EUA: Bernie Sanders tem chances de vencer Trump

EUA: Bernie Sanders tem chances de vencer Trump

Por Ekaterina Blinova

O professor Vladimir Golstein revela porque Bernie Sanders é o único candidato democrata que tem chance de derrotar o presidente. Confira na entrevista da repórter de Sputnik, Ekaterina Blinova. 

A absolvição de Donald Trump em 5 de fevereiro no Senado deu o sinal verde à candidatura de reeleição do presidente. De acordo com o BetOnline.ag, as chances de Trump nas eleições de 2020 são boas, enquanto o candidato presidencial democrata Bernie Sanders é o candidato mais provável do campo democrata depois de obter uma vitória nas primárias de New Hampshire em 11 de fevereiro.

Vladimir Golstein, professor associado de estudos eslavos na Brown University, com sede em Rhode Island, diz que os democratas não conseguiram tirar o fôlego da candidatura à reeleição Trump e explica por que Bernie Sanders é o único adversário digno do presidente.

 Qual a sua opinião sobre o impeachment? O que os Democratas ganharam com esse processo, valeu a pena?

Vladimir Golstein: A saga do impeachment testemunha em primeiro lugar o fracasso dos Democratas em apresentar um forte programa viável para derrotar Trump em novembro. Nancy Pelosi e a liderança do Comitê Nacional do Partido Democrata (DNC), avaliaram seu campo e não ficaram muito impressionados com a qualidade dos candidatos, decidiram embarcar no impeachment na esperança de manchar Trump e enfraquecer sua posição e reputação.

Estou certo de que, aos olhos de seus apoiadores, os democratas alcançaram seus objetivos. Quem não gostava de Trump acabou desgostando ainda mais dele. Mas, tanto os apoiadores de Trump quanto os independentes se sentiram envergonhados com o processo.

O país enfrenta uma quantidade infinita de sérios desafios, desde a economia até problemas na esfera social, às relações com a China e a Rússia e os desafios climáticos. O foco em Trump e seu complexo relacionamento com a Ucrânia e sua liderança confundiu e irritou as pessoas. O orda de especialistas, que em vez de mostrar sua experiência e avaliação objetiva - se envolveram em políticas partidárias, dificilmente ajudou. Trump emergiu da audiência mais confiante, com maiores índices de aprovação.

Como o processo de impeachment e a absolvição afetaram as posições de Trump? O que você acha dos relatos de uma futura remodelação na Casa Branca?

VG: Trump é conhecido por valorizar muito a lealdade. Tenho certeza de que ele fará tudo ao seu alcance para libertar seu gabinete daqueles em que não confia mais. Não acho, no entanto, que ele esteja envolvido em algum tipo de vingança pessoal. Ele se sente vitorioso, tem uma campanha séria a realizar, por isso é altamente improvável que ele decida fazer qualquer coisa que dê aos democratas outra oportunidade de atacá-lo e criticá-lo.

Quais são as chances dos democratas na corrida presidencial de 2020? Quem provavelmente poderá ser o maior rival de Trump na última fase do pleito?

Estou fortemente convencido de que a única pessoa que pode desafiar o presidente Trump é o Senador Bernie Sanders. E pesquisas recentes confirmam isso, mesmo sabendo que as pesquisas podem ser enganosas. Eu não acho que Pete Buttigieg tenha apelo suficiente dentro do partido Democrata e mais ainda fora dele, onde ele é percebido como outra versão de Barack Obama.

Como em muitas eleições recentes, o destino do vencedor seria decidido por pessoas que não são partidárias de nenhum dos partidos. Estamos falando de independentes, sobre os chamados "Democratas Reagan", ou seja, trabalhando com eleitores médios-baixos que podem estar decepcionados com os democratas por não representarem mais seus interesses e que, portanto, votariam em Trump. Outro grupo que pode contribuir para a vitória são as pessoas que geralmente não votam, mas que podem ser estimuladas por um dos candidatos.

Nos dois casos, fica claro que apenas o senador Sanders pode conseguir isso. Seu programa econômico, que parece focar em elevar a situação daqueles que precisam de melhores salários, melhor acesso a medicamentos e educação, pode fornecer o apelo necessário. Não acho que as vantagens de Sanders superem suas desvantagens aos olhos desses "democratas Reagan" e, portanto, possam garantir sua vitória em novembro, mas pelo menos ele tem uma chance. Todos os outros candidatos seriam vistos como distantes e interessados em algumas questões obscuras e irrelevantes, com as quais a maioria da população pode realmente não se importar.

Sputnik: O que acontecerá depois dess processo de impeachment? Poderíamos esperar um contra-ataque contra os democratas por parte do Team Trump? Os republicanos usarão a investigação de John Durham no espisódio do "spygate" para dar um duro golpe no campo democrata e seus aliados na Comunidade de Inteligência? Ou é mais plausível que as duas partes cheguem a um acordo tácito?

Vladimir Golstein: Suspeito que Trump não levaria mais adiante o assunto, especialmente à luz do fracasso espetacular da campanha de Joe Biden. Biden não é mais uma ameaça. Portanto, Trump não precisa realmente investigar toda a atividade desagradável do vice-presidente Biden, de seu filho Hunter e de muitos outros democratas, fortemente envolvido em assuntos domésticos e freqüentemente corruptos, da Ucrânia.

Os Democratas, por outro lado, farão o possível para continuar revirando os podres do presidente Trump. Eles sabem que essa é a única maneira de pegá-lo. Especialmente porque a economia parece ter um bom desempenho, o desemprego é baixo e Trump goza de popularidade entre um grande segmento da população.

Muitos eleitores independentes querem que Trump investigue o campo democrata e suas relações não muito limpas com a Comunidade de Inteligência, que se mostrou altamente tendenciosa e partidária. Mas não vejo isso entre as cartas. Trump está muito mais interessado em vencer a eleição do que em qualquer outra coisa. Como ele se comportará, que ações ele empreenderá, se vencer, é uma pergunta muito interessante, que ninguém, incluindo Trump, pode responder agora.

***

*Ekaterina Blinova é jornalista 

Origialmente em Sputinik Mundo