A designação de Israel como “regime de Apartheid” | Norman G. Finkelstein

0

Por Norman G. Finkelstein

Durante as duas últimas décadas, muitos indivíduos e organizações respeitadas designaram o regime que Israel estabeleceu no território palestino ocupado – a Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, e Gaza – como uma forma de apartheid.  Um pequeno subconjunto desses indivíduos e organizações designou o regime que Israel exerceu em toda a “Palestina histórica” – ou seja, desde o rio Jordão até o Mar Mediterrâneo – como um apartheid.

Este escritor por muito tempo hesitou em ir além do amplo consenso que designou o território palestino ocupado como regime de apartheid, deixando em aberto a descrição legal apropriada do regime dentro da Linha Verde. Entretanto, ao pesquisar um longo apêndice legal para o livro “Gaza: Uma Inquérito a Seu Martírio”, este escritor foi persuadido de que toda a área do “rio ao mar” deveria ser denotada como um regime de apartheid.  A base desta conclusão era simples e direta: A) a característica que define uma ocupação sob o direito internacional é que ela é temporária; se não for temporária, então constitui uma anexação ilegal; B) após mais de meio século de “ocupação” israelense, e após repetidas declarações do governo de Israel de que não pretendia se retirar do território Palestino ocupado (oPt) em conformidade com o direito internacional, a única conclusão razoável foi que o oPt tinha sido anexado de fato, independentemente do rótulo legal formal de Israel anexado; C) Israel “do rio até o mar” constituía assim uma entidade única; se o regime que presidia o oPt marginalizou ou desqualificou os direitos de cidadania de sua população não judia, então constituíu um regime de apartheid.

A respeitada organização israelense de direitos humanos, B’Tselem, chegou agora oficialmente a esta conclusão:  “Toda a área entre o Mar Mediterrâneo e o rio Jordão está organizada sob um único princípio: avançar e cimentar a supremacia de um grupo – judeus, sobre outro – os palestinos”; “Um regime que usa leis, práticas e violência organizada para consolidar a supremacia de um grupo sobre outro é um regime de apartheid”.

A posição do B’Tselem se concentra em quatro aspectos do apartheid israelense. Dois aspectos – a imigração somente de judeus e o desenvolvimento da terra somente de judeus – operam em todo este estado supremacista judeu, e dois aspectos – bloqueios à liberdade de movimento e à participação política – são qualitativamente mais pronunciados na Cisjordânia, incluindo Jerusalém Oriental, e Gaza.

É a opinião deste escritor, no entanto, que, por mais repulsivas que sejam essas características do regime israelense, o aspecto que mais manifesta seu caráter de supremacia judaica é a inutilidade que atribui à vida palestina. Como B’Tselem e outras grandes organizações de direitos humanos têm documentado diariamente, os palestinos são rotineiramente assassinados com impunidade por cidadãos israelenses em particular, pela polícia civil e pelo pessoal militar. Estes assassinatos não despertam interesse, muito menos protesto, por parte do público israelense-judaico.

A indignidade ligada à vida palestina foi posta em evidência de forma viva durante a Grande Marcha de Retorno em Gaza.  Uma Comissão de Inquérito da ONU descobriu que “manifestantes que estavam a centenas de metros de distância das forças israelenses e visivelmente envolvidos em atividades civis foram intencionalmente fuzilados”. Jornalistas e trabalhadores da saúde que estavam claramente marcados como tal foram baleados, assim como crianças, mulheres e pessoas com deficiências”; também encontrou “motivos razoáveis para acreditar que as forças de segurança israelenses mataram e mutilaram manifestantes palestinos que não representavam uma ameaça iminente de morte ou ferimentos graves a outros quando foram baleados”.  O ex-ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, declarou durante a prolongada onda de assassinatos, “os soldados israelenses fizeram o que era necessário. Eu acho que todos os nossos soldados merecem uma medalha”.

O documento do B’Tselem e a reação a ele lançou uma luz sobre os processos em andamento (ou, mais exatamente, não em andamento) no Tribunal Penal Internacional.  O ponto que está sendo julgado atualmente no TPI é se a “Palestina” constitui um Estado.  (Somente um Estado pode apresentar uma queixa ao Tribunal). O documento afirma corretamente que “a Autoridade Palestina ainda está subordinada a Israel e só pode exercer seu poder limitado com o consentimento de Israel”, e que Israel mantém sobre os palestinos “o controle da imigração, o registro da população, o planejamento e as políticas terrestres, a água, a infra-estrutura de comunicação, a importação e exportação, e o controle militar sobre a terra, o mar e o espaço aéreo”. 


Um advogado que apoia a supremacia judaica, Eugene Kontorovich, alega, em oposição ao documento do B’Tselem, que os palestinos têm seu próprio governo, o que torna qualquer conversa sobre apartheid “inaplicável”. Mas obviamente, eles não têm, o que torna todas as conversas sobre o apartheid ainda mais aplicáveis.  Curiosamente, distintos advogados de todo o mundo submeteram documentos ao TPI argumentando que a AP era impotente e, portanto, não se qualificava como um Estado capaz de apresentar uma queixa.  Agora, diante do documento do B’Tselem, estes defensores da supremacia judaica são forçados a argumentar que os palestinos possuem seu próprio governo para que Israel não possa ser um Estado do apartheid!

Por outro lado, documentos em defesa do lado palestino argumentam que a AP exercia uma gama de poderes robustos e, portanto, se qualificava como um Estado sob o direito internacional.  Isto, é claro, foi absurdo.  O melhor argumento teria sido que, se a Palestina não é um Estado, é porque Israel tem negado brutalmente aos palestinos seu direito internacionalmente consagrado à autodeterminação, e portanto o TPI não deveria recompensar a violação da lei de Israel negando a queixa palestina.  Em qualquer caso, um alto funcionário da AP, o corrupto Nabil Shaath, reagiu ao documento do B’Tselem afirmando confiantemente: “Não há país no mundo que seja mais claro em suas políticas de apartheid do que Israel”.  Mas se Israel é um estado de apartheid, o que isso faz dele e de sua AP senão um colaborador (Bantustão) subagente dele?

Como questão prática-política, é questionável se denotar Israel como um regime do apartheid fará avançar a causa perante o público em geral. O apartheid na África do Sul foi extinto há três décadas.  A memória histórica da maioria das pessoas é curta.  É verdade que o apartheid é um crime discreto sob o direito internacional, mas Israel cometeu tantos crimes reconhecidos internacionalmente, como crimes de guerra e crimes contra a humanidade, que a adição de mais um aos autos de acusação não fará muita diferença.

Denotar Israel como um Estado supremacista judaico, no entanto, terá ressonância obrigatória no discurso público e chocará os representantes e apoiadores da supremacia judaica deste Estado.  Esta terminologia traz agora o imprimatur do B’Tselem.  A mídia do establishment invariavelmente entra com a ressalva, “O Hamas, que exige a destruição do Estado de Israel,...”. Doravante, os defensores dos direitos palestinos devem, em todas as ocasiões possíveis, voltar ao ponto, “Israel, que é um Estado supremacista judeu,…”. “Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro supremacista judeu de Israel…”, “a Liga Antidifamação e o Conselho de Deputados Britânico, que apoiam o estado supremacista judeu de Israel,…” Se questionado sobre este ponto, a resposta simples deveria ser: ” Porém uma das principais organizações de direitos humanos de Israel concluiu que Israel está organizado em torno do princípio da supremacia judaica“.

***

Originalmente em MondoWeiss

A designação de Israel como "regime de Apartheid" |  Norman G. Finkelstein 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui