Último homem de pé - China vence a Covid-19

Último homem de pé - China vence a Covid-19

Por Godfree Roberts 

A China sofreu com a epidemia de H1N1 em 2008, em grande parte porque o CDC levou seis meses para identificá-la e, como resultado, 300.000 morreram prematuramente. A SARS (774 mortes) foi o fator decisivo. Eles criaram um sistema de alarme sensível, exigiram testes de DNA para pneumonia post mortem em todo o país e promoveram o chefe do CDC, Dr. George F. Gao [1], a semideus.

A emergência do Covid-19 já passou e deve dar ao Dr. Gao um B+ porque, embora o seu sistema contivesse uma potencial epidemia, sofria de uma fragilidade: os políticos locais podem adiar (mas não parar) o soar do alarme. Sem dúvida, por sólidas razões burocráticas, as autoridades de Wuhan atrasaram a notificação de Pequim por algumas semanas, mas depois que Pequim arrancou as informações do Diretor de Saúde Pública de Wuhan [2], o sistema entrou em ação, todos entraram em ação e literalmente o eliminaram.

A coesão e coordenação nacional foram surpreendentes, graças ao Partido Comunista. Eles coordenaram tudo e preencheram todas as lacunas, sem perguntas. Noventa por cento da equipe médica voluntária da linha de frente - dos quais 18 morreram - os membros do Partido juraram "carregar o fardo do povo primeiro e desfrutar dos seus prazeres por último". Zhang Wenhong, um destacado membro do Partido e diretor do Departamento de Doenças Infecciosas no Huashan Xangai Hospital, tornou-se um herói local por sua conversa com os membros do Partido [grifo nosso]:

A equipe de primeiros socorros estão em grande perigo. Eles estão cansados e precisam descansar. Não devemos tirar proveito de boas pessoas. A partir de agora, substituirei todos os médicos da linha de frente por membros do Partido de diferentes setores. Quando ingressamos no Partido, juramos que sempre priorizaríamos os interesses das pessoas e avançaríamos diante das dificuldades. Este é o momento em que cumprimos a promessa. Todos os membros do CPC devem correr para a linha de frente. Não me importo com o que você estava pensando quando se juntou ao Partido. Agora é hora de cumprir o que prometeu. Não me importo se você concorda pessoalmente ou não: não é negociável.

Ao todo, 40.000 voluntários se auto-organizaram e apareceram para ajudar Wuhan.

Agora a tempestade passou e a China se tornou o Papai Noel mundial, distribuindo presentes e transformando um desastre em potencial em um verdadeiro triunfo.

Nada tornaria esse triunfo mais doce do que a revelação pública que saber que nosso Centro de Controle de Doenças (CDC) sabia sobre o Covid-19 em setembro passado. Como muitos sistemas nacionais de saúde pública, o CDC ignora os novos coronavírus a cada estação de gripe e combina seus efeitos com o número imenso e flutuante de mortes anuais. Por isso, em 2008, o CDC demorou tanto para detectar o H1N1: eles não o estavam procurando.

O mesmo de sempre, até 1º de janeiro, quando a China identificou um Coronavírus desagradável e os Estados Unidos atacaram e os culparam por iniciar uma pandemia, além de insultarem sua cultura e seu governo.

Mas, eles lidaram com o Covid-19 com tanta competência que conquistaram a admiração do mundo [3] e fizeram com que os nossos ataques a eles parecessem maus, mas não é grande coisa. As pessoas esquecerão o enorme barulho que fizemos e apenas se lembrarão vagamente de que a China é imunda e que seus líderes são mentirosos. Exceto por duas coisas:

1. As políticas de saúde de sua sociedade são mais compassivas que as nossas, como os leitores mais velhos perceberão. Eles sempre atribuíram um valor social mais alto aos de oitenta anos do que nós. Então, quando foram ameaçados com mortes prematuras e dolorosas, eles colocaram toda a sua economia em espera por dois meses e, em cooperação, salvaram seus pais e avós, sob aplausos mundiais (pelo menos na minha faixa etária). Agora a China está competindo para ter a menor taxa de mortalidade per capita Covid-19 de qualquer país importante.

2. O mundo suspeitava que o Covid-19 estivesse circulando fora da China no ano passado, quando se lembrou disso: a primeira morte por cigarro eletrônico (vaping) relatada pelas Autoridades de Saúde dos EUA. Em agosto de 2019, “Em meio à falta de informações, os pesquisadores se esforçaram para encontrar links compartilhados para os problemas respiratórios. As autoridades disseram no início desta semana que muitos pacientes, a maioria adolescentes ou adultos jovens, descreveram dificuldade em respirar, dor no peito, vômito e fadiga”, sintomas da Covid-19. Se isso é muito especulativo, eis o que a Rádio Pública (NPR) noticiou: Outros países podem aprender lições importantes da Itália, diz o Dr. Giuseppe Remuzzi, co-autor de um artigo recente no The Lancet sobre a situação terrível do país. Os tópicos incluem como converter rapidamente um hospital geral em uma unidade de tratamento de coronavírus com médicos e enfermeiros especialmente treinados. "Tivemos dermatologistas, oftalmologistas, patologistas, aprendendo a ajudar uma pessoa com um respirador", diz Remuzzi. Alguém pergunta por que a Itália foi pega de surpresa quando o surto de vírus foi revelado em 21 de fevereiro. Remuzzi diz que agora está ouvindo informações sobre isso de clínicos gerais. “Eles se lembram de ter visto uma pneumonia muito estranha, muito grave, principalmente em idosos em dezembro e até novembro. Isso significa que o vírus estava circulando, pelo menos no norte da Lombardia, antes que soubéssemos que esse surto ocorria na China."

A OMS não solicitou os dados do CDC porque os EUA atacam diariamente a OMS e o Dr. Ghebreyesus sabe que os EUA podem demiti-lo. Mas o Dr. Ghebreyesus e o Dr. Gao e todos os Ministros da Saúde do mundo sabem a verdade. O DNA italiano do Dr. Remuzzi é rastreável. O mesmo acontece com a China. O mundo tem sido muito bom em rastrear as gerações de Coronavírus e a China o fez, então agora parece que a merda está prestes a atingir as pás do ventilador.

 

Aqui está o que aconteceu no ciberespaço chinês (Thomas Hon Wing Polin, Facebook):

SURTO DE WUHAN : A CHINA EXIGE UMA RESPOSTA HONESTA

- Agora é virtualmente certo que o COVID-19 foi trazido para Wuhan pelas tropas americanas que participaram dos Jogos Mundiais Militares da cidade entre os dias 18 e 27 de outubro.

- O contingente de 300 soldados dos EUA ficou a 300 metros do Mercado de Frutos do Mar de Huanan, onde o surto da China começou (veja o mapa abaixo) no Wuhan Oriental Hotel.



- Cinco dos soldados americanos desenvolveram febre em 25 de outubro e foram levados para um hospital de doenças infecciosas para tratamento.

- 42 funcionários do Oriental Hotel foram diagnosticados com COVID-19, tornando-se o primeiro cluster em Wuhan. Na época, apenas 7 pessoas do mercado haviam sido diagnosticadas (e tratadas antes da equipe do hotel). Todos os 7 tiveram contato com os 42 do hotel. A partir dessa fonte, o vírus se espalhou para o resto da China.

- A equipe americana dos Jogos Militares treinou em um local perto de Fort Detrick, o laboratório viral das forças armadas fechado pelo CDC em julho por várias deficiências.

- A grande questão agora é se a transmissão foi planejada ou acidental.

- As autoridades chinesas estão aguardando uma explicação das autoridades americanas.

- Alguns dias atrás, Mike Pompeo telefonou para Yang Jiechi, Conselheiro de Estado Chinês para Relações Exteriores. Na verdade, o colega de Pompeo é o ministro das Relações Exteriores Wang Yi e Yang é o chefe de Wang, então Pompeo queria falar sobre algo urgente e importante.

- Pompeo queria que os chineses não divulgassem o que haviam encontrado.

- Resposta de Yang: "Aguardamos sua explicação solene, especialmente sobre o paciente zero".

- Os líderes da China há muito suspeitam do envolvimento militar dos EUA no surto de Wuhan, mas estavam determinados a interromper a doença antes de perseguir os americanos por uma declaração honesta.

***

Notas

[1] O Dr. Gao fez contribuições para o estudo da transmissão de patógenos entre espécies. Ele organizou o primeiro Dia Mundial da Gripe em 1º de novembro de 2018, comemorando o centenário da gripe espanhola. Foi também a comemoração de 15 anos do surto grave de síndrome respiratória aguda, SARS, que levou a China a priorizar o investimento no sistema de saúde pública. Ele é virologista e imunologista. Atua como diretor do Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças desde 2017 e decano da Savaid Medical School da Universidade Academica Chinesa de Ciências desde 2015. Gao é um acadêmico da Academia Chinesa de Ciências e da Academia Mundial de Ciências , bem como um associado estrangeiro da Academia Nacional de Ciências dos EUA e da Academia Nacional de Medicina dos EUA. Ele recebeu o prêmio TWAS em ciência médica em 2012 e o prêmio Nikkei Ásia em 2014.

[2] Eles o demitiram no dia seguinte. A partir de então, os políticos locais ficarão fora do circuito e todos terão um número telefônico direto do CDC.

[3] O Dr. Bruce Aylward, chefe da Missão Internacional da OMS disse: “Diante de uma doença anteriormente desconhecida, a China adotou uma das mais antigas abordagens para o controle de doenças infecciosas e lançou provavelmente a mais ambiciosa, e eu diria , o mais ágil e agressivo esforço de contenção de doenças na história. A China adotou medidas antiquadas, como a abordagem nacional à lavagem das mãos, o uso de máscaras, o distanciamento social e o monitoramento universal da temperatura. Mas então, muito rapidamente, quando começou a evoluir, a resposta começou a mudar... Então, eles refinaram a estratégia à medida que avançavam, e esse é um aspecto importante, pois analisamos como podemos usar isso daqui para frente. A OMS está aqui desde o início desta crise, uma epidemia, trabalhando todos os dias com o governo da China ... A OMS esteve aqui desde o início e nunca deixou. O que há de diferente nesta missão é que ela está complementando muitos outros especialistas externos."

Originalmente em UZN Review