EUA, OEA e Colômbia tentam roubar eleição no Equador enquanto espalham fake news | Ben Norton

0

Por Ben Norton

Um candidato socialista  popular, Andrés Arauz, venceu o primeiro turno das históricas eleições presidenciais do Equador com grande margem em 7 de fevereiro. A vitória esmagadora do candidato da esquerda levou o Departamento de Estado dos EUA, o governo de direita da vizinha Colômbia e a Organização dos Estados Americanos (OEA) a se mobilizar para impedi-lo de tomar posse do cargo.

Arauz venceu o primeiro turno das eleições com 33% dos votos, 13% a mais do que o candidato ao segundo lugar, o banqueiro conservador Guillermo Lasso. Seus oponentes estão agora procurando forçar uma recontagem dos votos sob a supervisão da OEA, ao mesmo tempo em que lançam uma campanha de difamação e desinformação flagrante para ligar Arauz a um grupo guerrilheiro colombiano na esperança de desqualificá-lo.

Arauz acusou o governo do Equador apoiado pelos EUA, liderado pelo líder de direita Lenín Moreno, de “pressionar para me perseguir com mentiras grosseiras… chantagear e enganar a justiça”. O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, que foi alvo de um golpe de Estado apoiado pela OEA em 2019, também advertiu que uma nova trama está em andamento.

O governo Moreno bateu recordes de impopularidade, obtendo apenas 8% de aprovação. Contra o descontentamento popular, o governo de Moreno está trabalhando desesperadamente para desqualificar Arauz, um seguidor do ex-presidente socialista Rafael Correa e seu movimento Correista de esquerda.

Apenas duas semanas antes das eleições, Moreno viajou para Washington DC, para se reunir com altos funcionários do governo dos EUA, bem como com o secretário geral da OEA, patrocinador de golpe, Luis Almagro.

Agora, o principal órgão eleitoral do governo Moreno está conspirando abertamente com os candidatos do segundo e terceiro lugares, se reunindo em particular com eles, dando-lhes uma plataforma pública maciça convocando a “derrotar o Correismo”, e até mesmo concordando em realizar uma recontagem dos votos nos distritos específicos onde eles perderam.

Esta recontagem altamente politizada, que não tem base legal, é estimada em duas semanas – um período de tempo extraordinário. O processo incomum tem o total apoio do Departamento de Estado dos EUA e será supervisionado pela OEA, que inspirou um golpe militar contra o governo socialista democraticamente eleito da Bolívia em novembro de 2019.

O chefe da missão eleitoral da OEA no Equador, o ex-vice-presidente conservador do Panamá, esteve intimamente envolvido na tentativa de golpe liderada pelos EUA contra a Venezuela, trabalhando em estreita colaboração com Juan Guaidó e o Grupo pró-Washington Lima.

A OEA divulgou mentiras sobre a eleição de outubro de 2019 na Bolívia, acusando falsamente o governo de fraude. Agora, o governo colombiano está divulgando uma série de mentiras extraordinariamente semelhantes sobre a eleição do Equador e seu candidato que saiu em  primeiro lugar, Arauz.

Colômbia espalha fake news para tentar processar o principal candidato presidencial do Equador

Apenas cinco dias após as eleições de 7 de fevereiro, em meio ao caos da recontagem, a Colômbia interveio diretamente na política equatoriana. O governo de direita do presidente Iván Duque, que tem sido associado de forma credível aos cartéis de drogas e esquadrões da morte, enviou seu procurador-chefe ao Equador em um avião oficial do estado, numa tentativa desesperada de desqualificar o socialista Andrés Arauz.

O chefe do departamento de justiça da Colômbia, Francisco Barbosa, um aliado próximo e amigo pessoal de Duque, ampliou as notícias falsas publicadas pela mídia conservadora de seu país, alegando maliciosamente que um líder do grupo guerrilheiro socialista do Exército de Libertação Nacional (ELN) financiou a campanha de Arauz em 80 mil dólares.

O comandante do ELN que eles acusaram de dar este dinheiro a Arauz, codinome Uriel, foi de fato morto em outubro de 2020, quase dois meses antes de Arauz ser oficialmente registrado como candidato em dezembro. Mas este fato inconveniente não impediu que a teoria da conspiração se espalhasse.

Barbosa se encontrou com a procuradora-geral do Equador, Diana Salazar Méndez, em 12 de fevereiro. A promotoria do Equador disse que a promotoria colombiana forneceu provas recolhidas a partir dos dispositivos de Uriel “no âmbito da cooperação penal entre os dois países”.

Para complementar as acusações duvidosas de ligações entre o ELN e Arauz, a mídia de direita na América Latina também divulgou um vídeo que pretende mostrar os guerrilheiros colombianos endossando o progressista equatoriano

Mas o vídeo viral foi claramente forjado, como muitos especialistas têm apontado. Até mesmo o The Guardian, que colabora com as agências de espionagem do Reino Unido, reconheceu que a filmagem não poderia ter sido gravada na Colômbia, pois apresentava um pássaro raro, nativo do oeste do Equador.

O vídeo fraudulento do ELN também continha erros ortográficos e armas que o grupo guerrilheiro não utiliza. Especialistas lingüísticos observaram que os sotaques dos homens no vídeo não eram genuínos, mas sim os de estrangeiros que fingem ser colombianos.

A exposição levou o ex-líder da Colômbia a advertir que o governo de seu país estava envolvido em um complô com a OEA para roubar a vitória eleitoral de Arauz.

O ex-presidente Ernesto Samper publicou uma declaração em 13 de fevereiro condenando o governo Duque por ligar falsamente o principal candidato presidencial do Equador à guerrilha ELN.

“Posso confirmar que essas afirmações são calúnias e fazem parte de um jogo sujo que setores radicais de direita que ambos os países estão organizando, de dentro da Colômbia, para interferir no segundo turno das eleições presidenciais equatorianas”, escreveu Samper.

O ex-chefe de Estado colombiano apontou numerosas inverdades nas acusações do governo Duque. Ele acrescentou: “O povo do Equador deve ser advertido de que os inimigos do progressismo em nossos países estão determinados a impedir por qualquer meio as transformações que a América Latina precisa”.

Embora as acusações difamatórias do ELN tenham sido rapidamente refutadas, os ativistas de direita equatorianos persistiram em divulgar as notícias falsas.

Em todo o Equador, os opositores do movimento Correista divulgaram materiais virais na WhatsApp e plataformas de mídia social alegando falsamente que Arauz era desqualificado para participar da segunda rodada.

É apenas o mais recente exemplo de guerra de informação dirigida aos equatorianos da classe trabalhadora que constituem a base da Revolução Cidadã lançada pelo ex-presidente socialista do país, Rafael Correa.

O proeminente senador colombiano Iván Cepeda condenou a viagem do procurador-chefe de seu país ao Equador, escrevendo: “Com sua viagem ao Equador, o papel que o procurador Francisco Barbosa está cumprindo não é um dos investigadores que age com rigor e imparcialidade em uma ação penal. Ao contrário, é do funcionário que realiza uma manobra brusca de intervenção política em um processo eleitoral estrangeiro“.

No entanto, a corrupção vai mais fundo. Barbosa não é apenas um funcionário colombiano de alto nível; ele é um dos aliados mais próximos do Presidente Iván Duque. De fato, Barbosa tem se gabado de que Duque tem sido seu “grande amigo por 25 anos”.

Jornalistas colombianos e grupos anticorrupção acusaram Barbosa de graves conflitos de interesse, advertindo que, sob Duque e Barbosa, “a democracia parece estar mais em risco do que nunca”.

Duque está no poder devido em grande parte ao apoio do notório barão da droga colombiano José Guillermo “Ñeñe” Hernández. Quando uma gravação foi divulgada provando que Duque usou dinheiro sujo ilegal de Ñeñe para subornar colombianos e comprar votos nas eleições de 2018 que lhe deram a presidência, o bom amigo de Duque, Barbosa, fez questão de varrer o escândalo para debaixo do tapete.

O ex-Ministro das Relações Exteriores e Ministro da Defesa do Equador, Ricardo Patiño, condenou “o precipitado promotor geral da Colômbia que vem interferir no processo eleitoral do Equador com informações fraudulentas“.

Outra ex-ministra do Equador, María Isabel Salvador, que também serviu como embaixadora do país na OEA, observou que a tentativa absurda do governo colombiano de ligar Arauz à guerrilha ELN ecoa uma tática usada há uma década contra Correa.

“O que eles estão tentando fazer? Impedir a vitória da esperança e da verdade”, declarou Salvador. “Lembro-me como se fosse ontem a mesma calúnia usada pelo governo da Colômbia (quando [Álvaro] Uribe era presidente) e seus veículos de mídia”.

Salvador lembrou que o governo do ex-presidente colombiano Uribe circulou uma foto com o objetivo de mostrar o então ministro da Segurança do Equador, Gustavo Larrea, com Raúl Reyes, um ex-comandante da guerrilha socialista colombiana, as FARC.

Embora o governo de Uribe e a mídia colombiana tenham espalhado a foto por toda parte, ela acabou sendo mais uma fabricação. O homem na foto não era um oficial do governo de Correa; ele nem sequer era equatoriano. Ao contrário, ele era um comunista argentino.

O principal jornal colombiano El Tiempo foi forçado a emitir uma retratação, admitindo que a história era uma mentira.

“As estratégias antigas estão sendo repetidas”, escreveu a ex-ministra Salvador. “As velhas práticas também, embora hoje o governo [do Equador], dedicado a outros interesses e não aos do povo equatoriano, é um parceiro nesta difamação. E… nada é coincidência”.


O tendencioso conselho eleitoral do Equador colabora para a perda de candidatos dos principais integrantes da esquerda

Embora o governo colombiano tenha se intrometido abertamente nos assuntos internos do Equador, o governo dos EUA e a Organização dos Estados Americanos têm trabalhado mais calmamente nos bastidores para minar a vitória eleitoral de Andrés Arauz.

Em 12 de fevereiro, no mesmo dia em que o procurador-chefe da Colômbia chegou a Quito, o Conselho Nacional Eleitoral do Equador (CNE) realizou uma reunião fechada sem precedentes entre os candidatos presidenciais do segundo e terceiro lugares.

Em uma flagrante violação da lei equatoriana, o CNE organizou um evento privado onde os candidatos perdedores da oposição foram encorajados a se unirem e a pensar em formas de derrotar efetivamente o movimento de esquerda da Revolução Cidadã, representado pelo candidato do primeiro lugar.

De acordo com a contagem oficial do CNE, Arauz obteve 32,71% dos votos no primeiro turno das eleições. Isto o colocou 13% acima do candidato banqueiro de direita Guillermo Lasso, que ganhou 19,74%.

Como Arauz não alcançou o limiar de 40% necessário para uma vitória no primeiro turno, sob a lei equatoriana, Arauz e Lasso devem concorrer no segundo turno das eleições de 11 de abril.

Mas a candidata ao terceiro lugar, Yaku Pérez, uma ambientalista de um partido político treinado nos EUA, impediu a disputa do segundo turno ao introduzir acusações infundadas de fraude.

Em sua insistência em participar do segundo turno, Pérez revelou que a embaixada dos EUA o chamou imediatamente após a eleição e o assegurou de que ele participaria do segundo turno.

O único problema para Pérez é que ele não conseguiu ganhar votos suficientes.

Mas a forma lenta e gradual como o Conselho Nacional Eleitoral do Equador publicou os resultados deu a falsa impressão de que Pérez tinha ficado em segundo lugar.

O CNE não finalizou os resultados completos até 11 de fevereiro. Até 99,80% dos locais apurados, a contagem consistente, durante dias, mostrou Pérez com uma estreita vantagem sobre o Lasso, em segundo lugar.

Estes resultados enganosos e incompletos deram a Pérez as munições de que ele precisava para reclamar que sua vitória foi roubada por fraude.

Muitos equatorianos acusaram o principal órgão eleitoral de parcialidade. E o governo apoiado pelos EUA, de Lenín Moreno, nem mesmo fingiu ser neutro.

Sob seu governo repressivo, Moreno expulsou quaisquer membros da CNE que eram suspeitos de simpatia pelo Correismo e encheu o conselho eleitoral superior exclusivamente com políticos da oposição do partido de Yaku Pérez, Pachakutik e do partido de Lasso, CREO.

No dia da reunião privada da CNE entre os candidatos do segundo e terceiro lugares, o nome Diana Atamaint estava nos trendings no Twitter do Equador. Por quê?

Porque Atamaint, presidente da CNE, é aliada de Pérez, e membro proeminente de seu partido político, Pachakutik – que foi treinado pelo Instituto Nacional Democrático (NDI) do governo dos Estados Unidos, um  braço-parceiro da mudança do regime de Washington, o National Endowment for Democracy (NED), um recorte da CIA.

Sob a liderança de Atamaint, o CNE se tornou um órgão flagrantemente politizado. O órgão eleitoral agiu consistentemente para impedir que os Correistas participassem livremente das eleições.

Primeiro, o CNE impediu o ex-presidente Correa, o político mais popular do país, de concorrer à vice-presidência. Também proibiu o partido político original de Andrés Arauz, forçando o candidato principal a encontrar outro partido pouco conhecido para concorrer.

Como se esses obstáculos não fossem suficientes, o CNE proibiu posteriormente a campanha de Arauz de usar imagens de Correa em seus materiais promocionais.

Apesar dos muitos impedimentos antidemocráticos, Arauz conquistou o primeiro lugar de lavada. Enquanto isso, Yaku Pérez ficou em terceiro lugar, o que significa que ele não irá para o segundo turno em abril.

O potencial de um segundo turno entre Andrés Arauz e Guillermo Lasso preocupou muitas figuras da oposição equatoriana. Partes das elites do país perderam a fé em Lasso, e temem que ele não seja capaz de derrotar os Correistas em uma segundo volta.

Lasso é bastante impopular, e seu uso extensivo de contas bancárias offshore é amplamente conhecido. A imagem de Lasso como banqueiro e uma das pessoas mais ricas do Equador poderia ajudar a reforçar a plataforma de Arauz e sua promessa de combater a corrupção da elite, deter a evasão fiscal e buscar justiça econômica para o povo trabalhador.

Lasso está particularmente manchado por seu papel como ministro da economia durante o crash financeiro de 1999 que destruiu a economia do Equador, levando à falência milhões de pessoas. Lasso também está manchado por seus laços estreitos com o extremamente impopular governo Lenín Moreno, e foi exposto por enviar centenas de milhares de dólares para o próprio Moreno.

Nas duas eleições presidenciais anteriores, Lasso era o candidato da direita, mas perdeu. Nas eleições de 2021, setores das elites equatorianas e seus patrocinadores estrangeiros claramente jogaram seu peso em Yaku Pérez, vendo-o como um candidato ao estilo Barack Obama que poderia fornecer uma mensagem alternativa e é mais provável que vença Arauz no segundo turno.

Pérez alavancou este apoio para exigir uma recontagem que poderia ajudá-lo a ir para o segundo turno presidencial. E o CNE está feliz em participar de seu esquema, em flagrante violação de seus próprios estatutos.

Em sua reunião de 12 de fevereiro na sede do CNE, que Pérez havia solicitado publicamente, o candidato da oposição não fingiu sequer ser neutro e justo.

Pérez usou o evento como uma plataforma para falar diretamente às elites do Equador. Ele declarou que seu objetivo é “não apenas passar para o segundo turno, mas derrotar o Correismo“.

Lasso, por outro lado, usou a oportunidade no CNE para fazer um apelo público apaixonado por uma ampla aliança anti-correista entre os candidatos da oposição.

A reunião historicamente sem precedentes, de porta fechada, foi apenas mais um exemplo de como, sob o governo do presidente Moreno, apoiado pelos EUA, o CNE se tornou um instrumento corrupto de controle político, empenhado não em supervisionar eleições livres e justas, mas sim em garantir que a Revolução Cidadã socialista nunca mais volte ao poder.

Os especialistas jurídicos equatorianos enfatizaram que a reunião privada do CNE foi ilegal. Ismael Quintana, professor de direito constitucional e apoiador da oposição, ele próprio um firme anti-Correista, reconheceu que Yaku Pérez forçou uma recontagem no Equador “passou de uma reivindicação possivelmente legítima ou uma dúvida para uma birra temperamental sem base legal”.

Mas a reunião claramente ilegal do CNE foi apenas uma parte das ações pós-eleitorais do órgão para reverter a vitória esmagadora de Andrés Arauz. Em seguida, o órgão eleitoral aprovou uma recontagem em áreas do país em que os candidatos da oposição perderam.

O CNE declarou sua intenção de recontar 100% dos votos na província de Guayas, onde Pérez teve os piores resultados, bem como 50% dos votos em outras áreas em que Pérez perdeu.

Em 13 de fevereiro, Pérez reuniu-se novamente em particular com a CNE, e seu pedido formal de recontagem foi concedido. Estipulou-se que o processo deveria levar uns notáveis 15 dias. Isto significava que os resultados oficiais do primeiro turno das eleições de 7 de fevereiro do Equador não seriam conhecidos até o final do mês, ou talvez no início de março.

Com o CNE atrás dele, o candidato do terceiro lugar também começou a mudar a narrativa, alegando que, com a nova contagem, Arauz poderia potencialmente cair de sua retumbante vitória no primeiro lugar para o terceiro, impedindo o esquerdista de concorrer ao segundo turno da corrida presidencial.

“Não seria estranho se Arauz caísse para o terceiro lugar“, declarou Pérez.

Na realidade, a única maneira de Arauz cair tanto de sua liderança de 13% seria através do roubo de votos.

Os receios credíveis de que a oposição roubasse votos foram agravados pelo anúncio de que o processo de recontagem seria supervisionado pela Organização dos Estados Americanos e seu secretário geral patrocinador de golpe, Luis Almagro.

O Presidente Moreno se reuniu com Almagro em Washington em 27 de janeiro, menos de duas semanas antes das eleições presidenciais. Na mesma viagem, Moreno também realizou reuniões amigáveis com o senador americano Bob Menendez, figura apontada como aliado chave pelos golpistas bolivianos, bem como com o conselheiro político de Joe Biden para a América Latina, Juan Sebastian Gonzalez.

Sob Almagro, a OEA desempenhou um papel de liderança no golpe militar que derrubou o governo democraticamente eleito da Bolívia em novembro de 2019. A OEA espalhou reivindicações comprovadamente falsas acusando o Presidente Evo Morales de fraude – acusações que lembram as feitas hoje por Yaku Pérez.

O governo Biden elogiou o CNE por concordar com a recontagem ilegal e profundamente politizada.

A secretária adjunta interina do Bureau de Assuntos do Hemisfério Ocidental do Departamento de Estado, Julie Chung, tuitou, “o governo dos EUA aplaude o anúncio feito em 12 de fevereiro pelo [CNE] de verificar os votos em 17 províncias nas eleições presidenciais de 7 de fevereiro no Equador. Isto permite que o processo eleitoral avance com maiores garantias tanto para os candidatos quanto para os cidadãos”.

Chung não mencionou que estas 17 províncias foram escolhidas especificamente porque Pérez teve um desempenho ruim nelas.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA continuou a afirmar que o processo claramente ilegal demonstrou “transparência” e “garante a confiança do público nos resultados”.

Chung acrescentou: “Agradecemos às equipes de observação eleitoral [da OEA] por seu trabalho contínuo de apoio à democracia no [Equador]”.

Enquanto a administração Biden abriu o caminho para as manobras eleitorais, a OEA enviou Isabel de Saint Malo, ex-vice-presidente do Panamá, como chefe da equipe de observadores da Organização no país.

De Saint Malo foi uma figura-chave na tentativa conjunta de golpe de Estado dos EUA-OEA contra o governo de esquerda da Venezuela. Em muitas reuniões no Grupo de Lima, de Saint Malo reiterou forte apoio ao “presidente interino” de Washington, Juan Guaidó, o colocando como “corajoso” por supostamente “devolver a Venezuela ao caminho da democracia, dos direitos e das liberdades”.

De Saint Malo também apoiou fortemente a tentativa de golpe de Estado de 2018 apoiada pelos EUA contra o governo sandinista democraticamente eleito na Nicarágua.

E não apenas a funcionária golpista da OEA celebrou a reunião de 12 de fevereiro entre Yaku Pérez e Guillermo Lasso; ela supervisionou pessoalmente o evento.

Durante a reunião, Lasso agradeceu a Pérez por tê-lo endossado nas últimas eleições presidenciais.

“Você disse: ‘Prefiro votar em um banqueiro do que em um ditador’; obrigado por seu voto, candidato Pérez“, declarou Lasso.

Enquanto o CNE e a OEA passam duas semanas na recontagem dos votos, e enquanto os promotores colombianos e equatorianos preparam o caso sem fundamento ELN contra Arauz, os políticos da oposição do Equador estão trabalhando nos bastidores para formar uma grande coalizão anti-correista.

O candidato presidencial em quarto lugar do Equador, Xavier Hervas, que obteve 15,69% dos votos, propôs publicamente a formação de uma aliança com Pérez e Lasso. Lasso disse que apoiaria tal coalizão.

Mesmo que a recontagem não consiga tirar Arauz da corrida, Yaku Pérez tem um Plano B. Durante sua reunião de 12 de fevereiro no CNE, Pérez propôs uma nova eleição sem campanha que forçaria milhões de equatorianos a comparecer novamente às urnas.

Não há base legal para qualquer uma destas propostas. Mas com o apoio dos EUA e da OEA, Pérez e Lasso têm licença gratuita para lançar qualquer plano capaz de sabotar uma vitória do Correista.

Por sua vez, Arauz deu um golpe no atentado antidemocrático. Aludindo à tentativa do governo equatoriano apoiado pelos EUA e pela Colômbia de ligá-lo falsamente à guerrilha, Arauz escreveu: “Aqueles que co-governaram com Moreno sabem que perderam e estão pressionando para me perseguir com mentiras grosseiras”.

“Eles não podem continuar chantageando e enganando a justiça”, acrescentou ele. “O povo equatoriano não vai permitir um novo golpe na democracia”.

O ex-presidente eleito da Bolívia, Evo Morales, que foi deposto pelo golpe militar patrocinado pelos EUA em novembro de 2019, ecoou a condenação de Arauz.

“Depois de ser cúmplice do golpe na Bolívia, agora a OEA e Almagro estão interferindo no Equador”, declarou Morales. “Seu interesse não é a democracia; é apoiar os candidatos neoliberais e os governos”.

“Nossos irmãos equatorianos devem estar atentos”, aconselhou ele.

Morales acrescentou mais tarde: “Estamos alertando sobre um plano da direita e dos EUA no Equador, para tentar impedir que [Arauz] vença o segundo turno usando um promotor da Colômbia, os partidos de direita e a OEA”.

“Temos a obrigação de defender a democracia e nossa integração regional”, disse Morales. “Fiquem atentos!”

***

Ben Norton é jornalista, escritor e cineasta. É editor assistente de The Grayzone, e o produtor do podcast Moderate Rebels, que co-organiza com o editor Max Blumenthal. O seu website é BenNorton.com e seu Twitter  @BenjaminNorton.

Originalmente em The Grayzone

EUA, OEA e Colômbia tentam roubar eleição no Equador enquanto espalham fake news | Ben Norton 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui