A maior ameaça à Grã-Bretanha não é China ou Rússia, mas Boris Johnson | Patrick Cockburn

0

Por Patrick Cockburn

A força vital das agências de inteligência é a sensação ameaça crescente: exagerando a gravidade dos perigos que ameaçam o público e exigindo leis mais duras para lidar com eles. O diretor geral do MI5, Ken McCallum, fez o melhor que pôde para seguir esta tradição em seu discurso anual desta semana, no qual explicou os riscos de segurança que a Grã-Bretanha enfrenta.

Ele falou de ameaças de estados como Rússia, China e Irã; de ativistas de extrema-direita, terroristas islâmicos e do ressurgimento da violência na Irlanda do Norte. Juntamente com estas foram as ameaças mais amorfas representadas por mensagens criptografadas, espionagem on-line e ataques cibernéticos.

Muitos destes desdobramentos são menos ameaçadores do que parecem. A Rússia pode se envolver em assassinatos ao estilo gangster, como o envenenamento dos Skripals em Salisbury, mas a própria crueza de seus ataques a seus críticos sublinha as limitações das capacidades russas. O Presidente Putin pode gostar do fato de seu país ser tratado como uma superpotência – embora demoníaca – mas nada parecido com o poder da União Soviética. A ideia, por exemplo, de que o Kremlin determinou o resultado das eleições presidenciais americanas de 2016 sempre foi um mito. A terrível campanha de Hillary Clinton é uma explicação suficiente para a eleição de Donald Trump.

Demonizar o inimigo – exagerando suas forças e suas más intenções – foi central para a propaganda dirigida contra a União Soviética durante a primeira guerra fria. O mesmo tipo de superdimensionamento da ameaça está acontecendo na segunda guerra fria, exceto que desta vez o alvo principal é a China, cuja cada ação é retratada como parte de uma tentativa de dominação mundial. Aliados autoritários sombrios como a Índia de Narendra Modi são promovidos como aliados do Ocidente na “luta pelos valores democráticos”.

A ameaça colocada pela Al-Qaeda e pelo terrorismo de Estado islâmico também é dada demasiada importância. Embora seus ataques tenham sido selvagens na Europa ocidental, na prática foram acrobacias publicitárias ferozes destinadas a dominar a agenda de notícias. Politicamente, este tipo de “terrorismo” só tem realmente sucesso se puder provocar uma resposta exagerada, como fez o 11 de setembro quando os EUA entraram em guerra no Afeganistão e no Iraque em retaliação.

A Grã-Bretanha de fato enfrenta perigos crescentes, mas eles têm pouco a ver com os da lista do MI5. As maiores ameaças em uma Grã-Bretanha pós-Brexit derivam do fato de o país ser uma potência mais frágil do que era há cinco anos, mas fingindo ser uma potência mais forte. A lacuna entre a pretensão e a realidade é mascarada por slogans e por guerras culturais concebidas para desviar a atenção pública das falhas e promessas não cumpridas.

O sucesso do “Little Englandism” no referendo de 2016 e nas eleições gerais de 2019 teve resultados previsíveis, no país e no exterior. A Grã-Bretanha fora da UE é inevitavelmente ainda mais dependente dos EUA do que antes. Muitos perguntarão o que há de novo em nossa confiança em Washington. Não tem sido a posição padrão da Grã-Bretanha desde a crise do Suez em 1956, se não a queda da França em 1940?

Mas desta vez, a dependência britânica dos EUA é ainda maior, e vem com uma reviravolta extra. Está acontecendo em um momento em que os Estados Unidos estão se movendo para enfrentar a China e, em menor grau, a Rússia, em uma nova guerra fria na qual a Grã-Bretanha será um participante, mas terá muito pouca influência. As artimanhas teatrais – como o envio de um destroyer britânico através das águas controladas pela Rússia ao largo da Crimeia e o envio do porta-aviões Queen Elizabeth para o Mar do Sul da China – são gestos destinados a persuadir a opinião pública em casa de que a Grã-Bretanha mais uma vez tem um papel global.

A maioria das consequências negativas de deixar a UE há muito tempo têm sido óbvias. O movimento minou o compromisso entre protestantes e católicos na Irlanda do Norte representado pelo Acordo da Sexta-feira Santa [Belfast] de 1998. O chefe do MI5 McCallum, que conhece bem a Irlanda do Norte, insinua isso, dizendo que “muitas das poderosas aspirações do Acordo de Belfast continuam por realizar”, enquanto insiste, esperançosamente, que “a posse de múltiplas identidades – britânica, irlandesa, irlandesa do Norte – é uma realidade viva para muitas pessoas, de um modo que não foi na minha juventude”.

Mas uma Irlanda do Norte meio dentro, meio fora da UE mudou o equilíbrio de poder entre as comunidades da província de uma forma que provavelmente levará a um retorno à violência política. Já sentimos o gosto disso com os distúrbios no final de março e início de abril, os mais graves em anos. O que ainda não vimos são assassinatos sectários, mas eles podem começar a qualquer momento. Se o fizerem, então a paz na Irlanda do Norte evaporará rapidamente.

No entanto, o maior risco para a Grã-Bretanha é que ela seja governada por um governo que prometeu muito mais do que pode cumprir. Esta fragilidade ainda é mascarada pelo desenvolvimento da vacina anti-Covid e pelo sucesso da campanha de vacinação, mas estas foram conquistas dos cientistas e do NHS. Como Dominic Cummings deixou claro, Boris Johnson pouco fez, mas espalhou o caos.

O problema enfrentado por todos os líderes populistas nacionalistas do mundo é que eles prometem pão e circos para todos, mas raramente os entregam. Isto é verdade para Trump nos EUA e Modi na Índia, e é também o caso de Johnson na Grã-Bretanha. Isto ficou bem claro ontem quando o primeiro-ministro fez um de seus raros discursos públicos – o primeiro em 10 meses – que supostamente explicaria sua agenda de “nivelamento”, a peça central de seu apelo populista aos antigos eleitores trabalhistas.

Exceto que não existe tal agenda, e seu discurso consistiu no habitual boosterismo superficial. Cummings resumiu-o de forma venenosa mas precisa como um “discurso de merda (o mesmo que ele deu inutilmente inúmeras vezes) apoiando um slogan de merda”. Como na política externa, não existe uma estratégia social ou econômica para resgatar a população britânica desfavorecida, apesar de todas essas promessas radicais.

Mas existe uma estratégia política para desviar a atenção do fato de que falta uma tábua central na plataforma de Johnson. O plano é falar de guerras culturais, exacerbar as divisões e fingir que os críticos são antipatrióticos ou traiçoeiros. Já que cultura e raça andam juntas, isto significa que o apito de cachorro não é muito subtil e apela ao racismo. “Se nós ‘assobiamos’ e o ‘cão’ reage, não podemos ficar chocados se ele late e morde”, disse Sayeeda Warsi, uma colega conservadora e ex-presidente do partido.

Os governos populistas jogam a “carta da cultura” mais vigorosamente em tempos de problemas. Os menores incidentes são exagerados como ameaças à identidade nacional. Um pedaço de grafite rabiscado em uma estátua de Winston Churchill torna-se um sinal de que a cultura britânica como um todo está sendo atacada.

Os críticos podem ser demonizados como antipatrióticos, mas uma forma mais segura de silenciá-los é negar-lhes uma voz, pressionando comentários independentes na BBC ou ameaçando vender o Canal 4. A eficácia destes métodos para suprimir as críticas e dominar a opinião pública não deve ser subestimada. A maioria dos regimes populistas nacionalistas do mundo tem um histórico desastroso, mas muito poucos deles perderam o poder.

***

Patrick Cockburn é jornalista

Originalmente em Strategic Culture Foundation

A maior ameaça à Grã-Bretanha não é China ou Rússia, mas Boris Johnson | Patrick Cockburn 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui