bilhões. Em alguns casos, os nomes dos beneficiários eram os mesmos dos políticos brasileiros que serviam no Congresso, ministros e até ex-presidentes.

Depois de um mês em Nova York, Castilho estava de volta ao Brasil com um relatório de 400 páginas. No entanto, apesar das evidências esmagadoras, ele foi removido da investigação, que foi suspensa por pelo menos um ano. Quando o novo governo Lula assumiu o poder no início de 2003, Castilho esteve de volta aos negócios.

Em abril de 2003, Castilho identificou uma conta Chase Manhattan particularmente interessante chamada “Tucano” - o apelido do partido PSDB liderado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que esteve no poder antes de Lula e que sempre manteve laços muito próximos com as máquinas políticas dos Clinton e dos Blair.

Embora Castilho nunca tenha se apossado desse documento crítico, pelo menos dois congressistas brasileiros, dois senadores e dois promotores federais que mais tarde ganhariam fama quando as “estrelas” da investigação da Operação Lava Jato - Vladimir Aras e Carlos Fernando dos Santos Lima - o obtiveram. Por que e como o documento - chamado de “bolsa de cadáver” - nunca chegou ao processo criminal no Brasil) é um mistério extra envolvido em todo o enigma.

Enquanto isso, existem relatórios "não confirmados" (várias fontes não registrariam isso) de que o documento poderia ter sido usado para extorsão total dos indivíduos, principalmente bilionários, que figuram na lista.

Molho extra na esfera judicial vem do fato de que o juiz provincial encarregado de enterrar o caso Banestado não era outro senão Sergio Moro, a figura egoísta de Elliot Ness que na década seguinte chegaria ao status de superestrela como o capo di tutti na Operação Lava Jato e subsequente ministro da Justiça sob o Governo Bolsonaro.

Moro acabou renunciando e agora já está de fato fazendo campanha para as eleições presidenciais de 2022.

E aqui chegamos à conexão tóxica Banestado – Operação Lava Jato. Considerando o que já é de domínio público sobre o modus operandi de Moro na Operação Lava Jato, ao alterar nomes em documentos com o objetivo de enviar Lula para a prisão, o desafio agora seria provar como Moro "vendia" não-condenações relacionadas ao Banestado . Ele tinha uma desculpa legal muito conveniente: sem "corpo delito" levado a processo criminal no Brasil, ninguém poderia ser considerado culpado.

À medida que mergulhamos em detalhes excruciantes, o Banestado parece cada vez mais o fio de Ariadne que pode revelar o início da destruição da soberania do Brasil. Um conto cheio de lições a serem aprendidas por todo o Sul Global.

O Reino do mercado negro do dólar

Castilho, naquele podcast épico, tocou um alarme quando se referiu a US$ 17 milhões que haviam transitado na filial do Banestado em Nova York e depois foi enviado para, de todos os lugares possíveis, ao Paquistão. Ele e sua equipe descobriram isso apenas alguns meses após o 11 de setembro. Enviei-lhe algumas perguntas sobre o assunto, e ele respondeu, por meio de Maya, que seus investigadores vão desenterrar tudo novamente, pois um relatório indica a origem desses fundos.

É a primeira vez que essas informações são divulgadas - e as ramificações podem ser explosivas. Estamos falando de fundos duvidosos, possivelmente de operações com drogas e armas, deixando a Tríplice Fronteira, que historicamente é um dos principais sites de operações negras da CIA e do Mossad.

O financiamento pode ter sido fornecido pelo chamado rei dos doleiros do mercado negro, Dario Messer, via contas CC5. Não é segredo que os operadores do mercado negro na Tríplice-Fronteira estão todos conectados ao tráfico de cocaína via Paraguai - e também a evangélicos. Essa é a base do que Maya, Leirner e eu já denominamos como Evangelistão do Pó.

Messer é uma engrenagem indispensável no mecanismo de reciclagem incorporado ao tráfico de drogas. O dinheiro viaja para paraísos fiscais sob proteção imperial, é devidamente lavado, ressuscita gloriosamente em Wall Street e na city de Londres, com o bônus extra dos Estados Unidos diminuindo parte de seu déficit em conta corrente. Dica para a "exuberância irracional" de Wall Street.

O que realmente importa é a livre circulação de cocaína. Por que não, escondido na estranha carga de soja, algo que traz o benefício extra de garantir o bem-estar do agronegócio. Essa é uma imagem espelhada da linha de heroína da CIA no Afeganistão que eu detalhei aqui.

Acima de tudo, politicamente, Messer é o notório elo perdido de Moro. Até o grande jornal O Globo foi forçado a admitir, em novembro do ano passado, que os negócios sombrios de Messer foram "monitorados" sem cessar durante duas décadas por diferentes agências americanas em Assunção e Ciudad del Este no Paraguai. Moro, por sua vez, é um trunfo para duas agências norte-americanas diferentes - FBI e CIA -, além do Departamento de Justiça.

Messer pode ser o coringa nessa trama complicada. Mas depois há o Falcão Maltês: existe apenas um Falcão Maltês, como o clássico de John Huston o imortalizou. E está atualmente em um cofre na Suíça.

Refiro-me aos documentos oficiais originais apresentados pela gigante da construção Odebrecht à investigação Operação Lava Jato, que foram indiscutivelmente "manipulados", "aparentemente" pela própria empresa. E "talvez", em conluio com o então juiz Moro e a equipe de acusação liderada por Deltan Dallagnol.

Não apenas com o objetivo de incriminar Lula e as pessoas próximas a ele, mas também - crucialmente - excluindo qualquer menção a indivíduos que nunca deviam ser trazidos à luz. Ou para a justiça. E, sim, você adivinhou se pensasse no rei do dólar do mercado negro (apoiado pelos Estados Unidos).

O primeiro impacto político sério após a liberação dos vazamentos do Banestado é que os advogados de Lula, Cristiano e Valeska Zanin, finalmente solicitaram oficialmente às autoridades suíças que entregassem os originais.

O governador Requião, aliás, foi o único político brasileiro a pedir publicamente a Lula, em fevereiro, que procurasse os documentos na Suíça. Não é surpresa que Requião seja a primeira figura pública no Brasil a pedir agora a Lula que torne todo esse conteúdo público quando o ex-presidente se apossar dele.

A lista real, não adulterada, de pessoas envolvidas na corrupção da Odebrecht está repleta de grandes nomes - incluindo a elite do Judiciário.

Confrontando as duas versões, os advogados de Lula podem finalmente ser capazes de demonstrar a falsificação de “evidências” que levaram à prisão de Lula e também, entre outros desenvolvimentos, ao exílio do ex-presidente do Equador Rafael Correa, à prisão de seu ex-vice- Jorge Glas, à prisão do ex-presidente Ollanta Humala e sua esposa e, mais dramaticamente, ao suicídio do ex-presidente do Peru, Alan Garcia.

O Ato Patriota Brasileiro

A grande questão política agora é não descobrir o mestre manipulador que enterrou o escândalo do Banestado há duas décadas.

Como detalhou o antropólogo Leirner, o que importa é que o vazamento das contas do CC5 se concentre no mecanismo da burguesia brasileira corrompida, com a ajuda de seus parceiros políticos e do Poder Judiciário - nacionais e estrangeiros - para se solidificarem como uma classe rentista, mas ainda assim sempre submisso e controlado por arquivos imperiais “secretos”.

Os vazamentos do Banestado e as contas do CC5 devem ser vistas como uma abertura política para Lula fracassar. É uma guerra total (híbrida) - e piscar não é uma opção. O projeto geopolítico e geoeconômico de destruir a soberania do Brasil e transformá-la em uma sub-colônia imperial está vencendo - sem dúvida.

Uma medida da explosividade dos vazamentos do Banestado e do CC5gate tem sido a reação de diversos e “hangouts limitados”: um estrondoso silêncio, que abrange partidos de esquerda e meios alternativos supostamente progressistas. A mídia tradicional, para a qual o ex-juiz Moro é uma vaca sagrada, na melhor das hipóteses, é considerada uma "história antiga", "notícias falsas" e até mesmo uma "farsa".

Lula está enfrentando uma decisão fatídica. Com acesso a nomes até agora ocultados pela Operação Lava Jato, ele pode ser capaz de detonar uma bomba de nêutrons e realizar uma redefinição de todo o jogo - expondo a corrupção de juízes, promotores, jornalistas e até generais que receberam fundos da Odebrecht no exterior.

Sem mencionar trazer o rei dos doleiros do mercado negro Messer - que controla o destino de Moro - para a linha de frente. Isso significa apontar diretamente um dedo para o estado profundo [deep state] dos Estados Unidos. Não é uma decisão fácil de ser tomada.

Agora está claro que os credores do estado brasileiro eram, originalmente, devedores. Confrontando contas diferentes, é possível enquadrar o lendário "desequilíbrio fiscal" no Brasil - exatamente quando essa praga é levantada, mais uma vez, com a intenção de dizimar os ativos do estado brasileiro em dificuldades. O ministro das Finanças, Paulo Guedes, neopinochetista e líder de torcida de Milton Friedman, já alertou que continuará vendendo empresas estatais como se não houvesse amanhã.

O Plano B de Lula seria fechar um tipo de acordo que enterraria todo o dossiê - exatamente como a investigação original do Banestado foi enterrada há duas décadas - para preservar a liderança do Partido dos Trabalhadores como oposição domesticada e sem tocar absolutamente na questão essencial: como Guedes está vendendo o Brasil.

Essa seria a linha preferida por Fernando Haddad, que perdeu a eleição presidencial para Bolsonaro em 2018 e é uma espécie de versão brasileira de Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile. Ele é um neoliberal envergonhado, sacrificando tudo para ter mais uma chance no poder, possivelmente em 2026.

Se o Plano B acontecesse, galvanizaria a ira dos sindicatos e movimentos sociais - a classe trabalhadora brasileira de carne e osso, que está prestes a ser totalmente dizimada pelo neoliberalismo em esteroides e pelo conluio tóxico da versão brasileira inspirada na versão norte-americana do Ato Patriótico com esquemas militares para lucrar com Evangelistão do Pó.

E tudo isso depois que Washington - com sucesso - quase destruiu a campeã nacional Petrobras, um objetivo inicial da espionagem da NSA. Zanin, advogado de Lula, também acrescenta - talvez seja tarde demais - que a "cooperação informal" entre Washington e a Operação Lava Jato era de fato ilegal, de acordo com o decreto número 3.810/02.

O que Lula fará?

Tal como está, como um desenvolvimento dos vazamentos do Banestado, uma primeira lista VIP do Banestado foi reunida. Inclui o atual presidente do Supremo Tribunal Eleitoral, que também atua como juiz do Suprema Tribunal Federal, Luis Roberto Barroso, banqueiros, magnatas da média e industriais. O promotor da Operação Lava Jato Deltan Dallagnol parece muito próximo da justiça neoliberal do Supremo Tribunal em questão.

A lista VIP deve ser lida como um roteiro para as práticas de lavagem de dinheiro dos brasileiros do 0,01% - estimado em aproximadamente 20.000 famílias que controlam a dívida interna brasileira de quase um trilhão de dólares. Uma grande parte desses fundos foi reciclada de volta ao Brasil como "investimento estrangeiro" através do esquema CC5 nos anos 90. E foi exatamente assim que a dívida interna do Brasil explodiu.

Ainda assim, ninguém sabe onde a torrente de dinheiro desonesto habilitada pelo Banestado realmente chegou, em detalhes. A "mala do corpo" nunca foi formalmente reconhecida como tendo sido trazida de volta de Nova York e nunca entrou no processo criminal. No entanto, a lavagem de dinheiro está quase definitivamente ainda em andamento - e, portanto, o período de limitação não se aplica -, portanto, alguém teria que ser jogado no slammer. Parece que não será o caso em breve.

Enquanto isso, possibilitado pelo estado profundo dos Estados Unidos, pelas finanças transnacionais e pelas elites compradoras locais - algumas de uniforme, outras de toga - o golpe da guerra híbrida em câmara lenta contra o Brasil continua se desenvolvendo, dia após dia, aproximando-se do domínio do espectro total.

O que nos leva à questão-chave final: o que Lula fará sobre isso?

***

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Tradução de Alejandro Acosta, do Gazeta Revolucionária

Originalmente em Asia Times