Por que os EUA observam o papel e o comportamento do Irã no Oriente Médio como maligno e perigoso | Elijah J. Magnier

0

Por Elijah J. Magnier

Autoridades norte-americanas e analistas ocidentais acusam o Irã de desempenhar um papel maligno e causar comportamentos perigosos no Oriente Médio. Estas acusações se referem ao seu apoio a grupos e países como Gaza, Líbano, Síria, Iraque e Iêmen. O Irã também é acusado de “controlar quatro capitais árabes“. E aqui está o Irã declarando, através de seu Ministro da Inteligência Muhammad Alawi, que “pode buscar armas nucleares se estiver armadilhado”, como eu havia relatado nos últimos meses, citando tomadores de decisão iranianos. O relacionamento EUA-Irã está caminhando para uma nova escalada, ou será que os interessados podem estar convencidos de que é hora de sentar-se em torno da mesa de negociações?

O Irã está cercado por 35 bases militares americanas cuja presença é intimidante para a maioria dos países do Oriente Médio. Além disso, a Sexta Frota dos EUA está estacionada no Mediterrâneo, e esquadrões aéreos norte-americanos baseados no Oriente Médio podem alcançar qualquer teatro de operações na região muito rapidamente. Em comparação, a distância entre Washington e a capital árabe mais próxima é o equivalente a dez mil quilômetros de distância enquanto o Irã, por sua centralidade, é um dos países mais importantes do Oriente Médio.

Esta fase do relacionamento árabe-americano remonta a 1940, quando Washington ofereceu proteção às monarquias que dominavam a maioria dos estados do Oriente Médio. Reis e Emires passam o trono dentro de suas famílias e não têm sistema eleitoral democrático desde a fundação de seus reinos, tornando-os necessitados de uma robusta proteção militar americana. O Oriente Médio atende cerca de 27% da necessidade mundial de petróleo e 43% das reservas de gás e, portanto, a proteção dos recursos de petróleo e energia é, sem dúvida, uma das primeiras prioridades americanas. Em 2001, as forças dos EUA ocuparam o Afeganistão, em 2003 o Iraque, e desde que seus representantes terroristas começaram sua guerra contra a Síria em 2011, os EUA têm ocupado partes desse país. Os presidentes Barack Obama, Donald Trump e, como é de se esperar, Joe Biden, impuseram sanções à Síria, ao Líbano e ao Irã.

As intervenções das forças dos EUA no Oriente Médio causaram centenas de milhares de mortes de civis e muitos mais feridos. A guerra contra o Iêmen, juntamente com as sanções e políticas de fome dos EUA contra o Líbano, Síria e Irã, causaram a maior crise humanitária da história da humanidade desde a Segunda Guerra Mundial e deixaram dezenas de milhões de pessoas sofrendo de fome e desnutrição. Tudo isso pode acontecer porque a administração dos EUA se considera acima da lei. Washington não hesitou em impor sanções até mesmo ao Tribunal Internacional de Justiça e seus juízes de tribunais penais, um tribunal que os próprios EUA concordaram em estabelecer em 2002, juntamente com 120 países, para julgar crimes de guerra, e cuja autoridade é conhecida como o “Estatuto de Roma“.

 O presidente americano Richard Nixon e seu conselheiro de segurança nacional Henry Kissinger visitaram o Shah Mohammad Reza Pahlavi do Irã em 1972 e foram seus mais fortes apoiadores. O governo dos EUA queria que o Xá (reforçado pelo golpe de inteligência britânico e americano aprovado pelo Presidente Eisenhower – declarações oficiais do Departamento de Estado dos EUA creditadas “ao povo iraniano, sob a liderança de seu Xá” – contra o Primeiro Ministro democraticamente eleito Mohammad Mosaddegh) fosse “o líder do Oriente Médio”. Em 1977, as vendas de armas dos EUA ao Irã chegaram a 2,55 bilhões de dólares anuais. Foi o presidente americano Dwight Eisenhower quem promoveu a energia nuclear e estabeleceu o programa nuclear iraniano em 1957. Em 1967, os EUA forneceram um reator de pesquisa nuclear para Teerã (projeto Átomo para a Paz) com capacidade de 5 megawatts e urânio altamente enriquecido para abastecer o reator com combustível. O reator poderia produzir até 600 gramas de plutônio anualmente a partir de combustível usado, levando o Irã ao nível de países nucleares e produtores de energia limpa.

Entretanto, a chegada do Imã Khomeini ao poder em 1979 transformou a estreita relação em hostilidade após um referendo iraniano em apoio a uma “República Islâmica no Irã”. Os EUA apoiaram a invasão de Saddam Hussein ao Irã e lhe impuseram sanções no mesmo ano. Congelou US$ 12 bilhões de dinheiro do petróleo iraniano naquela época. As sanções ao Irã continuaram ao longo dos anos e, até hoje, Teerã se viu trabalhando sob as sanções mais duras do mundo.

Foi isto que impulsionou o Irã a se voltar para a autoproteção e a reunir aliados nesta luta pela sobrevivência. Enquanto o Irã estava sob ataque, Israel invadiu o Líbano em 1982. Um grupo libanês pediu ao Imã Khomeini que interviesse para ajudar a expulsar o inimigo ocupante (Israel). O Irã encontrou um terreno fértil para apoiar os libaneses na libertação de seu território. Uma vez que Israel foi forçado a se retirar, “humilhado” pelo grupo pró-iraniano Hezbollah, o Irã gozou de influência significativa no Líbano e mantém essa influência até hoje.

Em 2011, os EUA, Europa e dezenas de outros países liderados pela Arábia Saudita, Qatar e Turquia apoiaram os esforços dos extremistas muçulmanos Takfiri para derrubar o presidente Bashar al-Assad, que pediu ao Irã que interviesse. O Irã respondeu e obteve sucesso em impedir a queda do governo sírio de Assad e, em consequência, ganhou uma base sólida no Levante.

Em 2014, o ISIS ocupou um terço do Iraque, e os EUA se recusaram a entregar armas já pagas a Bagdá. Washington queria dividir o Iraque em três estados para recriar um novo e frágil Oriente Médio dividido por guerras sectárias internas. O Irã interveio a pedido do Primeiro Ministro Nuri al-Maliki e da Fatwa da mais alta autoridade religiosa, Sayyed Ali al-Sistani, e armou as forças de segurança restantes e as “Forças de Mobilização Popular” convocadas em conjunto por Sayyed Sistani. Mais uma vez, os EUA forneceram ao Irã um estímulo, uma oportunidade para encontrar e estabelecer novos aliados na Mesopotâmia. Da mesma forma, a guerra dos EUA no Afeganistão e a guerra EUA-Arabia Saudita no Iêmen ofereceram oportunidades de ouro para o Irã aumentar sua influência (com Ansar Allah – Houthis no Iêmen), sempre graças às intervenções dos EUA na tentativa de mudança de regime.

O Irã tornou-se um fabricante de mísseis balísticos de precisão e drones armados que podem alcançar uma distância superior a 1500 quilômetros, e uma força naval com a qual pode fechar o Estreito de Hormuz para se adequar à sua situação de segurança nacional. Desde combater Saddam Hussein com armas leves até se tornar um país nuclear com a possibilidade de produzir armas atômicas: não é de se admirar que os EUA se recusem a levantar as duras sanções contra o Irã, exatamente como disse o ministro da inteligência iraniano.

Mas o Irã, ao contrário dos EUA, não ocupa nenhuma capital árabe: No Líbano, parte da população está na retaguarda do Irã, embora dois terços da população não se importem com o que acontece com o Irã: alguns libaneses se posicionam contra o Irã e apoiam os EUA, e outros preferem a Arábia Saudita, a Turquia ou a França.

Na Síria, apesar da substancial assistência militar e financeira do Irã ao Presidente Al-Assad e suas forças afiliadas lutando e morrendo no Levante, o Presidente Al-Assad tem outra relação estratégica a tratar: aquela com a Rússia, que quer ser o país influente na Síria. Além disso, o presidente sírio se recusou a responder a mais de mil ataques israelenses e rejeitou o conselho do Irã de estabelecer ativamente a dissuasão contra Israel. No entanto, a Síria e o Irã têm um excelente relacionamento, mesmo que discordem em pontos específicos. O Irã respeita a vontade de Assad de agir de acordo com o que ele acredita ser o melhor interesse de seu país.

No que diz respeito ao Afeganistão, os EUA iniciaram um diálogo com o Talibã e chegaram a um acordo em fevereiro de 2020 para sair do país. Após 20 anos de guerra que custaram até agora 800 bilhões de dólares americanos e deixaram dezenas de milhares de mortos e feridos no Afeganistão, Washington está sendo forçada a sair, com resultados estratégicos escassos.

A história tem confirmado nos últimos quarenta anos que as intervenções dos EUA para mudar o mapa do Oriente Médio e remodelar suas fronteiras têm sido o principal fator no aumento da influência do Irã no Oriente Médio e torná-lo uma potência regional. A política dos EUA foi devastadora para o povo do Oriente Médio. Não só foi perigosa, mas altamente destrutiva e contraproducente para a população, seus bens e estabilidade. Os políticos dos EUA eliminam seus próprios erros e acusam o Irã de exercer um comportamento maligno porque o país está ganhando mais influência e rejeita a submissão à hegemonia dos EUA. Washington está colhendo fracasso após fracasso, mesmo tendo a máquina militar mais poderosa do mundo, agindo como se sua liderança continuasse a ser líder de marca.

Entretanto, não obstante a força dos EUA, o Irã não hesitou em enfrentar a autoridade norte-americana. Com um míssil “made in Iran”, o Corpo de Guarda Revolucionário Iraniano abateu o drone americano mais caro que violou o espaço aéreo iraniano. Além disso, o Irã bombardeou a maior base militar dos EUA no Iraque para responder ao assassinato ilegal do general brigadeiro iraniano Qassem Soleimani. Além disso, o Irã está aumentando sua capacidade nuclear e insistindo para que os EUA levantem todas as sanções. Caso contrário, ele está pronto para continuar seu programa atômico para completar todo o ciclo nuclear. Os EUA criaram todas as circunstâncias para que o Irã se torne uma potência regional considerável.

As administrações Donald Trump e Joe Biden pediram ao Irã que se sente em torno da mesa de negociações para estender o acordo nuclear e incluir o controle dos mísseis iranianos e até mesmo interferir na influência que o Irã exerce sobre seus aliados no Oriente Médio. Estes pedidos são indicações claras de que os EUA estão preocupados com a eficiência e o poder crescente do Irã. Não há razão para que o Irã queira se submeter à vontade dos EUA quando está sujeito a duras sanções dos EUA. O pedido dos EUA é muito caro para que o Irã aceite e Teerã, em vez disso, percebeu que deve aumentar sua dissuasão. Em termos mais amplos, o grande Ayatollah Sayyed Ali Khamenei prometeu expulsar os EUA da Ásia Ocidental.

Não há nada de realmente novo na política do Presidente Biden em relação ao Irã. Ele continua com as sanções de seu predecessor, Donald Trump, embora possa levantar algumas sanções por “motivos humanitários”. Entretanto, o quadro geral não mudará porque Teerã não negociará sobre questões que definem e defendem sua segurança nacional. Os EUA conseguiram causar perdas humanas devastadoras e infligiram severos danos às economias de muitos países do Oriente Médio. Consequentemente, o papel “maligno e destrutivo” do Irã no Oriente Médio pode ser entendido como uma resposta necessária ao controle absoluto que os EUA tentam exercer sobre esta parte do mundo através de intervenções militares, travando guerras e tentativas de mudança de regime.

***

Elijah J Magnier é correspondente de guerra veterano e analista de risco político sênior com mais de três décadas de experiência.

Por que os EUA observam o papel e o comportamento do Irã no Oriente Médio como maligno e perigoso | Elijah J. Magnier 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui