Thierry Meyssan - Golpistas na sombra do coronavírus

Thierry Meyssan - Golpistas na sombra do coronavírus

Por Thierry Meyssan

A supremacia da lógica administrativa sobre a lógica política

Inúmeros governos em países industrializados responderam à epidemia de Covid-19 decretando o confinamento da população. Essa estratégia não tem nada a ver com medicina, que nunca praticou o isolamento de pessoas saudáveis. Trata-se realmente de gerenciar os meios médicos para evitar um fluxo maciço de pacientes que sobrecarregaria os hospitais. São poucos os países industrializados que, como a Suécia, rejeitaram essa visão administrativa diante da epidemia. Esses países optaram por ações médicas e não praticam confinamento generalizado.

A primeira lição que nos deixa é, portanto, que nos países desenvolvidos a lógica administrativa prevalece sobre a experiência médica.

No entanto, mesmo sem habilidades médicas, não tenho dúvida de que milênios de experiência médica e de saúde precisam ser mais eficazes contra doenças do que "prescrições" burocráticas.

De qualquer forma, observar o fenômeno atual permite comprovar que a Suécia tem apenas 10 mortes por milhão de habitantes, enquanto a Itália já registra 166 mortes para cada milhão de habitantes. Obviamente, este é apenas o começo da epidemia e se trata de dois países muito diferentes. Mas, a Itália provavelmente enfrentará uma segunda onda de contaminação e uma terceira, enquanto a Suécia já terá adquirido um nível de imunização em massa e estará protegida.


Supremacia dos altos funcionários da saúde sobre os eleitos pelo povo

Depois de salientar o acima exposto, deve-se notar que o confinamento geral da população saudável perturba, além da economia, as formas de governo. Em quase todos os países, vemos a palavra dos políticos em segundo plano antes da palavra dos altos funcionários do setor da saúde, que logicamente deveriam ser mais eficazes. E isso é lógico, dado que a decisão de confinamento é puramente administrativa. Foi aceito coletivamente lutar por hospitais e tentar nos proteger da doença, em vez de combatê-la.

Infelizmente, qualquer pessoa será capaz de verificar que, apesar das aparências, não há eficácia. Por exemplo, os países membros da União Européia não conseguiram fornecer o equipamento médico e os medicamentos necessários em tempo hábil. O problema vem das regras usuais.

Basta dizer que a globalização econômica levou a que haja apenas um fabricante de respiradores artificiais ... e que esse fabricante seja chinês. Os procedimentos de licitação impõem um período de vários meses antes de dispor desse "produto" e os políticos não devem ignorar esses procedimentos. Os Estados Unidos tiveram que intervir  em empresas para resolver esse problema.

A França, um país que durante a Segunda Guerra Mundial viveu sob uma ditadura administrativa, liderada por Philippe Petain sob o nome de "Estado francês", também sofreu quatro décadas de confisco do poder político por altos funcionários, que os franceses chamam de "ENArquía" [1]. Mas esse sistema privou os políticos do conhecimento administrativo que obtinham anteriormente, exercendo diferentes mandatos locais e regionais, antes de atingir o nível nacional. Atualmente, os responsáveis pelos cargos eletivos têm menos informações do que os altos funcionários e enfrentam grandes dificuldades no controle dos atos destes.

Nas atuais circunstâncias da crise do coronavírus, as autoridades de saúde mais antigas são investidas abruptamente de uma autoridade que normalmente não possuem. Diante disso, banqueiros e militares agora aspiram a uma promoção semelhante, em detrimento dos políticos. 

 

Os banqueiros, à espera de sua oportunidade

No Reino Unido, Gordon Brown, ex-ministro das Finanças e mais tarde primeiro-ministro britânico, acaba de publicar no Financial Times um texto em que propõe usar o medo da Covid-19 para fazer o que não foi alcançado durante a crise financeira de 2008 [2]. Naquele momento, Gordon Brown não conseguiu criar um governo financeiro mundial e teve que se contentar com uma simples concertação no G20. Agora, diz Gordon Brown, seria possível estabelecer um governo mundial da saúde e determinar quais poderes poderiam ser associados aos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

Não há nada para acreditar que tal governo mundial faria melhor as coisas do que os governos nacionais. O certo é que essa enteléquia escaparia a todas as formas de controle democrático.

Esse projeto não tem mais chance de ser realizado do que o projeto do governo financeiro mundial. Gordon Brown também foi um firme defensor da manutenção do Reino Unido na União Europeia, uma aposta que ele também perdeu.


O Deep State estadonidense, recolhido às sombras

Ao longo da história, as crises sempre serviram de pretexto para aqueles que tentam explorar o argumento da "urgência" para mudar de poder sem que a opinião pública tenha tempo para refletir. Esse álibi sempre funcionou.

Em 30 de janeiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou o "estado internacional de emergência no campo da saúde pública". No dia seguinte, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Mark Esper, assinou secretamente uma ordem de advertência de que o NorthCom deve estar pronto para a possível aplicação das novas regras do plano "Continuidade do governo".

Essas novas regras são além de ultrasecretas, o que significa que a comunicação sobre as ações é ainda mais restrita do que o habitual e é divulgada apenas para pessoas com o mais alto nível de qualificação e que também possuem acesso nominal especial no âmbito do Programa de Acesso Especial (Special Access Program).

Vale lembrar que o princípio de "Continuidade do governo" foi estabelecido no início da Guerra Fria. Tratava-se de proteger o governo dos Estados Unidos em uma situação de guerra nuclear contra a União Soviética ou contra a morte ou outro impedimento dos principais pessoas encarregados do país: o Presidente dos Estados Unidos, seu Vice-Presidente e o Presidente da Câmara de Representantes. Sob uma diretiva escrita do Presidente Dwight Eisenhower, em tais circunstâncias, um governo militar teria que assumir imediatamente a continuidade do comando até uma restauração adicional dos procedimentos democráticos [3].

Essa diretiva foi invocada e essa forma de governo foi implementada em 11 de setembro de 2001 pelo então coordenador nacional da luta contra o terrorismo, Richard Clarke [4]. No entanto, embora o país tenha experimentado uma emergência naquele dia, nem o Presidente dos Estados Unidos, nem seu Vice-Presidente, nem o Presidente do Congresso morreram, nem foram incapazes de exercer suas respectivas funções, que leva-me à conclusão de que, em 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos experimentaram um golpe de estado. O então presidente, George W. Bush, não recuperou suas prerrogativas até a noite daquele dia e nunca foi esclarecido o que aconteceu nas dez horas em que sua autoridade foi suspensa [5].

Como William Arkin, considerado o melhor especialista em questões do Pentágono, explica na Newsweek, atualmente existem 7 planos diferentes [6]:

- O Resgate e Evacuação dos Ocupantes da Mansão Executiva (RESEM, em inglês), para garantir a proteção do Presidente, do vice-presidente e de suas famílias;

- O Plano Conjunto de Evacuação de Emergência (JEEP), para garantir a proteção do Secretário de Defesa e dos principais chefes militares;

- o Plano Atlas, para garantir a proteção dos membros do Congresso e da Suprema Corte;

- Octógono, plano com objetivos totalmente desconhecidos;

- Freejack, também desconhecido;

- Zodíaco, igualmente desconhecido;

- Granite Shadow, um plano que prevê o envio de unidades especiais em Washington, estabelece as condições para o uso da força e coloca o território sob a autoridade das forças armadas [7].

É importante notar que existe uma contradição entre o suposto objetivo do RESEM - garantir a proteção do Presidente e do Vice-Presidente - e o fato de que esse plano seria aplicado apenas em caso de morte ou invalidez dos responsáveis.

De qualquer forma, a implementação desses 7 planos estaria nas mãos do Comando Militar dos Estados Unidos da América do Norte (NorthCom), liderado por um ilustre desconhecido, general Terrence J. O'Shaughnessy.

Em outras palavras, sob a lei dos EUA, esse general se tornaria o ditador dos Estados Unidos somente no caso de morte ou impedimento dos três principais funcionários eleitos do Estado Federal - o Presidente dos Estados Unidos, seu Vice-Presidente e o Presidente da Câmara de Representantes - mas, na prática, seu antecessor, o general Ralph Eberhart, já figurou como tal, apesar de esses três líderes não estarem mortos nem impedidos de desempenhar suas funções. Aos 73 anos, o agora aposentado General Ralph Eberhart atualmente dirige as principais empresas que fornecem aviônicos militares nos Estados Unidos.

Em 13 de fevereiro, o general O'Shaughnessy disse à Comissão do Senado encarregada das forças armadas que a NorthCom estava se preparando para o pior. No âmbito dessas preparações, o General O'Shaughnessy se comunica diariamente com os outros 10 comandos centrais das forças dos Estados Unidos em todas as regiões do mundo [8].

Também é importante lembrar aqui que, além do território dos Estados Unidos, a "zona de responsabilidade" da NorthCom também abrange o Canadá, o México e as Bahamas. Sob vários acordos, a NorthCom pode, por sua própria iniciativa, ordenar o envio de tropas americanas nesses três países.

Em 2016, o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, assinou a ordem secreta chamada Diretiva de Política Presidencial 40 sobre a Política Nacional de Continuidade, ou seja, a "Política Nacional de Continuidade". Apenas dois dias antes de o presidente Donald Trump tomar posse na Casa Branca, o então administrador da FEMA - a agência federal responsável pelas emergências - Craig Fugate assinou a  Federal Continuity ‎Directive 1 ( Diretiva Federal de Continuidade 1), que especifica certos aspectos da aplicação deste procedimento em níveis inferiores.

Tudo é planejado em função "do pior". A epidemia fornece o pretexto para a ação. Nesse contexto, as perguntas recentemente levantadas pelo porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China [9] sobre a possibilidade de as forças armadas dos EUA disseminarem deliberadamente o novo coronavírus, fazem mais sentido e assumem nova validade. 

***

Thierry Meyssan é jornalista e presidente-fundador da Rede Voltaire

Originalmente em Rede Voltaire

Notas

 

[1] “End the dog-eat-dog mentality to tackle the crisis”, Gordon Brown, Financial Times (UK), Voltaire Network, March 26, 2020.

[2Continuity of Government: Current Federal Arrangements and the Future, Harold C. Relyea, Congresionnal Research Service, August 5, 2005.

[3Against All Enemies: Inside America’s War on Terror, Richard Clarke, Free Press (2004).

[4A Pretext for War: 9/11, Iraq, and the Abuse of America’s Intelligence Agencies, James Bamfort, Anchor Books (2005).

[5] “Exclusive: Inside The Military’s Top Secret Plans If Coronavirus Cripples the Government”, William M. Arkin, Newsweek, March 18, 2020.

[6] “Top Secret Pentagon Operation “Granite Shadow” revealed. Today in DC: Commandos in the Streets?”, William Arkin, Washington Post, September 25, 2005.

[7Hearing to receive testimony on United States Northern Command and United States Strategic Command in review of the Defense Authorization Request for fiscal year 2021 and the future years Defense Program, Senate Committe on Armed Service, February 13, 2020.