Os Estados Desintegrados da América | Pepe Escobar

0

Por Pepe Escobar

Andrei Martyanov é uma figura ímpar. Um baby boomer da terceira vaga, nascido no início dos anos 60 em Baku, no Cáucaso, então parte da ex-URSS, ele é sem dúvida o principal analista militar na esfera russa, vivendo e trabalhando nos EUA, escrevendo em inglês para uma audiência global, e sempre brilhante no seu blog Reminiscence of the Future .

Tive o prazer de rever os dois livros anteriores de Martyanov. Em Losing Military Supremacy: The Myopia of American Strategic Planning , há cerca três anos atrás ele provou conclusivamente, entre outras coisas, que o fosso missilíestico entre os EUA e a Rússia era um “abismo tecnológico” e como o Khinzal era “um completo divisor de águas geopoliticamente, estrategicamente, operacionalmente, taticamente e psicologicamente”.

Ele mapeou extensamente “a chegada final de um paradigma completamente novo” na guerra e na tecnologia militar. Esta revisão está incluída no meu próprio e-book Shadow play publicado pelo Asia Times.

Depois veio The (Real) Revolution in Military Affairs , onde foi um passo além, explicando como esta “revolução”, introduzida no Pentágono pelo falecido Andrew Marshall, também conhecido como Yoda, o inventor do conceito de “pivot para a Ásia”, foi de facto concebida por teóricos militares soviéticos já na década de 1970, como MTR (Military-Technological Revolution).

O seu novo livro, Disintegration , completa uma trilogia. E é um arranque estonteante.

Aqui, Martyanov, em pormenor meticuloso, analisa o declínio imperial tematicamente – com capítulos sobre Consumo, Geoeconomia, Energia, Perda da Corrida às Armas, entre outros, compondo uma denúncia devastadora, em especial de lobbies tóxicos de Washington e da mediocridade política prevalecente por toda a Beltway. O que é posto a nu para o leitor é a complexa interação de forças que estão a conduzir o caos político, ideológico, económico, cultural e militar americano.

O capítulo 3, sobre Geoeconomia, é uma jornada de alegria. Martyanov mostra como a geoeconomia – como um campo separado da guerra e da geopolítica – não é senão uma algazarra para a ofuscação: o bom e velho conflito “embrulhado no fino manto do intelectualismo superficial das ciências políticas” – as matérias de que são feitos os sonhos de Huntington, Fukuyama e Brzezinski.

Isto é plenamente desenvolvido no Capítulo 6, sobre as Elites Ocidentais – completo com um desmascaramento mordaz do “mito de Henry Kissinger”: “apenas mais um excepcionalista americano, mal classificado como ‘realista'”, parte de uma gang que “não está condicionada a pensar de forma multidimensional”. Afinal, eles ainda não são capazes de compreender a lógica e as implicações do discurso de Putin de 2007 em Munique, que declarou o momento unipolar – um eufemismo grosseiro para Hegemonia – morto e enterrado.

Os Estados Desintegrados da América | Pepe Escobar 1

Como não vencer guerras

Uma das principais avaliações de Martyanov é que tendo perdido a corrida ao armamento e todas as guerras que desencadeou no século XXI – como mostram os registos históricos – a geoeconomia é essencialmente um “eufemismo para as sanções incessantes da América e as tentativas de sabotar as economias de qualquer nação capaz de competir com os Estados Unidos” (ver, por exemplo, a saga em curso do Nord Stream 2). Esta é “a única ferramenta” (o itálico é seu) que os EUA estão a utilizar para tentar travar o seu declínio.

No capítulo sobre Energia, Martyanov demonstra como a aventura dos EUA no petróleo de xisto (shale oil) é financeiramente inviável e como um aumento das exportações de petróleo deveu-se principalmente ao “aumento” das quotas libertadas em consequência de cortes anteriores da Rússia e da Arábia Saudita dentro da OPEP+, numa tentativa de equilibrar o mercado mundial do petróleo”.

No Capítulo 7, Perder a Corrida às Armas, Martyanov expande-se sobre o tema chave em que é o super-astro indiscutível: os Estados Unidos não podem vencer guerras. Infligir Guerras Híbridas é outra questão inteiramente diferente, assim como criar “muita miséria por todo o mundo, desde efectivamente esfaimar povos até matá-los sem rodeios”.

Um exemplo flagrante tem sido a “pressão máxima” das sanções económicas sobre o Irão. Mas a questão é que estes instrumentos – os quais também incluíram o assassinato do General Soleimani – que fazem parte do arsenal da “disseminação da democracia” nada têm a ver com “geoeconomia”, mas têm “tudo a ver com os jogos de poder brutos concebidos para alcançar o principal objeto de guerra Clausewitziano – ‘obrigar o nosso inimigo a fazer a nossa vontade’ “. E “para a América, a maior parte do mundo é o inimigo”.

Martyanov também se sente obrigado a atualizar aquilo em que tem sido excelente durante anos: o facto de a chegada dos mísseis hipersónicos “ter mudado a guerra para sempre”. O Khinzal, posicionado desde 2017, tem um alcance de 2.000 km e “não é interceptável pelos sistemas anti-mísseis existentes nos EUA”. O Zircon 3M22 “muda completamente o cálculo tanto da guerra naval como da guerra terrestre”. O atraso dos EUA em relação à Rússia em sistemas de defesa aérea é “maciço e tanto quantitativo como qualitativo”.

Disintegration além disso qualifica-se como uma crítica aguda ao fenómeno eminentemente pós-modernista – assinalado pela fragmentação cultural infinita e pela recusa em aceitar que “a verdade é conhecível e pode-se concordar sobre ela” – responsável pela atual reengenharia social dos EUA, em conjunto com uma oligarquia que “realisticamente, não é muito brilhante, apesar de ser rica”.

E ainda há a russofobia desenfreada. Martyanov soa o alerta vermelho definitivo: “Claro que os Estados Unidos ainda são capazes de iniciar uma guerra com a Rússia, mas se o fizerem, isso significará apenas uma coisa – os Estados Unidos deixarão de existir, tal como a maior parte da civilização humana. A coisa horrenda é que há algumas pessoas nos EUA para quem mesmo este preço é demasiado pequeno para pagar”.

No final das contas, um intelecto científico frio não pode deixar de confiar numa realpolitik sã: assumindo que os EUA evitam a desintegração completa em “territórios separatistas”, Martyanov enfatiza que o único meio de a “elite” americana manter qualquer espécie de controle “sobre gerações cada vez mais despertas ou dessensibilizadas pelas drogas” é através da tirania. Na verdade, a tecno-tirania. E esse parece ser o novo e admirável paradigma disfuncional pela frente.

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Originalmente em Asia Times / Tradução: Pravda.RU

Os Estados Desintegrados da América | Pepe Escobar 2

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui