Síria impõe o Acordo de Astana pela força, à medida que as tensões russo-turca aumentam

Síria impõe o Acordo de Astana pela força, à medida que as tensões russo-turca aumentam

Por Elijah J. Magnier 

Desde 2012, a rodovia M5 – Damasco-Aleppo estava sob o controle das forças jihadistas. O Exército Sírio recém liberou a estrada M5 Damasco-Aleppo e mais de 140 cidades, vilarejos e montanhas estratégicas ao redor da região. A Turquia e os uzbeques, uigures e Hayat Tahrir al-Sham (anteriormente al-Nusra) não conseguiram proteger suas posições fortificadas, abandonando-as e recuando para a área em torno de Idlib.

Esta foi a primeira vez que o exército turco foi bombardeado diretamente pelo Exército Sírio. Cinco oficiais turcos foram mortos no aeroporto militar de Taftanaz, a base usada pela Turquia e seus jihadistas. Ancara foi forçada a enviar seu próprio exército ao campo de batalha para compensar a fraqueza de seus aliados jihadistas no terreno.

A libertação da M5 dos jihadistas foi estipulada no acordo Astana assinado em outubro de 2018, uma obrigação que a Turquia deixou de honrar desde então. O governo sírio realizou três grandes avanços em direção à M5 desde então, mas desta vez a decisão de recuperá-la foi final. Esta é uma mensagem sírio-russa para o presidente Erdogan de que o tempo está se esgotando para Idlib. O bras-de-fer turco-russo também está chegando além das fronteiras da Síria. Também é evidente na Ucrânia e na Líbia, onde a Turquia está buscando um papel importante.

Os russos estão fornecendo ao Exército Sírio equipamentos avançados de guerra e dezenas de tanques T-90, que ajudam o exército a continuar suas ofensivas militares à noite. Isso, junto com as centenas de ataques da Força Aérea Russa, ajudou a libertar toda a área no lado leste da estrada e muitas outras áreas no lado oeste, onde a operação militar continua. Além disso, a Rússia ofereceu inteligência militar e apoio de planejamento incomparáveis ​​ao exército sírio nessa operação bem-sucedida, além de bombardear as linhas dos jihadistas e também por trás de sua posição de recuo. 

O que foi surpreendente foi a descoberta de quilômetros de túneis subterrâneos com hospitais de campo, munições e bens de suporte à vida que poderiam ter sustentado um cerco muito longo em todas as áreas liberadas nos dois lados da M5 e nas principais cidades como Saraqeb e El-Eiss. Esses túneis estavam interligados, ligando vilarejos por debaixo do solo, possuindo alguns deles até 20 metros de profundidade, metragem o suficiente para se proteger de bombardeios aéreos. Os jihadistas estavam com pressa – eles evacuaram todas essas posições deixando todo o equipamento e estruturas para trás.

A estratégia do Exército Sírio, nos últimos anos, tem envolvido deixar uma estrada aberta para os jihadistas fugirem antes da aproximar das forças sírias. Após a libertação de Aleppo, o Exército Sírio evitou as cidades vizinhas devido ao benefício da propaganda que os jihadistas teriam através da mídia ocidental e dos intervencionistas estrangeiros que não desejam ver a Síria se recuperando e unida. É por isso que as estradas sempre foram deixadas abertas para os jihadistas recuarem antes de qualquer ataque final.

A Turquia é incapaz de proteger seus aliados jihadistas e não pode oferecer-lhes apoio aéreo. A Rússia está no controle do espaço aéreo sírio e Damasco alertou a Turquia de que derrubaria qualquer jato turco que viole o espaço aéreo sírio.

É uma nova virada estratégica na guerra síria que Maarrat al-Nu’man, Saraqeb, Tel el-Eiss, Rashedeen agora estão libertadas. É uma indicação de que a Turquia achará difícil proteger seus jihadistas a longo prazo. A estabilidade da Síria requer a libertação de todo o seu território. A estabilidade síria é do interesse da Rússia e de seus objetivos de segurança nacional. A Rússia entrou no Levante para parar a guerra. Sua credibilidade está em jogo. Possui uma grande base naval que oferece acesso exclusivo ao Mediterrâneo. Também é do interesse da Rússia eliminar a Al-Qaeda e todos os grupos que aderem à sua ideologia takfiri, apesar de suas diferentes prioridades e nomes. Os jihadistas uzbeques e uigures no Levante não têm para onde ir e devem lutar até o último homem.

A Turquia está mostrando seus dentes para a Rússia, recusando-se a reconhecer a soberania russa da Crimeia e oferecendo 33 bilhões de dólares à Ucrânia em armas. A Turquia está buscando um papel mais eficaz e reconhecido na Líbia, onde o governo central está solicitando oficialmente o apoio de Ancara. No entanto, a situação na Síria é diferente. A Turquia sabe que sua presença na Síria não pode durar muito e que a libertação de Idlib, mesmo que não esteja na agenda de hoje, acontecerá em breve. É apenas uma questão de tempo.

As forças de ocupação dos EUA se encurralaram em uma área limitada no nordeste da Síria, onde podem roubar petróleo sírio, como anunciou o presidente Donald Trump. Essa presença limitada dos EUA não é uma prioridade para o exército sírio. Idlib será libertado primeiro e depois Afrin. É por isso que a Turquia está tentando reforçar e estabilizar sua influência na Síria. Foram realizadas quatro reuniões entre os oficiais de inteligência sírios e seus colegas turcos no mais alto nível para discutir novos acordos. A Turquia quer modificar o acordo de Adana de 1998 com a Síria, que reestabelecendo a presença militar turca das áreas de atuação do PKK na Síria. 

A Rússia e o Irã estão desempenhando um papel importante na redução das tensões turco-sírias, mas o objetivo final é a retirada total da Turquia da Síria.

A Turquia comprou o S-400 da Rússia e o oleoduto Turkstream foi lançado oficialmente no mês passado para reduzir as remessas russas via Ucrânia. Por outro lado, a Turquia também é um aliado da OTAN com uma poderosa base militar estadunidense em suas fronteiras. A Turquia terá dificuldade em encontrar um equilíbrio entre as duas superpotências e, ao mesmo tempo, proteger seus jihadistas na Síria. O tempo para a Turquia avaliar suas opções está próximo.

***

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e Analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência

Originalmente em ejmagnier.com/

Traduzido por: Rafael Silveira