O Talibã vai a Tianjin | Pepe Escobar

0

Por Pepe Escobar

Então assim termina a Guerra Eterna no Afeganistão – se é que se pode chamá-lo de fim. Antes, trata-se de um reposicionamento americano.

Independentemente disso, depois de duas décadas de morte e destruição e de incontáveis trilhões de dólares, estamos diante não de um grande estrondo – e também não de um mero gemido – mas sim de uma imagem do Talibã em Tianjin, uma delegação de nove homens liderada pelo comissário político de alto nível Mullah Abdul Ghani Baradar, posando solenemente lado a lado com o Ministro das Relações Exteriores, Wang Yi.

Fazem-se os ecos laterais de outra Guerra Eterna – no Iraque. Primeiro, houve o estrondo: os EUA não como “a nova OPEP”, como o mantra neocon tinha visualizado, mas com os americanos nem mesmo conseguindo o petróleo. Então veio o lamento: “Sem mais tropas” após 31 de dezembro de 2021 – exceto para o proverbial exército “empreiteiro”.      

Os chineses receberam o Talibã em visita oficial para, mais uma vez, propor um quid pro quo muito simples: reconhecemos e apoiamos seu papel político no processo de reconstrução do Afeganistão e, em troca, cortamos qualquer possível ligação com o Movimento Islâmico do Turquistão Oriental, considerado pela ONU como uma organização terrorista e responsável por uma série de ataques em Xinjiang.

O Ministro das Relações Exteriores chinês Wang disse explicitamente: “O Talibã no Afeganistão é uma força militar e política fundamental no país e desempenhará um papel importante no processo de paz, reconciliação e reconstrução”.

Isto se refere às observações de Wang em junho, após uma reunião com os ministros das Relações Exteriores do Afeganistão e Paquistão, quando prometeu não apenas “trazer o Talibã de volta à corrente política”, mas também sediar uma séria negociação de paz intra-afegã.

O que está implícito desde então é que o processo excruciantemente lento em Doha não leva a lugar algum. Doha está sendo conduzida pela tróica ampliada – EUA, Rússia, China, Paquistão – juntamente com os adversários irreconciliáveis, o governo de Cabul e o Talibã.

O porta-voz do Talibã, Mohammad Naeem, enfatizou que a reunião de Tianjin se concentrou em questões políticas, econômicas e de segurança, com o Talibã garantindo a Pequim que o território afegão não seria explorado por terceiros contra os interesses de segurança das nações vizinhas.

Isto significa, na prática, nenhum abrigo para jihadis uigures, chechenos, usbeques e os sombrios da variante ISIS-Khorasan.  

Tianjin foi colocada como uma espécie de jóia da coroa na atual ofensiva diplomática do Talibã, que já tocou Teerã e Moscou.

O que isto significa na prática é que o verdadeiro agente de poder de um possível acordo intra-afegão é a Organização de Cooperação de Xangai (SCO), liderada pela parceria estratégica Rússia-China.

A Rússia e a China estão monitorando meticulosamente como os Talibãs têm capturado vários distritos estratégicos em províncias desde Badakhshan (maioria tajiques) até Kandahar (maioria pashtun). A Realpolitik dita que os Talibãs sejam aceitos como interlocutores sérios.

O Paquistão, por sua vez, está trabalhando cada vez mais próximo dentro da estrutura da SCO. O Primeiro Ministro Imran Khan não poderia ser mais inflexível ao se dirigir à opinião pública dos EUA: “Washington visava uma solução militar no Afeganistão, quando nunca houve uma”, disse ele.

“E pessoas como eu que continuavam dizendo que não há solução militar, que conhecem a história do Afeganistão, fomos chamados – pessoas como eu foram chamadas de antiamericanas”, disse ele. “Eu fui chamado de Talibã Khan”.

Somos todos Talibã agora

O fato é que ” Talibã Khan”, “Talibã Wang” e “Talibã Lavrov” estão todos na mesma página.

A SCO está trabalhando para apresentar um planejamento para um acordo político Cabul-Talibã na próxima rodada de negociações, em agosto. Como tenho reportado – veja, por exemplo, aqui e aqui – trata-se de um pacote abrangente de integração econômica, onde a Iniciativa Cinturão e Rota e seu afiliado Corredor Econômico China-Paquistão interagem com a Grande Parceria Eurasiática da Rússia e com a conectividade geral Ásia Central-Ásia Sul.  

Um Afeganistão estável é o elo perdido no que poderia ser descrito como o futuro corredor econômico SCO, que integrará todos os atores eurasianos desde os membros dos BRICS Índia e Rússia até todos os ‘-stãos’ da Ásia Central.

