O que dá à Rússia o direito de ocupar a Ucrânia ou qualquer outro país? | Elijah J. Magnier

1

Por Elijah J. Magnier

Em 24 de fevereiro de 2022, o presidente russo Vladimir Putin decidiu invadir a Ucrânia, violando as leis internacionais que proíbem, em princípio, a invasão das fronteiras dos Estados ou a invasão ou interferência em seus assuntos internos. Estas são estipuladas por leis internacionais e resoluções das Nações Unidas, representando o principal organismo internacional que autoriza ou evita interferências externas e conflitos entre Estados. Mas por que o Presidente russo Vladimir Putin decidiu invadir a Ucrânia sem considerar as leis internacionais e os princípios das Nações Unidas acordados por todos os Estados?

No direito internacional, o princípio da não-interferência inclui a proibição da ameaça ou uso da força contra a integridade territorial ou independência ou roubo dos recursos de qualquer outro país, conforme estipulado no artigo 4/2 da Carta. Este princípio estipula a não-interferência em assuntos internos na forma de uma ditadura ou com o elemento de coerção, que é classificado como “interferência proibida” conforme especificado pelo Tribunal Internacional de Justiça (1986, p. 108, para. 205). Entretanto, a interferência externa para usar a força ou interromper o conflito não é proibida se ela obtiver o consentimento dos países anfitriões.

O artigo 15 do Pacto da Liga das Nações e a Convenção de Montevidéu sobre os Direitos e Deveres dos Estados do Mundo em 1933 lançou as bases “para a proibição de interferência na liberdade, soberania, assuntos internos ou nas operações dos governos dos Estados fora de suas fronteiras”. Um protocolo foi acrescentado a ela em 1936 para ampliar a regulamentação que defende a independência de decisão do Estado de proteger as fronteiras e as escolhas políticas internas e internacionais.

Em 1965, após o fim da Segunda Guerra Mundial, a Assembléia das Nações Unidas, Resolução 2131, afirmou a inadmissibilidade de interferência nos assuntos internos dos Estados. O princípio da não interferência implica o direito de cada Estado soberano de administrar seus assuntos sem interferência externa de qualquer tipo ou forma aparente ou oculta. Afirmou também o respeito à integridade política e a inadmissibilidade de diplomatas interferirem no Estado que apóia seu reconhecimento, interferirem nos partidos políticos e em suas atividades, influenciar eleições ou candidatos, ou procurar derrubar o regime governante.

Portanto, existem de fato leis internacionais que supostamente deveriam governar e organizar o mundo para que a lei da selva não prevaleça. Cada país tem leis que impõem respeito a todos os seus residentes para evitar o caos, assassinatos e roubos. A falha em proteger o Estado ou proporcionar segurança aos cidadãos será definida como um Estado fracassado. A falha em impor leis universais aplicáveis a todos os estados resultará em hegemonia unilateral, intimidação de estados mais fracos, roubo de recursos naturais de países soberanos, agressões ilegais e uma ordem internacional fracassada.

Leis iguais para todos os Estados que governam o mundo?

Em 1948, Israel foi responsável pelo êxodo de centenas de milhares de palestinos, pela destruição de suas casas (isto continua até os dias atuais), pela prisão e tortura de crianças (160) e menores e pelo assassinato indiscriminado de civis. Desde 2000, Israel prendeu pelo menos 19.000 menores palestinos entre 10 e 18 anos de idade.

Israel realizou várias guerras em Gaza, com o total apoio dos EUA para sua ação, sob o olhar atento e a reação impotente dos líderes mundiais e sem nenhuma responsabilidade. As Nações Unidas emitiram (entre 1946 e 2019) mais de 174 resoluções sobre a Palestina, as quais nunca foram respeitadas.

Em 1949, o oficial da CIA Stephen Meyadi, auxiliado pelo coronel sírio Hussein al-Zaim, encenou um golpe militar contra o governo eleito chefiado por Shukri al-Quwatli, violando a carta da ONU acordada por todas as Nações Unidas.

Em 1953, o Irã elegeu um primeiro-ministro, Muhammad Mossadegh, que nacionalizou os ativos petrolíferos da Anglo-Persian Oil Company. A Grã-Bretanha e os EUA concordaram em realizar com sucesso um golpe organizado pela CIA contra o primeiro-ministro democraticamente eleito, a pedido do presidente americano Dwight Eisenhower. Foi uma clara violação da Carta da ONU e do direito de um Estado democrático de eleger seu líder sem intervenção estrangeira.

