Os EUA e seus oráculos desorientados | Pepe Escobar

0

Por Pepe Escobar

O falecido Dr. Zbig “grande tabuleiro” Brzezinski durante algum tempo fez uso de sua sabedoria como um oráculo da política externa americana, lado a lado com o perene Henry Kissinger – que, em vastas faixas do Sul Global, é considerado nada além de um criminoso de guerra.

Brzezinski nunca alcançou a mesma notoriedade. Na melhor das hipóteses, reivindicou o direito de se gabar por dar à URSS seu próprio Vietnã no Afeganistão – facilitando a internacionalização da Jihad Inc., com todas as suas terríveis conseqüências.

Ao longo dos anos, sempre foi divertido acompanhar até onde chegaria o Dr. Zbig com sua Russofobia. Mas, lenta porém seguramente, ele era forçado a rever suas grandes expectativas. E finalmente deve ter ficado verdadeiramente horrorizado com o fato de que seus perenes medos geopolíticos ao estilo Mackinder tivessem acontecido – para além dos pesadelos mais selvagens.

Não apenas Washington não havia impedido o surgimento de um “concorrente” na Eurásia, mas o concorrente agora está configurado como uma parceria estratégica entre a Rússia e a China.

O Dr. Zbig não era exatamente versado em assuntos chineses. Sua leitura errada da China pode ser encontrada em seu clássico “A Geostrategy for Eurasia” publicado – onde mais – na Foreign Affairs em 1997:

Embora a China esteja emergindo como uma potência regional dominante, não é provável que se torne uma potência global por muito tempo. A sabedoria convencional de que a China será a próxima potência global está criando paranóia fora da China enquanto fomenta a megalomania chinesa. Está longe de ser certo que as taxas de crescimento explosivas da China possam ser mantidas durante as próximas duas décadas. De fato, o crescimento contínuo a longo prazo às taxas atuais exigiria uma mistura invulgarmente feliz de liderança nacional, tranqüilidade política, disciplina social, alta poupança, influxos maciços de investimento estrangeiro e estabilidade regional. Uma combinação prolongada de todos estes fatores é improvável.

Dr. Zbig acrescentou,

Mesmo que a China evite sérias perturbações políticas e sustente seu crescimento econômico por um quarto de século – ambos bastante grandes “se” – a China ainda seria um país relativamente pobre. Uma triplicação do PIB deixaria a China abaixo da maioria das nações em renda per capita, e uma parcela significativa de seu povo permaneceria pobre. Sua posição no acesso a telefones, carros, computadores e muito menos a bens de consumo seria muito baixa.

Oh, querido. Não apenas Pequim atingiu todas as metas proclamadas pelo Dr. Zbig, mas o governo central também eliminou a pobreza até o final de 2020.

O Pequeno Timoneiro Deng Xiaoping observou certa vez, “no momento, ainda somos uma nação relativamente pobre. É impossível para nós assumirmos muitas obrigações proletárias internacionais, portanto, nossas contribuições continuam pequenas. No entanto, uma vez que tenhamos realizado as quatro modernizações e a economia nacional tenha se expandido, nossas contribuições para a humanidade, e especialmente para o Terceiro Mundo, serão maiores. Como país socialista, a China sempre pertencerá ao Terceiro Mundo e jamais buscará a hegemonia”.

O que Deng descreveu então como o Terceiro Mundo – uma terminologia depreciativa da era da Guerra Fria – é agora o Sul Global. E o Sul Global é essencialmente o Movimento dos Não-Alinhados (NAM) em esteróides, como no Espírito de Bandung em 1955 remixado ao século eurasiático.

O guerreiro da Guerra Fria, Dr. Zbig obviamente não era um monge taoísta – por isso ele nunca poderia abandonar o Eu para entrar no Tao, o mais secreto de todos os mistérios.

Se ele estivesse vivo para testemunhar o início do Ano do Boi, ele poderia ter notado como a China, expandindo as ideias de Deng, está de fato aplicando lições práticas derivadas da cosmologia correlata taoísta: a vida como um sistema de interação de opostos, engajando-se uns com os outros em constante mudança e evolução, se movendo em ciclos e ciclos de retroalimentação, sempre matematicamente difíceis de prever com exatidão.

Um exemplo prático de abertura e fechamento simultâneos é a abordagem dialética da nova estratégia de desenvolvimento da “dupla circulação” de Pequim. É bastante dinâmica, contando com controles e equilíbrios entre o aumento do consumo interno e o comércio/investimentos externos (as Novas Rotas da Seda).

A paz é uma Guerra Eterna

Agora vamos passar para outro oráculo, um especialista autodescrito do que no Beltway é conhecido como o “Grande Oriente Médio”: Robert Kagan, co-fundador do Projeto para o Novo Século Americano (PNAC, em inglês), tarimbado belicista neocon, e meia-parte do famoso Kaganato dos Nuland – como a piada passou na Eurásia – lado a lado com sua esposa, a notória distribuidora de bolachas em Maidan Victoria “ferre a união Europeia” Nuland, que está prestes a reentrar no governo como parte da administração Biden-Harris.

Kagan está de volta palpitando – onde mais – na Foreign Affairs, na qual publicou seu último manifesto de superpotência. É lá que encontramos esta pérola absoluta:

Que os americanos se referem aos envolvimentos militares relativamente baratos no Afeganistão e no Iraque como “guerras eternas” é apenas o mais recente exemplo de sua intolerância para com a confusão e o interminável business de preservar uma paz geral e agir para prevenir ameaças. Em ambos os casos, os americanos tinham um pé fora da porta no momento em que entraram, o que dificultava sua capacidade de ganhar controle de situações difíceis.

Portanto, vamos esclarecer isto. As multi trilionárias Guerras Eternas são “relativamente de baixo custo”; diga isso às multidões que sofrem com a Via Crucis da infra-estrutura em colapso dos EUA e com padrões terríveis em saúde e educação. Se você não apoia as Guerras Eternas – absolutamente necessárias para preservar a “ordem mundial liberal” – você é “intolerante”.

“Preservar uma paz geral” não se qualifica nem mesmo como uma piada, vindo de alguém absolutamente ignorante sobre as realidades no terreno. Quanto ao que o Beltway define como “sociedade civil dinâmica” no Afeganistão, que na realidade gira em torno de códigos tribais milenares: nada tem a ver com algum cruzamento entre os neocons e os “despertos” (woke). Além disso, o PIB do Afeganistão – depois de tanta “ajuda” americana – permanece ainda mais baixo do que o do Iêmen bombardeado pela Arábia Saudita.

O Exceptionalistão não deixará o Afeganistão. Um prazo para 1° de maio foi negociado em Doha no ano passado para que os EUA/OTAN retirassem todas as tropas. Isso não vai acontecer.

O discurso já está turbinado: os manipuladores do Deep State de Joe “boneco de testes” Biden não respeitarão o prazo. Todos que conhecem o Novo Grande Jogo em esteróides em toda a Eurásia sabem por quê: um tapete estratégico de lírios deve ser mantido na interseção da Ásia Central e do Sul para ajudar a monitorar de perto – o que mais – o pior pesadelo de Brzezinski: a parceria estratégica Rússia-China.

Na situação atual, temos 2.500 tropas do Pentágono + 7.000 tropas da OTAN + um grande número de “empreiteiros” no Afeganistão. O discurso é que eles não podem sair porque o Talibã – que de fato controla de 52% a até 70% de todo o território tribal – assumirá o controle.

Para ver, em detalhes, como toda esta triste saga começou, os céticos não ortodoxos poderiam fazer pior do que verificar o Volume 3 dos meus arquivos do Asia Times “Forever Wars: Afeganistão-Iraque”, parte 1 (2001-2004) . A parte 2 será lançada em breve. Aqui eles descobrirão como as Guerras Eternas multi-trilionarias – tão essenciais para “preservar a paz” – realmente se desenvolveram in loco, em total contraste com a narrativa imperial oficial influenciada, e defendida, por Kagan.

Com oráculos como estes, os EUA definitivamente não precisam de inimigos.

***

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Originalmente em  Asia Times

Os EUA e seus oráculos desorientados | Pepe Escobar 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui