Outro roubo | Angel Rafael Tortolero Leal

Outro roubo | Angel Rafael Tortolero Leal

Por Prof. Dr. Angel Rafael Tortolero Leal 

Que barbaridade. O ouro venezuelano depositado em Londres de acordo com a decisão de um tribunal inglês, será entregue a Juan Guaidó reconhecendo nele o status de governante com o qual ele nem sonha. Pouco importa ao Reino Unido que um bobo da corte administre essa riqueza, certamente Guaidó e seus sequazes distribua o espólio como um corsário por ordem de sua majestade e siga a adicionar cúmplices a seus atos criminosos.

Nessa ordem de idéias, a Venezuela é vítima de uma nova loucura, sem sustentação jurídica, que deve chamar a atenção do mundo, porque com ela é imposta um modelo "pseudo-democrático" que ignora os Estados nacionais e seus governos legítimos, substituindo-os por grupos criminosos que assaltam toda a riqueza de uma nação em favor de castas e famílias genuflexas ao mando imperial.

Nesse sentido, o Supremo Tribunal britânico que decidiu pelo governo "ad hoc" de Juan Guaidó e não reconhece o presidente Nicolás Maduro, com sua ação está validando que em qualquer país alguém se autoproclame presidente para aproveitar todas as riquezas daquela nação. Isso estabelece um precedente perigoso que "justifica" a transgressão de qualquer norma legal à sua vontade e sob qualquer pretexto.

Estamos diante de uma sentença perigosa, na qual o governo do Reino Unido "inequivocamente" reconhece Guaidó como "presidente constitucional interino" da Venezuela e, portanto, na opinião dos magistrados desse tribunal, é o conselho do Banco Central da Venezuela. (BCV) indicado por ele que tem "autoridade" sobre as reservas internacionais.


Consequentemente, é um momento propício para a chamada "oposição democrática" demonstrar seu apego à constituição que alega obedecer e repudiar esse novo ato criminoso de Juan Guaidó e seus companheiros contra a pátria. Até agora, a resposta da oposição não teve a força esperada daqueles que afirmam lutar pela justiça e pelo Estado de direito, uma situação que põe em dúvida sua presumida linhagem nacionalista e seu espírito democrático.

Por outro lado, o chefe da diplomacia europeia pede uma trégua e reconhece o governo do presidente Nicolás, enquanto que para a ONU, o único governo que existe na Venezuela é o comandado pelo presidente Maduro, algo que desmascara o suposto argumento do infeliz tribunal britânico que concede direitos ao suposto governo de Guaidó.

Estamos diante de um assalto vulgar; um saque das riquezas do país perpetradas pelos mesmos que tomaram CITGO e Monómeros.

Foi demonstrado que eles são um bando que age sob o consentimento dos interesses do Reino Unido e dos EUA, e sua motivação é roubar os venezuelanos, uma vez que o ouro sequestrado pelo Reino Unido é propriedade de todos os venezuelanos.

Por conseguinte, quem não se manifesta diante dessa afronta ao Estado de Direito é cúmplice por omissão, pois, para além do governo bolivariano, existe a pátria que pertence a todos e, portanto, é necessário defendê-la com todas as nossas forças, ninguém pode argumentar que, por discordar da Revolução Bolivariana e Chavista, o que está acontecendo não é problema seu. 

À Venezuela se respeita, já basta de tantos abuso. É a hora dos patriotas, de todos os patriotas, não é hora de cálculo político; de análise das conveniências eleitorais; o ridículo jogo efêmero de poder da direita e da pseudo esquerda aliada a suas manobras. Aqui não há o direito a dúvidas, ou você se junta à defesa do país; repudia os ladrões e marca distância deles; ou de forma covarde, com sua indiferença e silêncio diante do que acontece, apóia os criminosos e assume as conseqüências que derivam desse ato.

Nós, revolucionários, estamos na linha de frente da batalha, em perfeita união, juntamente com o governo do presidente Nicolás Maduro Moros e comprometidos com a defesa abrangente de toda a pátria de Bolívar e Chávez.

***

Dr. (PhD) Ángel Rafael Tortolero Leal  é Profesor Investigador Titular da Universidad Nacional Experimental "Rómulo Gallegos" (Unerg), Diplomata; Ex Embajador venezuelano, Analista Internacional e membro do Centro de Estudios Socialistas Jorge Rodríguez.