Tanto o governo do presidente Ashraf Ghani em Cabul como o do Talibã estão a bordo. O diabo, é claro, está nos detalhes de como administrar o jogo de poder interno no Afeganistão para que isso aconteça.  

Os Talibãs fizeram seu curso intensivo sobre geopolítica e geoeconomia. Em Moscou, no início de julho, tiveram uma discussão detalhada com Zamir Kabulov, enviado do Kremlin para o Afeganistão.

Paralelamente, mesmo o ex-embaixador afegão na China, o Sultão Baheen – nada Talibã – admitiu que para a maioria dos afegãos, independentemente da origem étnica, Pequim é o interlocutor e mediador preferencial em um processo de paz em evolução.    

Portanto, o Talibã em busca de discussões de alto nível com a parceria estratégica Rússia-China é parte de uma estratégia política cuidadosamente calculada. Mas isso nos leva a uma questão extremamente complexa: A qual Talibã estamos nos referindo?

Não existe tal coisa como um Talibã “unificado”. A maioria dos principais líderes “old-school” vive no Balochistão paquistanês. A nova geração é muito mais volátil – e não sente restrições políticas. O Movimento Islâmico do Turquestão Oriental, com uma pequena ajuda das informações ocidentais, pode facilmente se infiltrar em algumas facções do Talibã dentro do Afeganistão.

Muito poucos no Ocidente compreendem as dramáticas conseqüências psicológicas para os afegãos – independentemente de sua origem étnica, social ou cultural – de viverem essencialmente sob um estado de guerra ininterrupta durante as últimas quatro décadas: Ocupação da URSS; lutas intra-mujahideen; Talibã contra a Aliança do Norte; e ocupação EUA/OTAN.

O último ano “normal” na sociedade afegã foi em 1978.    

Andrei Kazantsev, professor da Escola Superior de Economia e diretor do Centro de Estudos da Ásia Central e Afeganistão do Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou (MGIMO), está em uma posição única para entender como as coisas funcionam no terreno.

Ele observa algo que vi pessoalmente inúmeras vezes; como as guerras no Afeganistão são uma mistura de armamento e negociação:

“Há um pouco de luta, um pouco de conversa, formam-se coalizões, depois há luta de novo; conversa de novo”.

Alguns desertaram, traíram uns aos outros, lutaram por um tempo, e depois voltaram. É uma cultura de guerra e negociação completamente diferente.

O Talibã negociará simultaneamente com o governo e continuará com suas ofensivas militares. Estas são apenas ferramentas diferentes de diferentes alas deste movimento”.

Estou comprando: quanto custa?

O fato mais importante é que os Talibãs são, de fato, uma constelação de milícias de senhores da guerra. O que isto significa é que o Mullah Baradar em Tianjin não fala por todo o movimento. Ele teria que manter um shura (conselho) com cada grande senhor da guerra e comandante para vendê-los seja qual for o roteiro político que ele concorde com a Rússia e a China.

Este é um enorme problema, pois certos poderosos comandantes tajiques ou usbeques preferirão se alinhar com fontes estrangeiras, digamos a Turquia ou o Irã, ao invés de quem estiver no poder em Cabul.

Os chineses podem encontrar um contorno para o problema, literalmente comprando todos e seu vizinho. Mas isso ainda não garantiria a estabilidade.

O que Rússia e China está investindo com o Talibã é na obtenção de garantias solidificadas:

– Não permitir que os jihadis cruzem as fronteiras da Ásia Central – especialmente o Tadjiquistão e o Quirguistão;
– Combater o ISIS-Khorasan de frente e não permitir que eles se abriguem, como o Talibã fez com a Al-Qaeda nos anos 90; e
– Acabar com o cultivo da papoula opiácea (que se desinvestiu no início dos anos 2000) enquanto luta contra o tráfico de drogas.

Ninguém sabe realmente se a ala política do Talibã será capaz de cumprir com o que prometeu. No entanto, Moscou, muito mais do que Pequim, tem sido muito clara: se o Talibã não for firme com os movimentos jihadi, sentirão toda a ira da Organização do Tratado de Segurança Coletiva.

A SCO, por sua vez, tem mantido um grupo de contato afegão desde 2005. O Afeganistão é um observador da SCO e pode ser aceito como membro pleno uma vez que haja um acordo político.

O principal problema dentro da SCO será harmonizar os interesses conflitantes da Índia e do Paquistão dentro do Afeganistão.

Mais uma vez, isso dependerá das “superpotências” – a parceria estratégica Rússia-China. E, mais uma vez, estará no centro do maior enigma geopolítico dos raivosos anos 2020: como finalmente pacificar o “cemitério de impérios”. 

***

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Originalmente em Asia Times

O Talibã vai a Tianjin | Pepe Escobar 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui