Censura e ameaças - Mudança de Local | Larry Romanoff

Censura e ameaças - Mudança de Local | Larry Romanoff

Por Larry Romanoff

Escrevi um artigo em 19 de Março de 2020, intitulado “COVID-19: A verdade em três estágios", enumerando-as assim: Primeira, é ignorada. Segunda, é amplamente ridicularizada. Terceira, é aceita como auto-evidente. Neste processo, omiti algo importante. A segunda fase, na verdade, tem duas etapas: a verdade é amplamente ridicularizada, mas, se o ridículo se mostra insuficiente para impedir que a verdade ganhe força, surgem assassinos contratados para matar o mensageiro, de um modo geral, figurativamente, mas às vezes, literalmente. Só se este esforço final falhar é que a verdade ganhará reconhecimento público suficiente para, finalmente, ser aceita como auto-evidente.


Até agora, os meus artigos COVID-19 (que denominei como COVID-US) alcançaram milhões de downloads e de leitores na América do Norte. Foram traduzidos em vários idiomas (inclusive o albanês) e publicados em sites e blogs na maioria dos países cujos nomes os leitores conhecem. Um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China postou, no Twitter, um link sobre o meu artigo “COVID-19 - Mais Evidências de que o Vírus se Originou nos EUA”, dizendo que os meus artigos sobre o vírus mudavam a maneira como ele encarava tudo e escreveu na sua postagem, “Este artigo é muito importante para todos e cada um de nós. Leiam e re-twitem.” Também fez uma publicação semelhante no Weibo, na China, com um link para o mesmo artigo, e recebeu 160 milhões de visualizações - confirmadas por um artigo do New York Times.


O grande volume sobrecarregou as tentativas de ridícularizar, provocando grande alarme e levando ao assassinato como sendo o curso normal dos acontecimentos. Em seguida, fui inundado com mensagens encantadoras de pessoas que me queriam “contactar”, em alguns casos “para me compreender melhor”, incluindo a Embaixada dos EUA em Pequim, todos os principais meios de comunicação mediática norte-americanos (e de alguns lacaios europeus) e uma série desorganizada de várias categorias de desajustados. Alguns fingiram ser revistas europeias importantes a solicitar permissão para publicar os meus artigos, mas claramente mais interessados ​​em obter os meus dados bancários e informações de contato (para poderem me pagar). Como esta abordagem falhou, solicitaram a minha localização física e endereço para me enviarem “pessoalmente” cópias impressas (ou, talvez, para me fazerem uma visita por outros motivos). Outros fingiram ser estudantes de pós-graduação em faculdades que variam de Harvard a West Overshoe, Kansas, Nairobi, Quénia, novamente menos interessados ​​na pesquisa do que em obter detalhes pessoais, informações de contato e, acima de tudo, uma localização física precisa.


Um jornalista famoso de um dos três grandes jornais dos EUA enviou, no início, emails repetidos com muitas perguntas pessoais que não eram de sua conta, incluindo o motivo da “modéstia do meu perfil” e, o que é mais importante, perguntava se o Governo chinês estava me pagando. Depois passou a me enviar resmas de particularidades pessoais, como o meu local de nascimento, o número e o sexo dos meus filhos, nomes de antigos colegas de trabalho, até mesmo fotos minhas do meu tempo na universidade e mais tarde, e muito mais. O nosso ilustre jornalista e extorsionista esperava me intimidar com um encontro pessoal. Outros fizeram tentativas mais limitadas.


Estas atividades aconteceram simultâneamente, quando a Casa Branca declarou, repentinamente, que todas as reuniões e informações do COVID-19 seriam secretas “porque tinham algo a ver com a China”, e Pompeo instruía todos os funcionários do Departamento de Estado, em todo o mundo, para “culpar a China” pelo vírus.


Depois recebi uma mensagem de alguém que afirmava ser “um repórter de checagem de fatos” nas publicações Gannett. Para cumprir a sua missão, parecia que  precisava dos nomes e lugares de todas as minhas fontes de pesquisa, nomes dos “escritores, funcionários ou comentaristas” (e colaboradores) que concordaram com a minha posição e, mais precisamente, “De onde compilou a pesquisa relatada no seu artigo?” Não respondi e, no dia seguinte, todos os meus artigos sobre o vírus tornaram-se “persona non grata” no Facebook, todos os links e postagens recusados com o fundamento de serem “notícias falsas” (para protecção de americanos inocentes). Todas as contas do Wordpress parecem ter seguido rapidamente o exemplo.Ao que parece, pessoas com as mesmas ideias e interesses. E é claro que o Google se tornou surpreendentemente seletivo em informações que parece não encontrar. Como já escrevi antes, o único valor da 'liberdade de expressão' depende, principalmente, de ter o controle do microfone.


Estas tentativas não conseguiram conter a onda de consciencialização do público, a plataforma que publicava os meus artigos sobre o vírus descobriu que, de repente, alguém os apagou. Não vou entrar em detalhes, mas penso: 'OTAN, CIA, RCMP, Governo dos EUA', não necessariamente nesta ordem. Não tendo conseguido me localizar e silenciar, os bandidos desligaram o microfone. A rede de censura dos EUA não só está unida e bem organizada, como também tem mais força do que a maioria de nós poderá imaginar. E não hesita em usá-la.


O que me leva tardiamente ao assunto desta mensagem. Os meus artigos sobre o vírus estão agora disponíveis em vários idiomas (e mais irão chegar) em: https://www.moonofshanghai.com/


É necessário que continuemos o impulso da maré para que a verdade atinja a terceira fase. Há progresso e haverá mais informações.


Virologistas franceses concluíram agora que “O surto de coronavírus em França não foi provocado por casos importados da China, mas de uma estirpe/cepa de origem desconhecida, que circula localmente ...”, (1) e, de outros estudos, esta cepa/estirpe existia só nos EUA. A minha informação é que a Itália, a Espanha e talvez também Portugal, tenham chegado à mesma conclusão.


A seguir, “Os dados mostram que os primeiros casos do COVID-19 no Canadá, vieram dos EUA e não da China". (2)


De considerável interesse é que Nova York agora diz, impacientemente, aos americanos que o “Coronavírus veio da Europa para Nova York, não da China”. Isto não está sendo feito para defender a China, nem devido a qualquer surto repentino de justiça cristã. Pelo contrário, é uma medida preventiva para desviar a culpa, que certamente chegará a inevitável conclusão de que a Europa foi semeada a partir dos EUA. O fundamento das suas alegações parece ser apenas, de que a estirpe/cepa do vírus que afecta Nova York e a Itália é idêntica, a culpa é atribuída aos “viajantes” italianos que infectam os americanos de Nova York, ignorando o fato de que os aviões não estão vazios quando voam dos EUA para Itália e todas as provas são de que a infecção aconteceu na direção inversa. (3) (4)


Em seguida, “Estudo: a segunda onda de infecção no Japão veio do Ocidente”. Parece que as primeiras infecções do Japão, como as de vários outros países, estavam entre os poucos visitantes de Wuhan, mas “o vírus confirmado no Japão tinha uma característica mais próxima do gene do vírus que se espalhou nos países europeus do que o de Wuhan", e os haplótipos da Europa parecem ter-se originado nos EUA porque só os EUA têm todas as estirpes/cepas. (5)


Por fim, o Primeiro Ministro da Austrália declarou recentemente, que 80% ou mais de todas as infecções no seu país vieram dos EUA. (6) Da mesma forma, a Islândia confirmou que algumas das suas infecções por coronavírus foram atribuídas a Denver. (7) (8)


Depois, o Presidente da Câmara/Prefeito de Belleville, New Jersey, Michael Melham,  disse que tinha testado positivo para os anti-corpos do coronavírus, acrescentando que contraiu o novo coronavírus em Novembro, mais de dois meses antes do relato do primeiro caso confirmado nos EUA. (9) Anders Tegnell, epidemiologista chefe da Suécia, disse que o coronavírus pode estar circulando no país desde novembro. (10)


Por fim, há algo estranho sobre o vírus na Rússia. Durante um longo tempo, a Rússia teve apenas algumas infecções, aumentando constantemente apenas cinco ou dez por dia e, de repente, explodiu, aumentando para 5.000 e depois para 10.000 por dia. Os surtos de vírus normalmente não se manifestam dessa maneira. O processo normal é um aumento constante e uma aceleração rápida no número de infecções até atingir o pico, como aconteceu com todos os outros países. Mas com a Rússia, as infecções foram pequenas durante um longo tempo, constantes em números muito baixos, com todas as indicações de uma epidemia mal sucedida. Eu estou muito interessado em ver as sequências do genoma das primeiras infecções em Janeiro e Fevereiro e as que acontecem em Abril e Maio. Suspeito que as duas variedades são diferentes, o que sugere que a Rússia foi semeada novamente com outra variedade, em uma segunda tentativa.


Se me é permitido, gostaria de pedir ao leitor para encaminhar o link do site Moon of Shanghai acima mencionado, para todos os amigos ou conhecidos que possam estar interessados. Também pode encaminhar este artigo. Apesar dos obstáculos acima mencionados, seria trágico que se perdesse a onda de informação pública. Por favor, ajude a dar ao site Moon of Shanghai, o tráfego que merece. E, talvez, se estiver disposto, fazer uma oração de agradecimento pelas tentativas de assassinato fracassadas.

Os meus melhores cumprimentos,
Larry Romanoff

Leia os textos de Larry Romanoff em Dossier Sul

***

Larry Romanoff é consultor em administração, tem atuado como professor da Universidade Fudan de Xangai e está escrevendo uma série de dez livros relacionados à China e ao Ocidente

Notas

(1) https://www.msn.com
(2) https://news.cgtn.com
(3) https://newsaf.cgtn.com
(4) http://www.chicagotribune.com
(5) https://global.chinadaily.com.cn
(7) https://www.denverpost.com
(8 ) https://icelandmonitor.mbl.is
(9) https://news.cgtn.com
(10) https://www.ft.com