Em 1954, de acordo com os documentos do Arquivo de Segurança da Nação dos EUA, a  inteligência dos EUA (CIA) apoiou ilegalmente o golpe contra o presidente da Guatemala, Jacobo Arbenz, porque suas reformas agrárias ameaçavam os interesses da empresa americana UNITED FRUIT. A CIA preparou e treinou forças paramilitares locais para o golpe, e a Marinha dos EUA cercou a costa guatemalteca.

Em 1955, os EUA enviaram seu exército ao Vietnã sem declarar oficialmente a guerra ou discutir seus planos e intenções nas Nações Unidas. O presidente dos EUA usou seus poderes mais de 125 vezes sem consultar o Congresso e, além disso, houve a Guerra da Coréia, na qual 142.000 soldados americanos foram mortos e feridos (1950-53)

Em 1958, os Estados Unidos concordaram com um golpe ilegal contra o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser e o presidente sírio Adel al-Shishakli. Em 1960, a América e a Bélgica destituíram do poder o primeiro primeiro primeiro-ministro legalmente eleito do Congo, Patrice Lumumba. Lumumba foi capturado e morto com a ajuda da CIA. Os EUA e seus aliados ocidentais não estavam prontos para deixar que os africanos tivessem um controle efetivo sobre as matérias-primas estratégicas.

Em 1961, a CIA apoiou o assassinato do presidente da República Dominicana, Rafael Leonidas Trujillo Molina. Em 1963, a América apoiou o golpe contra o líder sul-vietnamita Ngo Dinh Diem. Em 1964, a CIA apoiou a substituição do presidente brasileiro João Goulart e o substituiu pelo Chefe de Gabinete para evitar eleições, governando o país durante 21 anos. Em 1973 a CIA apoiou o golpe contra o presidente eleito do Chile Salvador Allende e o substituiu pelo General Augusto Pinochet. Ele liderou o país por 17 anos e prendeu mais de 130.000 membros da oposição. Um grande número deles desapareceu.

Israel ocupou partes do Líbano de 1978 a 2000, quando foi forçado a se retirar após ataques da resistência local. Em 6 de junho de 1982, com a aprovação da administração norte-americana, o exército israelense invadiu o sul do Líbano com o objetivo inicial de ocupar parte do Líbano e estabelecer uma zona de segurança de 40 km sob o pretexto de retirar a Organização de Libertação da Palestina de sua fronteira. A operação israelense “Paz para a Galileia” tornou-se uma ofensiva em grande escala com quase 100.000 soldados ocupando a capital libanesa de Beirute. As Nações Unidas nunca aprovaram a invasão israelense.

Em abril de 1996, Israel bombardeou um complexo das Nações Unidas em Qana, Líbano, matando mais de 100 civis (quase metade dos quais eram crianças) e ferindo mais centenas, incluindo o pessoal da ONU em Fiji. A ONU investigou e denunciou o exército israelense por sua violação das regras do direito humanitário, rejeitou a versão israelense de que o ataque era o resultado de “grave erro técnico ou de procedimento que Israel havia alegado, mas não estava em condições de tomar outras medidas”.

Israel invadiu o Líbano, permitiu um massacre por seus aliados e violou sua soberania muitas vezes. Durante a última guerra israelense ao Líbano em 2006, 1109 pessoas foram mortas, 4399 feridas e 1 milhão foram desalojadas sem desencadear uma condenação ou reação internacional. Israel destruiu a maioria das pontes e infra-estruturas libanesas entre a capital Beirute e o sul do Líbano e bombardeou intencionalmente as reservas de petróleo fora de Beirute. Nenhuma condenação internacional ou medidas legais foram tomadas contra a agressão israelense.

O Secretário Geral da ONU, Kofi Annan, acusou Israel de “uso desproporcional da força”, visando a infra-estrutura civil (pontes e usinas elétricas, corte de água e eletricidade para os civis). As ações israelenses são ilegais e contra as Convenções de Genebra de 1949 e não são permitidas pelo direito humanitário internacional. Entretanto, os EUA e outros Estados membros da OTAN sempre justificaram qualquer ataque israelense alegando que Israel tem “o direito de se defender“, uma teoria adotada para justificar ataques antecipados contra civis e outros Estados soberanos.

De 1982 a 1984, forças dos EUA (e seus aliados, o Reino Unido, França e Itália) desembarcaram no Líbano como parte das “Forças Multinacionais” sem um mandato da ONU e participaram da guerra civil, bombardeando vários objetivos apoiando um lado contra o outro. Por insistência israelense, as Forças Multinacionais não possuíam um mandato da ONU.

Em 1999, a Força Aérea dos EUA, liderando uma campanha militar da OTAN, começou seu bombardeio ao Kosovo. De acordo com uma Comissão internacional independente sobre Kosovo solicitada pelo Secretário Geral da ONU, a intervenção da OTAN foi ilegal pois não recebeu a aprovação do Conselho de Segurança da ONU. A comissão criticou a forma como a intervenção foi conduzida em vários aspectos. A OTAN acreditou falsamente que uma curta campanha de bombardeio seria suficiente para se chegar a um acordo.

Portanto, expandiu a campanha aérea para objetivos estratégicos na Sérvia propriamente dita, aumentando o risco de vítimas civis. Embora a OTAN tenha dito que tinha feito esforços substanciais para evitar baixas civis, alguns erros graves (baixas civis) foram cometidos, disse a comissão.

Em 7 de outubro de 2001, os EUA invadiram o Afeganistão sem o consentimento das Nações Unidas e chamaram sua invasão de “Operação Enduring Freedom” (Liberdade Duradoura). O governo americano alegou que a invasão foi uma retaliação pelos ataques terroristas de 11 de setembro em Nova York e na Pensilvânia. A principal razão da invasão ocorreu porque os EUA sentiram que poderiam erradicar a Al-Qaeda e sua rede de apoio dentro do Talibã através de uma ação militar.

Embora nenhum grupo terrorista jamais tenha reivindicado a responsabilidade pelo ataque de 11 de setembro, muitos simpatizaram com o ato. Entretanto, o porta-voz principal do Talibã na época dos ataques, Wakeel Ahmed Mutawakel e o embaixador do Talibã no Paquistão, Mullah Abdul Salam Zaeef, condenaram os ataques e não reivindicaram a responsabilidade por eles por parte do Talibã ou da Al Qaeda. Aijaz Ahmad também afirma isso em seu livro Iraque, Afeganistão e o Imperialismo de Nosso Tempo, onde ele escreve, “foi ainda mais difícil ligar os próprios Talibãs aos acontecimentos de 11 de setembro; eles denunciaram o ataque imediatamente e prometeram em termos inequívocos ajudar a encontrar os responsáveis”. Para a administração dos Estados Unidos, o Afeganistão era um país geopolítico essencial, com recursos naturais significativos aos quais o Irã, a Rússia e a China não deveriam ter acesso ou comércio com o governo afegão.

Em 2003, os EUA (e seus aliados) ocuparam o Iraque para desarmar Saddam Hussein das “Armas de Destruição em Massa” que,  em primeiro lugar, nunca existiram. Um ano após a invasão, o Secretário-Geral das Nações Unidas, Kofi Annan, declarou explicitamente, pela primeira vez, que a guerra liderada pelos EUA contra o Iraque era ilegal. Kofi Annan disse que o Conselho de Segurança da ONU não sancionou a invasão nem seguiu a carta fundadora da ONU.

O Conselho de Segurança nunca aprovou as invasões dos EUA no Afeganistão, Iraque, Líbia e Síria. O Presidente George W. Bush declarou que “não esperaria pelo Conselho de Segurança” e enviou exércitos em busca de “armas de destruição em massa” no Iraque. A administração dos EUA já havia ajudado Saddam Hussein a ganhar poder através do golpe que deu em 1963 contra o General Abdel Karim Qassem.

Em 17 de março de 2011, o Conselho de Segurança adotou a Resolução 1973, autorizando o uso da força na Líbia para proteger os civis e estabelecer uma zona de exclusão aérea. Enquanto Alemanha, Brasil, China, Índia e Rússia se abstiveram, a resolução elaborada pela França e pelo Reino Unido e co-patrocinada pelos Estados Unidos recebeu dez votos favoráveis em quinze. Concentrando-se na proteção da população civil, a Resolução 1973 exigiu um cessar-fogo imediato e a completa cessação da violência contra os civis. Ela autorizava os Estados-Membros a tomar todas as medidas necessárias para proteger os civis sob o Capítulo VII da Carta das Nações Unidas, excluindo qualquer forma de ocupação do território líbio. Em 19 de março de 2011, uma coalizão liderada por vários Estados da OTAN iniciou uma intervenção militar ilegal na Líbia que levou o país ao caos por mais de 11 anos, até os dias de hoje.

A guerra na Síria começou em 2011 com os EUA e seus aliados árabes e da OTAN estabelecendo duas salas de operações na Jordânia e na Turquia para enviar armas e treinar rebeldes sírios, incluindo jihadistas da Al-Qaeda, com o conhecimento explícito das forças de treinamento dos EUA. Os norte-americanos intervieram diretamente na guerra de forma ilegal e o Presidente Donald Trump disse claramente que a presença dos militares norte-americanos era “para segurar o petróleo sírio“, sem a permissão do país soberano. O Presidente Joe Biden seguiu as pegadas de seu antecessor.

Em 2020, Israel anunciou que havia lançado 4.200 mísseis contra a Síria, um país soberano, para destruir sua infraestrutura militar sem quase nenhuma retaliação por parte do governo de Damasco. Os EUA descreveram os ataques como um “direito de autodefesa“. Como a reivindicação da Rússia contra a Ucrânia, as autoridades israelenses disseram que estes são ataques preventivos para neutralizar a capacidade e os mísseis sírios para que não possam ser usados um dia contra Israel. É a doutrina de Ben Gurion que Israel usou contra o Iraque (bombardear seu reator nuclear durante a construção), Síria (bombardear um reator nuclear reivindicado antes da construção), Irã (assassinar cientistas atômicos, sabotar navios e infraestrutura iraniana no Irã) e assassinar palestinos no exterior.

O professor Dov Levin, pesquisador da Universidade Carnegie Mellon nos Estados Unidos, diz que o histórico “banco de dados” acompanha a ingerência dos Estados Unidos nas eleições estrangeiras ao longo dos anos. Os documentos indicam que os EUA intervieram 80 vezes entre 1963 e 2000. Um terço dessas intervenções foram públicas e dois terços permaneceram desconhecidos dos eleitores antes das eleições. Ao mesmo tempo, a União Soviética e a Rússia utilizaram cerca de 36 intervenções documentadas no mesmo período.

Quanto à União Soviética – suas forças apoiaram a primeira Guerra da Indochina em 1964 para apoiar o Vietnã contra as forças de ocupação francesas primeiro e depois contra as tropas americanas. Interveio em 1950 na Guerra da Coréia, na Guerra do Vietnã em 1955, ocupou a Tchecoslováquia em 1968 e ajudou os árabes em sua guerra contra Israel e sua aliada América em 1969. Em 1974, durante a colisão entre a Etiópia e a Eritréia, a União Soviética desempenhou um papel e, em 1979, enviou o exército para ocupar o Afeganistão.

Após o colapso da União Soviética, a Rússia participou da guerra civil na Geórgia em 1991, especialmente na Abecásia e Ossétia, que foram ocupadas mais tarde em 2008. Em 1992, a Rússia interveio e ocupou a parte norte da Moldávia conhecida como Transnístria. A Rússia também declarou guerra ao Tadjiquistão (1992), à Chechênia (1999) e ao Daguestão. O exército russo tomou a Península da Crimeia em 2014 para retornar em fevereiro de 2022 e ocupar o Donbass.

Essas intervenções confirmam que essas superpotências e seus aliados não respeitam ou não aderem a nenhuma lei internacional. Em vez disso, decisões unilaterais para travar a guerra foram tomadas sem consideração pelas Nações Unidas ou por leis internacionais que não se aplicam a países poderosos. Isto significa que o mundo continuará organizado por uma instituição internacional agindo como uma fachada impotente, como as Nações Unidas, que não podem fazer cumprir a lei e obrigar os governos a respeitá-la.

A menos que uma conferência internacional seja convocada para reorganizar o mundo, a total falta de respeito pela soberania dos Estados permanecerá uma ameaça à humanidade se esses países decidirem usar armas nucleares como em Hiroshima e Nagasaki, que mataram 214.000 pessoas. A menos que (e até que) uma guerra significativa pressione todos os Estados a se reorganizarem e sentarem em torno da mesa para concordar em respeitar o Estado de direito, a lei da selva permanecerá dominante.

***

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência

O que dá à Rússia o direito de ocupar a Ucrânia ou qualquer outro país? | Elijah J. Magnier 1

1 COMENTÁRIO

  1. A Rússia não ocupou nenhum território até hoje. Quem ocupou e ocupa países com marines ou governos títeres são os eeuu com a cee/ue a reboque e a frança em áfrica. Todo o palavreado do texto ao partir da noção falsa de “ocupação russa” passa a ser uma mistificação. Uma perda de tempo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui