Os EUA vão para o “tudo ou nada” contra as Novas Rotas da Seda | Pepe Escobar

0

Por Pepe Escobar

Sete anos depois de ser lançado pelo Presidente Xi Jinping, primeiro em Astana e depois em Jacarta, as Novas Rotas da Seda, ou BRI (Belt and Road Initiative ou Iniciativa Cinturão e Rota, sigla ICR, em português), deixam cada vez mais a oligarquia plutocrática americana completamente alucinada.

A paranóia implacável sobre a “ameaça” chinesa tem muito a ver com a saída oferecida por Pequim a um Sul Global permanentemente endividado com a exploração de  FMI e Banco Mundial.

Na velha ordem, as elites político-militares eram rotineiramente subornadas em troca do acesso irrestrito das empresas aos recursos de suas nações, juntamente com esquemas de privatização e austeridade total (“ajuste estrutural”).

Isto continuou por décadas até que a ICR se tornou o novo jogo em termos de construção de infra-estrutura – oferecendo uma alternativa para a marca imperial.

O modelo chinês permite todo tipo de impostos paralelos, vendas, aluguéis, arrendamentos – e lucros. Isto significa fontes de renda extras para os governos anfitriões – com um corolário importante: a liberdade em relação aos ditames neoliberais mais barra pesada do FMI/Banco Mundial. Isto é o que está no centro da célebre política “win-win” (de ganho mútuo) chinesa.

Além disso, o foco estratégico geral da ICR no desenvolvimento de infra-estrutura não apenas em toda a Eurásia, mas também na África, engloba uma grande mudança geopolítica de jogo. A ICR está levando vastas faixas do Sul Global a se tornarem completamente independente da armadilha da dívida imposta pelo Ocidente. Para dezenas de nações, esta é uma questão de interesse nacional. Neste sentido, a Cinturão e Rota deve ser considerada como o mecanismo pós-colonialista final.

A ICR, de fato, se encerra com a simplicidade de Sun Tzu aplicada à geoeconomia. Nunca interromper o inimigo quando ele estiver cometendo um erro – neste caso escravizando o Sul Global através de uma dívida perpétua. Então use suas próprias armas – neste caso, “ajuda” financeira – para desestabilizar sua preeminência.

Na Rota com os mongóis

Nenhum dos itens acima, é claro, é capaz de serenar o vulcão paranóico, que continuará a cuspir um dilúvio de alertas vermelhos 24 horas por dia, 7 dias por semana, zombando da ICR como “pobremente definida, mal administrada e visivelmente fracassada”. “Visivelmente”, é claro, apenas para os excepcionalistas.

Previsivelmente, o vulcão paranóico se alimenta de uma mistura tóxica de arrogância e desconhecimento crasso da história e da cultura chinesa.

Xue Li, diretor do Departamento de Estratégia Internacional do Instituto de Economia e Política Mundial da Academia Chinesa de Ciências Sociais, mostrou como “depois que a Iniciativa Cinturão e Rota foi proposta em 2013, a diplomacia chinesa deixou de manter um perfil discreto para se tornar mais pró-ativa nos assuntos globais”. Mas a política de “parceria em vez de aliança” não mudou, e é pouco provável que mude no futuro. O fato indiscutível é que o sistema de diplomacia de aliança preferido pelos países ocidentais é a escolha de alguns países do mundo, e a maioria dos países escolhe a diplomacia não-alinhada. Além disso, a grande maioria são países em desenvolvimento na Ásia, África e América Latina”.

Os atlanticistas estão desesperados porque o “sistema de diplomacia de alianças” está em declínio. A esmagadora maioria do Sul Global está agora sendo reconfigurada como um Movimento Não-Alinhado (NAM) recentemente energizado – como se Pequim tivesse encontrado uma maneira de reavivar o Espírito de Bandung em 1955.

Os estudiosos chineses gostam de citar um manual imperial do século XIII, segundo o qual as mudanças políticas deveriam ser “benéficas para o povo”. Se elas beneficiam apenas os funcionários corruptos, o resultado é luan (“caos”). Assim, a ênfase chinesa do século 21 está na política pragmática ao invés da ideologia.

Comparando paralelos esclarecidos com as dinastias Tang e Ming, na verdade é a dinastia Yuan que oferece uma introdução fascinante ao funcionamento interno da ICR.

Então vamos fazer uma pequena viagem de volta ao século XIII, quando o imenso império de Genghis Khan foi substituído por quatro khanates.

Tivemos o Khanate do Grande Khan – que se tornou a dinastia Yuan – governando a China, Mongólia, Tibete, Coréia e Manchúria.

Tivemos o Ilkhanate, fundado por Hulagu (o conquistador de Bagdá) governando o Irã, Iraque, Azerbaijão, Turcomenistão, partes da Anatólia e do Cáucaso.

Tivemos a Horda de Ouro governando a estepe noroeste da Eurásia, da Hungria oriental à Sibéria, e acima de tudo os principados russos.

E tivemos o Chaghadaid Khanate (nomeado em homenagem ao segundo filho de Genghis Khan) governando a Ásia Central, do Xinjiang oriental ao Uzbequistão, até a ascensão de Tamerlane ao poder em 1370.

Esta era assistiu a uma enorme aceleração do comércio ao longo da Rota da Seda Mongol.

Todos esses governos controlados pelos mongóis privilegiaram o comércio local e internacional. Isso se traduziu em um boom nos mercados, impostos, lucros – e prestígio. Os khanates competiram para obter as melhores mentes comerciais. Eles estabeleceram a infra-estrutura necessária para viagens transcontinentais (a ICR do século 13, confere?) e abriram o caminho para múltiplos intercâmbios Leste-Oeste, trans-civilizacionais.

Quando os mongóis conquistaram os Song no sul da China, eles até expandiram o comércio terrestre da Rota da Seda para a Rota Marítima da Seda. A dinastia Yuan estava agora controlando os poderosos portos do sul da China. Assim, quando havia qualquer tipo de turbulência por terra, o comércio mudava para os mares.

Os eixos-chave eram através do Oceano Índico, entre o sul da China e a Índia, e entre a Índia e o Golfo Pérsico ou o Mar Vermelho.

A carga viajava por terra para o Irã, Iraque, Anatólia e Europa; por mar, através do Egito e do Mediterrâneo, para a Europa; e de Aden para o leste da África.

Uma rota marítima de comércio de escravos entre os portos da Horda Dourada no Mar Negro e no Egito – dirigida por comerciantes muçulmanos, italianos e bizantinos – também estava em vigor. Os portos do Mar Negro transitavam mercadorias de luxo que chegavam por terra vindas do Leste. E as caravanas viajavam para o interior da costa da Índia durante as perigosas estações das monções.

Esta frenética atividade comercial foi a proto-ICR, que atingiu seu ápice nos anos 1320 e 1330 até o colapso da dinastia Yuan em 1368, em paralelo à Peste Negra na Europa e no Oriente Médio. O ponto-chave: todas as estradas terrestres e marítimas estavam interligadas. Os planejadores da ICR do século 21 se beneficiam de uma longa memória histórica.

“Nada mudará fundamentalmente”.

Agora compare esta riqueza do intercâmbio comercial e cultural com a paranóia pedestre, provincial, anti-ICR e generalizada anti-China nos EUA. O que obtemos é o Departamento de Estado na saída de Mike “Nós Mentimos, Trapaceamos, Roubamos” Pompeo emitindo uma diatribe insignificante sobre o “Desafio China“. Ou a Marinha dos EUA reativando a Primeira Frota, provavelmente com base em Perth, para “ter uma marca sua no Indo-Pacífico” e assim manter “o domínio marítimo em uma era de grande competição de poder”.

Mais sinistramente, aqui está um resumo do Humongous, 4.517 páginas, $740,5 bilhões de dólares da National Defense Authorization Act (NDAA) 2021, que acaba de ser aprovado pela Câmara por 335 a 78 (Trump ameaçou vetá-lo).

Trata-se de financiamento para o Pentágono no próximo ano – a ser supervisionado em teoria pelo novo General da Raytheon, Lloyd Austin, o último “comandante geral” dos EUA no Iraque que dirigiu o CENTCOM de 2013 a 2016 e depois se aposentou por alguns suculentos projetos de “portas giratórias”, como a diretoria da Raytheon e, crucialmente, a diretoria da ultra tóxica, poluidora de água, ar e solos Nucor

Austin é um personagem de porta giratória que apoiou a guerra no Iraque, a destruição da Líbia, e supervisionou o treinamento dos “rebeldes moderados” sírios – também conhecidos como al-Qaeda reciclada – que mataram inúmeros civis sírios.

A NDAA (Lei de Autorização de Defesa Nacional), previsivelmente, pega pesado nas “ferramentas para deter a China”.

Isso incluirá:

1. A chamada “Pacific Deterrence Initiative (PDI) – Iniciativa de dissuasão do Pacífico, código de contenção da China no Indo-Pacífico, impulsionando o Quad.

2. Operações maciças de contra-inteligência.

3. Uma ofensiva contra a “diplomacia da dívida”. Isso é um absurdo: os acordos da ICR são voluntários, em uma base de ganho mútuo, e abertos à renegociação. As nações globais do Sul os privilegiam porque os empréstimos são de juros baixos e de longo prazo.

4. Reestruturação das cadeias globais de abastecimento que levam aos EUA. Boa sorte com isso. As sanções contra a China permanecerão em vigor.

5. Pressão generalizada forçando as nações a não utilizarem o 5G da Huawei.

6. Fortalecer Hong Kong e Taiwan como cavalos de Tróia para desestabilizar a China.

O diretor da Inteligência Nacional, John Ratcliffe, já deu o tom: “Pequim pretende dominar os EUA e o resto do planeta econômica, militar e tecnologicamente”Sinta medo, muito medo do malvado Partido Comunista Chinês, “a maior ameaça à democracia e à liberdade no mundo inteiro desde a Segunda Guerra Mundial”.

Aí está: Xi é o novo Hitler.

Portanto, nada mudará fundamentalmente depois de janeiro de 2021 – como prometido oficialmente por Biden-Harris: será novamente uma Guerra Híbrida contra a China, distribuída por todo o espectro, como Pequim compreendeu perfeitamente.

E daí? A produção industrial da China continuará a crescer enquanto nos EUA continuará a diminuir. Haverá mais avanços dos cientistas chineses, como a computação quântica fotônica – que realizou 2,6 bilhões de anos de computação em 4 minutos. E o espírito da dinastia Yuan do século XIII continuará inspirando a Iniciativa Cinturão e Rota.

***

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Originalmente em  Asia Times

Os EUA vão para o "tudo ou nada" contra as Novas Rotas da Seda | Pepe Escobar 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui