Reino Unido apoiou golpe na Bolívia para ter acesso ao seu “ouro branco” | Matt Kennard

0

Por Matt Kennard

Em 10 de novembro de 2019, depois que o chefe do exército pediu sua saída, o presidente socialista da Bolívia, Evo Morales, renunciou. Seguiram-se semanas de protestos após a divulgação de um relatório da Organização dos Estados Americanos (OEA) alegando irregularidades na eleição que Morales havia ganho no mês anterior.

A perseguição do novo regime obrigou Morales a fugir do país e uma “presidente interina”, Jeanine Áñez, foi instalada. Amplamente condenado como um golpe, os protestos resultantes do processo foram recebidos com força letal.

Dias depois de tomar o poder, em 14 de novembro, o regime de Áñez através do Decreto 4078 deu imunidade aos militares por quaisquer ações tomadas em “defesa da sociedade e manutenção da ordem pública”.

No dia seguinte, em 15 de novembro, as forças militares bolivianas atiraram e mataram oito manifestantes na cidade de Sacaba. No dia 21 de novembro, as forças do regime mataram outros 10 manifestantes no bairro de Senkata, nos arredores da capital La Paz.

Apesar da violência mortal, que foi condenada por grupos de direitos humanos, o Declassified pode revelar a partir de documentos que a embaixada britânica em La Paz se moveu rapidamente para apoiar o novo regime boliviano.

Vimos uma lista de projetos para um programa do Ministério das Relações Exteriores na Bolívia chamada “Frontline Diplomatic Enabling Activity”, à qual o governo britânico descreve como “um pequeno pote de dinheiro que [as embaixadas] recebem e têm autoridade para gastar em projetos de apoio à atividade [da embaixada]”.

Os depósitos

A Bolívia possui a segunda maior reserva mundial de lítio, um metal que é usado para fazer baterias e que tem se tornado cada vez mais importante devido à crescente indústria de carros elétricos.

O governo britânico declarou que a tecnologia das baterias de lítio é uma prioridade para sua “estratégia industrial”. Em junho de 2019, anunciou que estava investindo 23 milhões de libras no “desenvolvimento de baterias para carros elétricos”.

O governo também observou: “Estima-se que a América do Sul detém 54% dos recursos mundiais de lítio, que são cada vez mais procurados para fabricar baterias para veículos elétricos e programas de diversificação de energia”.

E acrescentou: “O Reino Unido pretende ter uma indústria de baterias próspera e sustentável, o que se traduziria em uma oportunidade de £2,7 bilhões … e nossas parcerias bilaterais são essenciais para garantir isso”.

Em fevereiro de 2019, o governo de Evo Morales havia escolhido um consórcio chinês para ser seu parceiro estratégico em um novo projeto de 2,3 bilhões de dólares de lítio, que se concentraria na produção dos salares Coipasa e Pastos Grandes (salinas sob as quais o lítio está depositado).

Mas após o golpe, o novo ministro de minas do regime duvida se o acordo seria honrado pelo novo governo.

Estas salinas particulares eram de interesse da embaixada do Reino Unido.

Um projeto co-financiado de 2019 a 2020 procurou “otimizar a exploração e produção de lítio na Bolívia (nos salares Coipasa e Pastos Grandes) utilizando tecnologia britânica”.

Após o golpe, este projeto foi rapidamente levado adiante.

O resumo do projeto foi autorizado por seu principal financiador – o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) – em 25 de novembro de 2019, duas semanas após o golpe e dias após o massacre da Senkata.

O projeto obteve aprovação total para financiamento de US$ 100.000 semanas mais tarde, em meados de dezembro de 2019.

O BID disse ao Declassified: “A implementação das atividades [da subvenção] é conduzida em estreita coordenação com as autoridades governamentais designadas e suas equipes técnicas”. Nesse momento, sua “estreita coordenação” teria sido com o regime de Áñez.

Satellite Applications Catapult

A embaixada britânica em La Paz forneceu £5.000 para este projeto de lítio em 2019-20, mas o Ministério das Relações Exteriores se recusou a dizer ao Declassified se estes fundos foram desembolsados após o golpe de Estado em novembro de 2019.

O objetivo era “projetar e implementar uma aplicação baseada em dados via satélite que pudesse otimizar a exploração e a prospecção de grandes/melhores fontes de lítio nos salares Coipasa e Pastos Grandes na Bolívia”, descrevem os documentos.

O Ministério das Relações Exteriores observou que o projeto deveria ser implementado pela Satellite Applications Catapult, uma organização sediada em Oxford “ajudando organizações a aproveitar o poder dos serviços baseados em satélite”.

A empresa recebe cerca de um terço de seu financiamento do governo britânico, mas não respondeu às perguntas do Declassified sobre o projeto da Bolívia.

Entretanto, descobrimos que em 19 de dezembro de 2019 – dois dias após a aprovação final do projeto pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (IADB) – o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido transferiu £33.220 para a Satellite Applications Catapult, em um pagamento listado como “gasto do programa”.

O departamento se recusou a dizer ao Declassified se este financiamento era para o projeto de exploração de lítio na Bolívia. O IADB nos disse: “A coordenação com a Embaixada Britânica tem sido particularmente cooperativa na busca de sinergias”.

Seminário internacional

Então, em março de 2020, quatro meses após o golpe, a embaixada britânica em La Paz fez uma parceria com o Ministério de Minas do regime para organizar um “seminário internacional” para mais de 300 funcionários do setor extrativista global.

Uma empresa britânica, a Watchman, foi trazida pela embaixada do Reino Unido para fazer a apresentação principal e delinear as “soluções criativas” que ela havia adotado na África para levar as comunidades locais para o lado dos projetos de mineração.

Os documentos do Ministério das Relações Exteriores observam: “Watchman UK e outras consultorias estão agora em linha para oferecer serviços neste importante campo a uma série de empresas de mineração bolivianas que desejam alcançar soluções vantajosas para suas disputas com habitantes indígenas e cidades localizadas na área de influência de suas atividades”.

A Watchman é uma empresa de gestão de risco criada em 2016 por Christopher Goodwin-Hudson, um veterano de nove anos do Exército Britânico que posteriormente foi diretor executivo de segurança global do banco de investimentos Goldman Sachs.

A empresa apóia clientes corporativos “nos setores extrativo, de agronegócio e projetos de capital” que estão tendo problemas para operar devido à resistência local. O site da Watchman traz o logotipo do Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido.

O diretor associado da empresa, Gabriel Carter, ocupou uma série de cargos seniores na indústria de segurança privada e em 2012 fundou uma empresa de segurança focada no Afeganistão que “apoiou inúmeros projetos de desenvolvimento britânicos e americanos”.

Carter, também veterano de gestão de risco na Goldman Sachs, é membro do Clube das Forças Especiais, um clube exclusivo e sigiloso de membros privados para veteranos da inteligência e das forças especiais em Knightsbridge, Londres.

A Watchman não respondeu às perguntas do Declassified sobre o evento e o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido se recusou a responder às perguntas relacionadas ao mesmo.

Documentos do Ministério de 2015 a 2020 trazem uma série de programas dirigidos pela embaixada britânica na Bolívia.

Um longo cortejo

Os rápidos movimentos da embaixada britânica no projeto de lítio seguiram por anos de tentativas de cortejar o governo socialista da Bolívia sobre as reservas do metal no país, mostram os novos documentos.

Morales havia afastado a Bolívia da tradicional dependência do país das corporações ocidentais desde que tomou o poder, em 2006. Seu governo foi amplamente elogiado por reduzir a pobreza e aumentar os investimentos em escolas, hospitais e infra-estrutura.

O Ministério das Relações Exteriores observa que seu “primeiro compromisso com a Companhia Boliviana de Lítio”, conhecida pela sigla espanhola YLB, foi em 2017-18 quando pagou £31.500 para organizar uma missão científica no Reino Unido. Ele se concentrou no treinamento da YLB em novas tecnologias para explorar e produzir lítio de forma “sustentável”.

Os documentos indicam que este projeto “permitiu que organizações britânicas … levassem adiante projetos sobre lítio na Bolívia com financiamento do [Banco Interamericano de Desenvolvimento] e do [governo britânico] nos anos seguintes”.

O governo do Reino Unido observou: “O relacionamento com a Companhia Boliviana de Lítio também pode se mostrar relevante à medida que a Bolívia se torna um fornecedor de lítio (um material crítico) para o Reino Unido”, e referenciou seu “esforço para conectar a Bolívia, Chile e Argentina (isto é, o Triângulo de Lítio) com a Bolsa de Metais de Londres”.

O programa do ano seguinte observa que “laços mais fortes” se desenvolveram entre a YLB e a embaixada britânica na Bolívia.

Os documentos também esboçam como, em abril de 2019, a embaixada britânica em Buenos Aires, sediou uma “reunião técnica de alto nível” com as autoridades de mineração e lítio da Argentina, Chile e Bolívia, bem como com representantes sênior da Bolsa de Metais de Londres.

Esses três países juntos compartilham a propriedade do “triângulo do lítio”, a região dos Andes rica em reservas de lítio. Na época, a Argentina e o Chile tinham governos de direita amigáveis com o Reino Unido.

Também estavam presentes o vice-ministro do lítio da Bolívia e o chefe executivo da YLB. “O projeto da Embaixada Britânica na Bolívia … consistia em assegurar e facilitar a presença das autoridades bolivianas na reunião”, relata a nota documental do Ministério das Relações Exteriores.

Acrescenta que, após a reunião, o governo boliviano estava agora “ciente da relevância da Bolsa de Metais de Londres” e particularmente “seu interesse em estabelecer um padrão de lítio” que deveria ser baseado na produção do triângulo de lítio. Tais padrões servem “para promover o entendimento e a comunicação entre produtores e usuários de metais”.

As seções seguintes desta passagem são redigidas sob duas exceções relativas a “relações internacionais” e “interesses comerciais”. Estas são as únicas feitas na documentação do programa para os cinco anos de operações vistas pelo Declassified.

A Darktrace

Há mais evidências de que a Grã-Bretanha estava sempre preparando o país para uma mudança no governo. No ano anterior ao golpe, a embaixada britânica estava promovendo o setor cibernético britânico, trazendo para a Bolívia uma empresa financiada pela comunidade de inteligência britânica, e com laços estreitos com a Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA).

Em 2009, Morales havia expulsado um diplomata norte-americano que, segundo ele, era um ativo da CIA que liderava uma operação de infiltração na companhia petrolífera estatal boliviana.

Oito meses antes do golpe, a embaixada do Reino Unido gastou mais de £4.500 organizando um “grande evento” em Laz Paz sobre segurança cibernética para instituições financeiras, com a presença de 150 executivos e altos funcionários do setor financeiro boliviano, de acordo com os documentos do Ministério das Relações Exteriores.

Oferecido em coordenação com a Bolsa de Valores boliviana, foi dito que os bancos bolivianos “agora estão adquirindo serviços especializados para proteger seus sistemas contra o crime cibernético”. Além disso, os banqueiros estavam agora cientes de que o combate aos crimes cibernéticos tinha que ser “baseado em tecnologia adequada e de última geração”.

As apresentações foram feitas pela empresa britânica Darktrace, uma empresa de segurança cibernética criada pelo serviço britânico de segurança doméstica, MI5, e sua agência de inteligência de sinais, GCHQ. A empresa foi constituída um dia após a publicação da primeira denúncia de Edward Snowden no The Guardian.

Desde sua fundação, a Darktrace contratou pessoal da comunidade de inteligência dos EUA, incluindo diretamente a CIA e a Agência de Segurança Nacional, onde Snowden costumava trabalhar.

Recrutas da CIA

Alan Wade, que faz parte do conselho consultivo da Darktrace, é um veterano de 35 anos da CIA e seu antigo diretor de informação.

A Darktrace também recrutou Marcus Fowler, um ex-fuzileiro naval dos EUA e veterano de 15 anos da CIA, como seu “diretor de ameaça estratégica”. Na CIA, Fowler trabalhou no “desenvolvimento de operações cibernéticas globais e estratégias técnicas” e “conduziu briefings quase semanais para altos funcionários dos EUA”, diz ele.

Em julho de 2013, o avião presidencial de Evo Morales teve de pousar na Áustria depois que agências de inteligência americanas suspeitaram que ele trazia Snowden a bordo.

Morales culpou os EUA e outros atores internacionais pelo golpe de novembro de 2019. “Foi um golpe de Estado nacional e internacional”, disse ele logo depois. “Os países industrializados não querem competição”. Ele acrescentou: “Estou absolutamente convencido de que é um golpe contra o lítio”.  

Os grampos diplomáticos do WikiLeaks mostram que a embaixada dos EUA em La Paz trabalhou de perto com a oposição política na Bolívia para remover o governo Morales depois que este tomou o poder em 2006.

Morales expulsou a Agência de Combate às Drogas dos EUA em 2008 e a Agência para o Desenvolvimento Internacional dos EUA em 2013, acusando-os de “conspirar” contra seu governo.

Para o evento de março de 2019, a embaixada do Reino Unido também trouxe um especialista do think tank Chatham House, com sede em Londres, cuja co-presidente é Eliza Manningham-Buller, ex-Diretora Geral do MI5.

Seus financiadores incluem o Departamento de Estado dos EUA, o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido, o Exército Britânico e as companhias petrolíferas BP e Chevron.

Após o evento, o Ministério das Relações Exteriores da Grã-Bretanha observou que “várias empresas no campo [estão] sendo contratadas e consultadas agora”. Não se sabe se a Darktrace foi uma delas.

A embaixada manteve o compromisso logo em seguida. “Novo diálogo com o governo boliviano sobre cibernética”, observa o Ministério das Relações Exteriores em seu programa para 2019-2020. Não está claro se isto se referia ao regime golpista.

Importante input

No dia seguinte às eleições bolivianas de 20 de outubro de 2019, a Organização dos Estados Americanos (OEA) com sede em Washington – o agrupamento de países das Américas do Norte e do Sul – divulgou um relatório sobre a votação que Morales havia conquistado com pouca margem. Ele citou “uma mudança inexplicável” que “modifica drasticamente o destino da eleição”.

Também levantou dúvidas sobre a justiça eleitoral e alimentou uma cadeia de eventos que levaram ao golpe de novembro.

Entretanto, um estudo subseqüente realizado por pesquisadores independentes usando dados das autoridades eleitorais bolivianas obtidos pelo The New York Times  constatou que a análise estatística da OEA era falsa.

Os pesquisadores descobriram que a conclusão de que a votação de Morales saltou inexplicavelmente nas cédulas finais se baseava em dados incorretos e técnicas estatísticas inadequadas.

O Declassified pode agora revelar que a embaixada britânica forneceu dados para o questionável relatório da OEA.

A embaixada britânica gastou 8.000 libras esterlinas montando uma aliança de organizações da sociedade civil que “coordenou uma operação para observação dos cidadãos sobre as eleições de 2019”.

Esta aliança realizou uma pesquisa sobre as intenções de voto antes das eleições, que “foi uma contribuição importante para o relatório da missão da OEA, que identificou irregularidades no processo”, observa o Ministério das Relações Exteriores.

A OEA não respondeu às perguntas do Declassified sobre o papel da Embaixada do Reino Unido em seu relatório duvidoso e o Ministério das Relações Exteriores se recusou a responder quaisquer perguntas sobre o mesmo.

Os projetos da embaixada britânica para se preparar para a eleição foram ainda mais longe. Em fevereiro de 2019, gastou £9.981 para trazer a Fundação Thomson Reuters ao país para treinar 30 jornalistas bolivianos sobre “técnicas de verificação e pré-planejar uma eleição com cobertura equilibrada, precisa e livre de polarização”.

A Fundação disse que “antes das eleições na Bolívia” estava ensinando “habilidades práticas e ferramentas para reconhecer notícias falsas e tentativas de influenciar o eleitorado com informações falsas”.  

O Declassified anteriormente revelou como o governo britânico está usando o jornalismo como uma ferramenta de influência na América Latina. Também foi revelado recentemente que o governo britânico financiou secretamente a Reuters nos anos 60 e 70 a mando de uma unidade de propaganda anti-soviética ligada à inteligência britânica.

Solidariedade marxista

Dias após o golpe de novembro na Bolívia, o Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido divulgou uma declaração dizendo “O Reino Unido felicita Jeanine Áñez por ter assumido suas novas responsabilidades como Presidente interina da Bolívia”. E acrescentou: “Saudamos a nomeação da Sra. Áñez e sua intenção declarada de realizar eleições em breve”.

O Ministro das Relações Exteriores Dominic Raab declarou: “Esperamos que a atual crise na Bolívia possa agora ser resolvida rapidamente, pacificamente e de forma democrática. O povo boliviano merece ter a oportunidade de votar em eleições livres e justas”.

Então o líder trabalhista Jeremy Corbyn ofereceu uma visão completamente diferente, dizendo: “Eu condeno este golpe contra o povo boliviano e me coloco ao seu lado pela democracia, justiça social e independência”.

Raab prosseguiu atacando Corbyn, citando-o e afirmando: “Inacreditável. A Organização dos Estados Americanos se recusou a certificar as eleições bolivianas por causa de falhas sistêmicas. O povo está protestando e atacando em uma escala sem precedentes. Mas @jeremycorbyn coloca a solidariedade marxista à frente da democracia”.

Mas Raab e o Ministério das Relações Exteriores não fizeram mais comentários, pois as forças do novo regime realizaram os massacres de Sacaba e Senkata na semana seguinte.

Em março de 2020, quatro meses após a derrubada de Morales, o novo regime estava organizando uma série de novas iniciativas “com o Reino Unido como um parceiro estratégico”, observam os documentos.

Nesse mesmo mês, o embaixador britânico durante o golpe, Jeff Glekin, ofereceu uma visão dos interesses britânicos envolvidos no apoio ao novo regime.

Glekin falou à mídia boliviana sobre a Semana Britânica, que estava trazendo 12 empresas britânicas para o país pela primeira vez.

“Muitos estão procurando novos mercados no mundo e a Bolívia pode ser uma oportunidade de crescimento”, disse ele. “Devido às mudanças políticas na Bolívia, um ambiente mais aberto para o investimento estrangeiro é percebido e acredito que isto abrirá novas portas para empresas que querem compartilhar sua tecnologia, seus produtos e fazer alianças com diferentes empresas”.

Glekin, que permanece no cargo, acrescentou: “Estamos trabalhando com a Prefeitura de Santa Cruz … e convidamos as corporações de Santa Cruz a participar do evento”.

Nos documentos analisados pelo Declassified, um número desproporcionalmente alto de projetos da embaixada do Reino Unido se concentrou na cidade oriental de Santa Cruz, que foi o centro de oposição ao governo de Evo Morales.

Glekin continuou: “O governo anterior não era muito favorável ao investimento estrangeiro. Portanto, com as mudanças que vamos ver, será mais fácil entrar no mercado e fazer negócios. As empresas que virão são de diferentes partes da Grã-Bretanha e de vários setores. Elas são empresas modernas que estão fazendo coisas inovadoras e querem entrar no mercado e compartilhar seus serviços e produtos na Bolívia”.

Glekin acrescentou: “A demanda por lítio está crescendo e a Bolívia deve tirar proveito dessa oportunidade”.

Quando novas eleições aconteceram em outubro de 2020, o Movimiento al Socialismo de Evo Morales obteve 55% dos votos contra seis rivais no pleito, evitando facilmente a necessidade de um segundo turno. O vice-campeão foi o ex-presidente Carlos Mesa com pouco menos de 29%.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores disse ao Declassified: “As eleições presidenciais realizadas na Bolívia em outubro de 2020 foram livres e justas. Não houve golpe de Estado. O Reino Unido tem uma relação forte e construtiva com as atuais e antigas administrações bolivianas”.

***

Matt Kennard é chefe de investigações na Declassified UK, uma organização de jornalismo investigativo que cobre o papel do Reino Unido no mundo.

Via Information Clearing House

Reino Unido apoiou golpe na Bolívia para ter acesso ao seu "ouro branco" | Matt Kennard 1

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui