O Império Americano no limiar de seus estertores | Pepe Escobar

0

Por Pepe Escobar

À medida que o Império Excepcional se prepara para enfrentar um novo ciclo destrutivo – e autodestrutivo – com consequências terríveis e imprevistas que irão reverberar pelo mundo, agora mais do que nunca é absolutamente essencial voltar às raízes imperiais.

Essa tarefa é inteiramente cumprida por Tomorrow, the World: The Birth of U.S. Global Supremacy (ou Amanhã, o Mundo: O Nascimento da Supremacia Global dos EUA, em tradução livre) , de Stephen Wertheim, Diretor Adjunto de Pesquisa e Política do Quincy Institute for Responsible Statecraft e pesquisador do Saltzman Institute of War and Peace Studies da Universidade de Columbia.

Aqui, em minuciosos detalhes, podemos encontrar quando, por que e especialmente quem moldou os contornos do “internacionalismo” americano em uma sala cheia de espelhos sempre camuflando a realidade, o objetivo final: Império.

O livro de Wertheim foi soberbamente revisado pelo Prof. Paul Kennedy. Aqui nos concentraremos nas reviravoltas cruciais da trama que aconteceram ao longo de 1940. A tese principal de Wertheim é que o outono da França em 1940 – e não Pearl Harbor – foi o evento catalisador que levou ao projeto completo da Hegemonia Imperial.

Este não é um livro sobre o complexo industrial-militar dos EUA ou sobre o funcionamento interno do capitalismo americano e do capitalismo financeiro. Ele é extremamente útil, pois estabelece o preâmbulo da era da Guerra Fria. Mas, acima de tudo, é uma história intelectual envolvente, revelando como a política externa americana foi fabricada pelos verdadeiros atores de carne e osso que a contam: os planejadores econômicos e políticos reunidos pelo Conselho de Relações Exteriores (CFR), o núcleo conceitual da matriz imperial.

Eis o nacionalismo excepcionalista

Se apenas uma frase capturasse o impulso missionário americano, esta seria: “Os Estados Unidos nasceram de um nacionalismo excepcionalista, imaginando-se providencialmente escolhidos para ocupar a vanguarda da história mundial”. Wertheim concluiu, tirando de uma riqueza de fontes sobre o excepcionalismo, especialmente o Destino Manifesto de Anders Stephanson: A Expansão Americana e o Império do Direito.

A ação começa no início de 1940, quando o Departamento de Estado formou um pequeno comitê consultivo em colaboração com o CFR, constituído como um estado de segurança pró-nacional de fato.

O projeto de planejamento do Conselho de Relações Exteriores (CFR) no pós-guerra era conhecido como Estudos de Guerra e Paz, financiado pela Fundação Rockefeller e ostentando uma seção transversal da elite americana, dividida em quatro grupos.

Os mais importantes eram o Grupo Econômico e Financeiro, liderado pelo “American Keynes”, o economista de Harvard Alvin Hansen, e o Grupo Político, liderado pelo empresário Whitney Shepardson. Os planejadores do Conselho de Relações Exteriores foram inevitavelmente transpostos para o núcleo do comitê oficial de planejamento do pós-guerra criado depois de Pearl Harbor.

Um ponto crucial: o Grupo de Armamento foi liderado por ninguém menos que Allen Dulles, então apenas um advogado corporativo, anos antes de se tornar o nefasto e onisciente mestre da CIA totalmente desconstruído pelo tabuleiro de xadrez diabólico de David Talbot.

Wertheim detalha as fascinantes e evolutivas escaramuças intelectuais ao longo dos primeiros oito meses da Segunda Guerra Mundial, quando o consenso predominante entre os planejadores era o de se concentrar apenas no Hemisfério Ocidental, e não se entregar às “aventuras de equilíbrio de poder” no exterior. Como deixar os europeus lutarem contra isso; enquanto nós lucramos.

A queda da França em maio-junho de 1940 – o principal exército do mundo derretendo em cinco semanas – foi a virada do jogo, muito mais do que Pearl Harbor 18 meses mais tarde. Foi assim que os planejadores interpretaram: se a Grã-Bretanha fosse o próximo dominó a cair, o totalitarismo controlaria a Eurásia.

Wertheim fecha sobre a “ameaça” definidora para os planejadores: A dominação do eixo impediria os Estados Unidos de “conduzir a história mundial”. Tal ameaça se mostrou inaceitável para as elites americanas”. Foi isso que levou a uma definição ampliada de segurança nacional: os EUA não podiam se dar ao luxo de estar simplesmente “isolados” dentro do Hemisfério Ocidental. O caminho à frente era inevitável: moldar a ordem mundial como a suprema potência militar.

Assim, foi a perspectiva de uma ordem mundial em forma nazista – e não a segurança dos EUA – que abalou as elites da política externa no verão de 1940 para construir as bases intelectuais da hegemonia global dos EUA.
Claro que havia um componente de “ideal elevado”: os Estados Unidos não seriam capazes de cumprir sua missão dada por Deus para conduzir o mundo em direção a um futuro melhor. Mas havia também uma questão prática muito mais urgente: esta ordem mundial poderia ser fechada ao comércio liberal dos EUA.

Mesmo quando as marés da guerra mudaram depois, o argumento intervencionista acabou prevalecendo: afinal, toda a Eurásia poderia (itálico no livro), eventualmente, cair sob o totalitarismo.

É sempre sobre a “ordem mundial”

Inicialmente, a queda da França forçou os planejadores de Roosevelt a se concentrarem em uma área mínima hegemônica. Assim, no meio do verão de 1940, os grupos do CFR, mais os militares, apareceram com o chamado “um quarto de esfera”: do Canadá até o norte da América do Sul.

Eles ainda assumiam que o Eixo dominaria a Europa e partes do Oriente Médio e do Norte da África. Como observa Wertheim, “os intervencionistas americanos muitas vezes retratavam o ditador alemão como um mestre da arte de Estado, presciente, inteligente e ousado”.

Então, a pedido do Departamento de Estado, o crucial Grupo Econômico e Financeiro do CFR trabalhou febrilmente de agosto a outubro para projetar o próximo passo: integrar o Hemisfério Ocidental com a Bacia do Pacífico.

Esse foi um foco eurocêntrico totalmente míope (a propósito, a Ásia mal registra a narrativa de Wertheim). Os planejadores assumiram que o Japão – mesmo rivalizando com os EUA, e três anos na invasão da China continental – poderia de alguma forma ser incorporado, ou subornado em uma área não nazista.

Então eles finalmente tiraram a sorte grande: juntar-se ao Hemisfério Ocidental, ao império britânico e à bacia do Pacífico em uma chamada “grande área residual”: ou seja, todo o mundo não nazista dominado, exceto a URSS.

Eles descobriram que se a Alemanha nazista dominasse a Europa, os EUA teriam que dominar em todos os outros lugares  (itálico meu). Esta foi a conclusão lógica baseada nas suposições iniciais dos planejadores.

Foi quando nasceu a política externa americana para os próximos 80 anos: os Estados Unidos tiveram que exercer “poder inquestionável”, como declarado na “recomendação” dos planejadores do CFR ao Departamento de Estado, entregue em 19 de outubro em um memorando intitulado “Needs of Future United States Foreign Policy” (Necessidades da futura política externa dos Estados Unidos).

Esta “Grande Área” foi de idealização do Grupo Econômico e Financeiro do CFR. O Grupo Político não ficou impressionado. A Grande Área implicou um acordo de paz pós-guerra que foi na verdade uma Guerra Fria entre a Alemanha e a Anglo-América. Não tão bom.

Mas como vender o domínio total à opinião pública americana sem que isso soasse “imperialista”, semelhante ao que o Eixo estava fazendo na Europa e na Ásia? Falemos sobre um enorme problema de relações públicas.

No final, as elites americanas sempre voltaram à mesma pedra fundamental do excepcionalismo americano: se houvesse alguma supremacia do Eixo na Europa e na Ásia, o destino manifesto dos EUA de definir o caminho pela frente para a história mundial seria negado.

Como Walter Lippmann sucintamente – e de forma memorável – disse: “A nova ordem é a nossa”. Foi para fundar esta ordem e para desenvolvê-la que nossos antepassados vieram aqui. Nesta ordem, nós existimos. Somente nesta ordem podemos viver”.

Isso estabeleceria o padrão para os 80 anos seguintes. Roosevelt, poucos dias após ter sido eleito para um terceiro mandato, declarou que eram os Estados Unidos que “verdadeira e fundamentalmente… era uma nova ordem”.

É arrepiante lembrar que há 30 anos, mesmo antes de desencadear o primeiro Choque e Pavor sobre o Iraque, Papai Bush o definiu como o cadinho de uma “nova ordem mundial” (aliás, o discurso foi proferido exatamente 11 anos antes do 11 de setembro).

Henry Kissinger vem comercializando a “ordem mundial” há seis décadas. O mantra número um da política externa americana é a “ordem internacional baseada em regras”: regras, é claro, estabelecidas unilateralmente pelo Hegemon no final da Segunda Guerra Mundial.

Século americano restaurado

O que saiu da orgia de planejamento político de 1940 foi encapsulado por um mantra sucinto apresentado no lendário ensaio de 17 de fevereiro de 1941 na revista Life ao publicar o magnata Henry Luce: “O Século Americano”.

Apenas seis meses antes, os planejadores estavam na melhor das hipóteses satisfeitos com um papel hemisférico em um futuro mundial liderado pelo Eixo. Agora, eles se tornaram vencedores: “oportunidade completa de liderança”, nas palavras de Luce. No início de 1941, meses antes de Pearl Harbor, o século americano se tornou mainstream – e dali nunca mais saiu.

Isso selou a primazia do Power Politics. Se os interesses americanos fossem globais, assim deveria ser o poder político e militar americano.

Luce até usou a terminologia do Terceiro Reich: “Os tiranianos podem exigir uma grande quantidade de espaço vital. Mas a Liberdade exige e exigirá muito mais espaço de vida do que a tirania”. Ao contrário da de Hitler, prevaleceu a ambição sem limites das elites americanas.

Até agora. Vê-se e sente-se como se o império estivesse entrando em um momento com o de James Cagney gritando:  “Made it, Ma. Top of the World!” (no filme Fúria Sanguinária) – apodrecendo de dentro, o 11 de setembro se fundindo em 6 de janeiro em uma guerra contra o “terrorismo doméstico” – enquanto ainda alimenta sonhos tóxicos de impor uma “liderança” global incontestável.

***

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Originalmente em  Asia Times 

O Império Americano no limiar de seus estertores | Pepe Escobar 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui