A Alemanha não escapa de seu destino como país central | Eduardo Vior

0

Por Eduardo Vior

As eleições de 26 de setembro na Alemanha relegaram o até então líder do bloco da União Democrática Cristã e da União Social Cristã da Baviera (CDU/CSU) ao segundo lugar, encerrando a Grande Coalizão entre a CDU/CSU e o Partido Social Democrata (SPD), pondo fim ao período da chanceler Angela Merkel, que já havia anunciado que não buscaria a reeleição, após 16 anos de mandato. Entretanto, a terceira maior economia do mundo e a economia líder da Europa continua a evitar definir seu futuro papel no cenário europeu e mundial.

O SPD bateu a CDU/CSU, mas apenas por 1,6 pontos (25,7% contra 24,1%). Foi o pior resultado da história da União. Embora houvesse alianças alternativas para alcançar a maioria de 366 assentos necessária para eleger o chanceler, uma coalizão do SPD com a Aliança 90/Os Verdes (Bündnis 90/Die Grünen) e o Partido Liberal Democrático (FDP) provavelmente será formada. Entretanto, as concessões que essas alianças governamentais impõem tendem a moderar as aspirações de todos os parceiros. Este imperativo de manter a estabilidade, que em circunstâncias normais seria uma virtude, contudo, torna difícil para a Alemanha tomar decisões relevantes sobre seu rumo em um contexto geopolítico em rápida mudança.

Durante 16 anos Angela Merkel governou aos solavancos. Foi pródiga na arte de protelar decisões: deixava que as discussões passassem pelo gabinete, pelo parlamento e pela mídia até que finalmente decidia a favor da opinião da maioria. Ele fez o mesmo na política internacional: defendeu os negócios com a Rússia e a China, mas embarcou com seu país em aventuras militares no Afeganistão e em Mali. Conseguiu a conclusão bem sucedida com a Rússia do gasoduto Nord Stream 2, mas acaba de apoiar a proibição do canal de televisão RT em língua alemã de operar em seu país. Somente em 2015 Merkel decidiu contra a maioria da mídia e seu próprio bloco parlamentar para permitir a entrada de um milhão de refugiados, em sua maioria provenientes da Síria. Desta forma, pensou rejuvenescer a população ativa e garantir aposentadorias para o futuro, mas a manobra gerou muitas reações e o crescimento da direita conservadora, que em 2017 entrou para o Bundestag. Enquanto isso, a liderança da Alemanha na Europa foi enfraquecida por sua posição de linha dura na crise da dívida nos países do sul do continente, sua abertura à migração e seus confrontos com Barack Obama e Donald Trump. Em cada curva da estrada, ela tinha conflitos com um membro diferente da UE. Somente a França de Emmanuel Macron permaneceu leal a ela, mas em um quadro muito frágil.

O próximo governo alemão terá que tomar decisões de longo alcance em várias áreas da política internacional que terão impacto em seu rumo interno e em sua posição externa. Portanto, é bom comparar as posições da provável futura coalizão do “semáforo” (vermelho, amarelo e verde, as cores do SPD, do FDP e dos Verdes) por um lado, e as da CDU/CSU, por outro. As propostas da Alternativa para a Alemanha (AfD) e da Esquerda (Die Linke), por sua vez, são dignas de menção, mas não influenciam na agenda.

As mudanças climáticas são a principal preocupação dos eleitores, especialmente depois das enchentes desastrosas na Renânia há dois meses. Está, portanto, no topo da agenda política, incluindo a agenda de política externa. O SPD e os Verdes diferem neste capítulo apenas quanto à extensão e velocidade das reformas propostas. Entretanto, estes últimos concordam com o FDP sobre o uso de mecanismos de mercado para a proteção climática, embora os liberais sejam muito mais radicais a esse respeito.

A CDU/CSU, finalmente, quer preservar a Alemanha como um local industrial, espera alcançar a neutralidade climática “muito antes da metade do século”, mas através da aplicação de “tecnologias inovadoras e investimentos econômicos”.

Em resumo, pode-se dizer que a próxima coalizão possível procurará o cumprimento dos Acordos de Paris e a reconversão ecológica da indústria. Aproveitando o desenvolvimento tecnológico e a capacidade de exportação de suas empresas, é provável que o futuro governo se alinhe com a política verde internacional do atual governo dos EUA.

Outra questão central da política externa é a migração internacional. O SPD é a favor de facilitar a cidadania múltipla e ampliar o reagrupamento familiar e os Verdes vêem a Alemanha como uma “sociedade de imigração diversificada”, enquanto os Liberais vêem a Alemanha como um país de imigração, mas querem dar mais atenção aos interesses empresariais.  É bem previsível, então, que o próximo Governo aprofunde as diferenças com a maioria de seus parceiros europeus, que fecharam rigidamente suas fronteiras, e concentrar-se no recrutamento de jovens profissionais e trabalhadores qualificados, tanto dentro como fora da UE.

A CDU, por sua vez, completou um percurso de ida e volta. Quando em 2015 Angela Merkel abriu as fronteiras para os refugiados da Síria e do Afeganistão, tomou uma surpreendente decisão a favor da migração e pró rejuvenescimento. Para a CDU de hoje, pelo contrário, a migração deve ocorrer de forma ordenada e de acordo com regras claras.

Durante a pandemia, os membros da União Europeia suspenderam a aplicação dos critérios de estabilidade fiscal tão caros aos defensores do euro, mas agora as grandes finanças, que têm uma excelente representação no Banco Central Europeu (BCE) presidido por Christine Lagarde, temem por seus retornos especulativos e estão pressionando para sua reintrodução. O SPD, por outro lado, propõe uma verdadeira união fiscal, econômica e social e salários mínimos europeus. Esta é uma posição neo-keynesiana que, muito provavelmente, será detida pelo BCE. Com uma nuança ecológica, os Verdes apoiariam esta política.

Os liberais, por sua vez, defendem uma constituição europeia para criar um “estado federal europeu descentralizado”. Embora sejam favoráveis à estabilidade fiscal, eles não desdenham o uso de subsídios para melhorar a competitividade de certos ramos da economia europeia. A CDU/CSU, por outro lado, quer que os critérios de estabilidade orçamentária sejam restabelecidos o mais rápido possível.

Em matéria de defesa, o SPD critica o objetivo da OTAN de que cada aliado gaste 2% de seu PIB em defesa, mas quer equipar melhor as Bundeswehr para estar à altura de sua responsabilidade como um parceiro confiável na Europa e na OTAN. O SPD defende a distensão com a Rússia, mas condenou a reincorporação da Crimeia e a segregação das regiões orientais da Ucrânia.

De acordo com o programa dos Verdes, a Alemanha deve tornar-se livre de armas nucleares, rejeitam o objetivo dos dois por cento da OTAN, mas também o Nord Stream 2. O FDP quer que a Alemanha desempenhe um papel internacional maior, para o qual propõe a criação de um Conselho de Segurança Nacional. Os liberais também defendem a criação de uma União Europeia de Defesa, em total contradição com a OTAN, que a rejeita.

Diferenciando-se mais uma vez, a CDU/CSU apóia o objetivo da OTAN de que cada membro reserve 2% de seu PIB com a defesa, embora a Alemanha esteja tão distante com um bom 1,5%. Ao mesmo tempo, os democratas-cristãos são a favor das forças armadas européias conjuntas, mas não às custas da OTAN. O número de soldados da Bundeswehr deveria, segundo eles, ser aumentado dos atuais 184 mil para 203 mil. Ao mesmo tempo, eles reafirmam a amizade franco-alemã como essencial para a política externa da Alemanha.

Em tempos de recuperação da crise desencadeada pela pandemia do coronavírus, há questões prementes na agenda econômica internacional. Em seu programa, por exemplo, o SPD enfatiza a sustentabilidade do comércio. Um capítulo particular é representado pela exportação de armas, uma das “estrelas” entre as exportações alemãs que o SPD pretende regular com mais vigor. Os Verdes, por sua vez, querem orientar mais o comércio para a proteção do clima e a sustentabilidade. O FDP, por sua vez, é o clássico partido do livre comércio. Portanto, apoia a conclusão de novos acordos comerciais da UE.

Nesta questão, os liberais concordam com a CDU/CSU, que já é bastante favorável ao multilateralismo, quanto mais não seja porque um em cada quatro empregos na Alemanha depende das exportações. Os democratas cristãos e os socialistas cristãos querem fortalecer a Organização Mundial do Comércio (OMC), mas ao mesmo tempo retomar as negociações com os Estados Unidos sobre um acordo de livre comércio.

Os partidos menores (AfD e Esquerda) não influenciarão os votos parlamentares, porque o próximo governo – qualquer que seja sua composição – terá uma sólida maioria própria, mas podem influenciar a opinião pública. Em particular, a Alternativa para a Alemanha (AfD), que manteve uma participação de cerca de 10% dos votos, conserva uma capacidade efetiva de canalizar protestos, especialmente no Leste empobrecido. Eles se opõem às políticas de mudança climática, ao acolhimento de migrantes e defendem a saída da UE. Entretanto, fiéis à sua ideologia nacionalista e neutra, propõem melhorar as relações com a Rússia e a China, tornando a Bundeswehr puramente defensiva e anulando missões fora da Europa. Particularmente é chamativa sua proposta de estreitar os laços econômicos e comerciais com a Rússia e a China e de a Alemanha intervir agressivamente no desenvolvimento da Nova Rota da Seda.

Por sua vez, o partido A Esquerda, resultado da fusão do sucessor do partido do governo na antiga RDA com uma cisão de esquerda da Social Democracia, se abrigou em posições do “politicamente correto” que não foram aceitas pelo eleitorado e perderam metade de seus votos. Obteve 4,9% e só conseguiu superar o obstáculo de 5% graças ao fato de ter três mandatos conquistados por maiorias em dois distritos (na Alemanha o eleitor elege tanto o representante de seu distrito quanto os deputados proporcionalmente selecionados ao mesmo tempo).

O sistema político da Alemanha obriga todos os atores a buscar consenso em torno da manutenção de sua economia industrial de exportação, da adesão à UE e à OTAN. Ao mesmo tempo, porém, a ascensão da China como potência mundial e a consolidação da Rússia como potência energética e militar forçaram grandes empresas alemãs a se tornarem parceiras no desenvolvimento do gigante asiático, e a República Federal se encontra em um dilema: com a crescente polarização entre os blocos atlântico e eurasiático, está se tornando cada vez mais difícil acompanhar, por exemplo, as provocações anglo-americanas na Europa Oriental e, ao mesmo tempo, fazer negócios com a Rússia. Da mesma forma, é prejudicado o tratamento com a China quando Biden mantém as sanções decretadas por Donald Trump.

A crise e a polarização entre os blocos tornam difícil manter a política de “tanto … como …” que Merkel encenou durante 16 anos, mas o imperativo do consenso impede que sejam tomadas as decisões necessárias para se ajustar a um contexto em rápida mudança. Nas negociações da coalizão se verá se Olaf Scholz tem o que é preciso para ser um líder. Caso contrário, o maior poder da Europa será paralisado e dilacerado por suas contradições internas.

***

Eduardo Vior é cientista político argentino

Originalmente em infobaires.com

A Alemanha não escapa de seu destino como país central | Eduardo Vior 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui