As sanções impostas à Rússia estão abalando o mundo, incluindo o próprio Ocidente | Elijah J. Magnier

0

Por Elijah J. Magnier

“Não podemos substituir o gás russo da noite para o dia”, anunciou a Alemanha, seguida pela França para confirmar que “seu estoque de gás não será suficiente se a Rússia deixar de fornecer”. A Hungria não hesitou em revelar que “sua economia e moeda local entrarão em colapso se sanções relacionadas à energia forem impostas à Rússia”. A Finlândia confirmou que precisa de oito anos para dispensar o gás russo, do qual a Europa importa 43% de suas necessidades anuais através do “Northern Stream I” e do “Yamal”. De fato, o gás russo flui em sua capacidade total e atravessa a Bielorússia, Polônia e Ucrânia, ainda desfrutando do gás russo apesar da guerra em curso.

Não é um bicho de sete cabeças entender por que a Europa tomou medidas sucessivas para impor sanções a seu principal parceiro econômico russo no campo da energia. Mas os mais afetados por suas próprias sanções são os Estados europeus, especialmente depois que os preços do gás atingiram quatro vezes seu preço original (US$ 4000 por mil metros cúbicos) e os preços do petróleo dispararam para US$ 139, caindo posteriormente para US$ 131. Os Estados Unidos, o maior importador de petróleo russo, é significativamente afetado por suas sanções contra a Rússia, como a Europa e o resto do mundo. No entanto, os EUA decidiram aplicar a sanção ao petróleo russo e a todos os produtos petrolíferos por ele importados, plenamente conscientes de que o preço da energia se tornará insuportável para um grande número da população mundial. Pode chegar a mais de 200 dólares por barril, um preço que afetaria o custo de vida em todo o planeta. O Presidente Biden reconheceu publicamente que a guerra na Ucrânia envolveria “todos nós”.

Sem surpresas, os EUA são o principal motor das sanções, pois são eles que combatem a guerra através da Ucrânia e fornecem armas desde antes e durante a guerra. Os EUA pressionaram seus aliados ocidentais a seguir o exemplo para impor sanções coletivas à Rússia que, em primeiro lugar, prejudicaram os aliados dos EUA. Desde 2014 e até hoje, as sanções dos EUA à Rússia atingiram o número de 5532, que inclui empresas, instituições e indivíduos – sem necessariamente prejudicar as capacidades dos EUA ou alterar seus planos.

Entretanto, vários países como China, Índia, Irã, Paquistão e outros estados africanos e asiáticos rejeitaram os ditames dos EUA e não aderiram à campanha coletiva anti-Rússia. Isto foi expresso pelo Primeiro Ministro do Paquistão, Imran Khan, quando recebeu uma carta do chefe das missões diplomáticas ocidentais pedindo-lhe que condenasse a Rússia em sua guerra contra a Ucrânia. Ele respondeu: “Você acha que somos seus escravos e que faremos tudo o que você pedir”?

Até hoje, os EUA e a Europa contribuíram principalmente para financiar a guerra russa contra a Ucrânia porque pagam 14 bilhões de dólares por mês pelo petróleo e gás russos. A América bateu às portas da Venezuela após um boicote de muitos anos e seu “reconhecimento” ilegal de Juan Guaido como presidente no exílio em vez do presidente oficialmente eleito Nicolas Maduro. O presidente venezuelano recebeu um enviado dos EUA solicitando o retorno da produção de petróleo à sua capacidade total de fornecer aos EUA e reparar suas seis refinarias que Washington sancionou (suas peças de reposição) por décadas.  O Irã restaurou uma refinaria e a colocou de volta em operação para uso interno, permitindo que a Venezuela exportasse um pouco de seu excedente.

Entretanto, a Venezuela hesita em seguir o desejo dos EUA e impõe suas condições. Os pedidos mais importantes são o levantamento de todas as sanções, o reconhecimento da soberania venezuelana e o retorno da relação ao normal antes de qualquer outra medida. Isto certamente não significa de modo algum que Caracas salvará os EUA e compensará suas necessidades de petróleo e voltará as costas à Rússia, com quem tem acordos econômicos e de segurança profundos e de longo prazo.

Os EUA foram para o Irã para acelerar o acordo nuclear. Ainda assim, fomos confrontados com o muro russo, solicitando consentimento por escrito para continuar a cooperação militar-econômica entre Moscou e Teerã. Isto indica a resposta do Irã à Rússia ao não permitir que os EUA dependessem do petróleo iraniano em vez do russo. Será que a Venezuela e o Irã dariam uma linha de salvação à administração dos EUA, que impôs sanções aos dois povos por muitos anos, enquanto a Rússia os ajudou com suas capacidades?

O preço do petróleo em março de 2020 era de cerca de 16 dólares por barril. Atingiu a barreira dos 140 dólares nos últimos dias e, amanhã, o preço aumentará após as sanções petrolíferas dos EUA. Moscou compensará as sanções dos EUA às importações de petróleo, aumentando o preço do petróleo em todo o mundo. As sanções petrolíferas dos EUA certamente não irão parar a guerra na Ucrânia, ao contrário do efeito de um acordo de neutralidade entre Kiev e Moscou.

O Irã e a Venezuela certamente não venderão seus excedentes e reservas de petróleo para baixar seu preço e ajudar os EUA com seus objetivos quando puderem vender muito pouco petróleo a um preço muito alto e embaraçar Biden enquanto estiverem ao lado da Rússia.

Quanto a outras sanções ocidentais, há vários problemas para os quais o Ocidente pode não estar preparado quando se apressa para uma guerra econômica contra a Rússia. O preço do níquel observou seu maior aumento em um dia por volta de 60% devido às preocupações do mercado com a escassez de fornecimento da Rússia, o terceiro maior produtor mundial de níquel, um metal usado em tecnologias e baterias. O preço do aço seguiu como preocupação na Europa com a longevidade da guerra na Ucrânia.

Além disso, o setor russo de aeronaves civis será atingido, mas tem alguns benefícios na manga. Centenas de aviões alugados pela Rússia do Ocidente não retornarão aos seus proprietários tão cedo devido às sanções e ao fechamento do espaço aéreo europeu e russo. A Rússia diz que seus aviões continuarão a operar dentro do continente russo e para os países da Ásia e da África. A Rússia disse que tem o direito de pagar o aluguel em rublos russos, ou estes aviões serão considerados uma compensação pela perda que atingirá a empresa nacional Aeroflot. Antes das sanções, os lucros anuais da Aeroflot atingiram cerca de 491 bilhões de dólares. A partir de 8 de março, todos os voos de Moscou para a Europa e vice-versa foram cancelados. As companhias europeias proprietárias dos aviões não recuperarão seus ativos devido às sanções e à intenção da Rússia de detê-los na Rússia.

O CentralBank da Rússia começará a contar com seu sistema de mensagens financeiras internas (FMS) do sistema SPSF como um canal alternativo para as mensagens financeiras eletrônicas internacionais dos EUA (o SWIFT). Apenas alguns bancos russos foram sujeitos a sanções e foram impedidos de usar o sistema SWIFT porque o Ocidente precisa deste sistema para pagar bilhões de euros antecipadamente pelo preço do petróleo e do gás.

PAYPAL, VISA, AMERICAN EXPRESS e MASTERCARD suspenderam as operações financeiras com a Rússia. Moscou preferiu o sistema chinês  UNIONPAY como uma alternativa que opera em 180 países no mundo inteiro. Cartões de crédito usando outro sistema chamado MIR serão usados para transações locais.

Sem dúvida, há uma emigração em massa de empresas americanas e europeias da Rússia, o que prejudicará tanto a Rússia quanto o Ocidente. Entretanto, não há dúvida de que as sanções contra a Rússia também são severas para o Ocidente. Se a Rússia usar sua energia como arma, haverá consequências semelhantes às de Hiroshima, nas quais os preços do combustível e do gás subirão a um nível nunca antes visto em crises passadas.

Entretanto, Moscou está preparada para a guerra econômica. A Rússia possui reservas de caixa no valor de 632 bilhões de dólares em euros (32,3%), yuan (13,1%), ouro (21,7%) e dólar (16,4%). 450 bilhões de dólares estão na Rússia e na China e outros valores na França, Grécia, Alemanha, EUA e Reino Unido.

As consequências da guerra russa na Ucrânia são sem dúvida uma etapa crucial que representa um ponto de viragem significativo na história. A Rússia se voltará para seu primeiro aliado, a China, que possui as reservas monetárias e de desenvolvimento mais críticas do mundo. Ela também recorrerá ao Paquistão, Índia, China e Irã para o intercâmbio comercial e industrial e outros países da Ásia Central para continuar o intercâmbio econômico e comercial.

 A Rússia contornou as sanções e a desvalorização da moeda em 1998. Ela não foi afetada pela crise européia e americana em 2008, e nasceu o terremoto econômico cujas repercussões são ouvidas hoje em dia no Ocidente em particular. Entretanto, as pesadas sanções não ficarão sem consequências graves, e a campanha sem precedentes da mídia anti-Rússia atingiu seu nível mais alto e afetará o moral da população russa.

O Ocidente atirou na Rússia mas acertou nos próprios pés: Os funcionários europeus desejam ver o fim da guerra na Ucrânia em breve. Entretanto, o mundo inteiro teme esta guerra com suas repercussões econômicas e militares e espera que ela termine finalmente nas fronteiras da Ucrânia. No entanto, o Presidente Putin está decidido a submeter a Ucrânia à submissão, independentemente das consequências. Não se espera que o Presidente russo recue a menos que a Ucrânia assine primeiro o acordo necessário. As conversações internacionais oficiais com o Ocidente devem incluir o medo de Moscou da expansão da OTAN e o esclarecimento de suas intenções futuras em relação à Rússia.

***

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência

As sanções impostas à Rússia estão abalando o mundo, incluindo o próprio Ocidente | Elijah J. Magnier 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui