Torne o Nazismo Grande Novamente | Pepe Escobar

1

Por Pepe Escobar

O alvo supremo é a mudança de regime na Rússia, a Ucrânia é apenas um peão no jogo – ou pior, uma mera bucha de canhão.

Todos os olhos estão postos em Mariupol. Na noite de quarta-feira (23), mais de 70% das áreas residenciais estavam sob controle das forças de Donetsk e da Rússia, enquanto os fuzileiros russos, o 107º batalhão de Donetsk e o checheno Spetsnaz, liderado pelo carismático Adam Delimkhanov, haviam entrado na instalação Azov-Stal – o QG do batalhão neonazista Azov.

Ao Azov foi enviado um ultimato: rendição até a meia-noite – ou então, um caminho sem prisioneiros ao inferno.

Isso implica uma grande mudança no campo de batalha ucraniano; Mariupol está finalmente prestes a ser completamente desnazificada – já que o contingente Azov esteve há muito tempo entrincheirado na cidade e usando civis como escudos humanos como sua força de combate mais endurecida.

Isto também significa que as 14 mil mortes em Donbass nos últimos 8 anos devem ser atribuídas diretamente aos Excepcionalistas. Quanto aos neo-nazis ucranianos de todas as linhagens, eles são tão dispensáveis como os “rebeldes moderados” na Síria, sejam eles da Al-Qaeda ou ligados ao Daesh. Aqueles que podem eventualmente sobreviver podem sempre se juntar a Neo-Nazi Inc., o remix espalhafatoso da Jihad Inc. dos anos 80 no Afeganistão. Eles serão devidamente “Kalibrados”.

Uma rápida recapitulação neonazista

Até agora, apenas os cérebros mortos em toda a OTAN – e há hordas deles – não estão cientes do Maidan em 2014. No entanto, poucos sabem que foi o então Ministro do Interior ucraniano Arsen Avakov, um ex-Prefeito de Kharkov, que deu luz verde para um grupo de 12 mil paramilitares se materializarem a partir dos hooligans de futebol da Sect 82 que apoiavam o Dínamo de Kiev. Esse foi o nascimento do batalhão Azov, em maio de 2014, liderado por Andriy Biletsky, conhecido como Führer Branco, e ex-líder da gangue neo-nazi Patriots da Ucrânia.

Junto com o agente ‘stay-behind’ da OTAN Dmitro Yarosh, Biletsky fundou o Pravy Sektor, financiado pelo padrinho da máfia ucraniana e bilionário judeu Ihor Kolomoysky (mais tarde o benfeitor da meta-conversão de Zelensky de comediante medíocre para presidente medíocre).

O Pravy Sektor foi, por acaso, raivosamente anti-UE – diga isso a Ursula von der Lugen – e politicamente obcecado em ligar a Europa Central e os Países Bálticos em um novo e  barulhento Intermarium. De modo crucial, o Pravy Sektor e outras quadrilhas nazistas foram devidamente treinadas por instrutores da OTAN.

Biletsky e Yarosh são, naturalmente, discípulos do notório colaborador nazista da Segunda Guerra Mundial, Stepan Bandera, para quem os ucranianos puros são proto-germânicos ou escandinavos, e os eslavos são uns ‘untermenschen’ (subumanos, em alemão).

O Azov acabou absorvendo quase todos os grupos neonazistas na Ucrânia e foram enviados para lutar contra Donbass – com seus acólitos ganhando mais dinheiro do que os soldados regulares. Biletsky e outro líder neonazista, Oleh Petrenko, foram eleitos para a Rada. O Führer Branco ficou sozinho. Petrenko decidiu apoiar o então presidente Poroshenko. Logo o batalhão Azov foi incorporado como Regimento Azov à Guarda Nacional Ucraniana.

Eles foram em um esforço de recrutamento de mercenários estrangeiros – com pessoas vindas da Europa Ocidental, Escandinávia e até mesmo da América do Sul.

Isso foi estritamente proibido pelos Acordos de Minsk garantidos pela França e pela Alemanha (e agora de fato extintos). O Azov montou campos de treinamento para adolescentes e logo chegou a 10 mil membros. Erik “Blackwater” Prince, em 2020, fez um acordo com os militares ucranianos que permitiria que seu grupo, renomeado para Academi, supervisionasse o Azov.

Foi nada mais nada menos que a sinistra distribuidora de biscoitos do Maidan Vicky “F**a a UE” Nuland que sugeriu a Zelensky – ambos, a propósito, judeus ucranianos – nomear o confesso nazista Yarosh como conselheiro do Comandante-em-Chefe das Forças Armadas Ucranianas, Gen Valerii Zaluzhnyi. O alvo: organizar uma blitzkrieg sobre o Donbass e a Crimea – a mesma blitzkrieg que a SVR, a inteligência estrangeira russa, concluiu que seria lançada em 22 de fevereiro, impulsionando assim o lançamento da Operação Z.

Tudo isso, na verdade apenas uma rápida recapitulação, mostra que na Ucrânia não há nenhuma diferença entre os neonazistas brancos e os pardos da Al-Qaeda/ISIS/Daesh, tanto quanto os neonazistas são tão “cristãos” quanto os takfiri Salafi-jihadis são “muçulmanos”.

Quando Putin denunciou um “bando de neonazistas” no poder em Kiev, o comediante respondeu que isso era impossível porque ele era judeu. Bobagem. Zelensky e seu patrono Kolomoysky, para todos os efeitos práticos, são Sio-nazis.

Mesmo quando os ramos do governo dos Estados Unidos admitiram os neonazistas entrincheirados no aparelho de Kiev, a máquina excepcionalista fez desaparecer os bombardeios diários do Donbass durante 8 anos. Estas milhares de vítimas civis nunca existiram.

A grande mídia dos Estados Unidos chegou a aventurar-se na estranha peça ou reportagem sobre os neonazistas Azov e Aidar. Mas então uma narrativa neo-Orwelliana foi gravada em pedra: não há nazistas na Ucrânia. A CIA começou até a apagar registros sobre o treinamento de membros do Aidar. Recentemente uma rede de más notícias promoveu devidamente um vídeo de um comando do Azov treinado e armado pela OTAN – complementado com a iconografia nazista.

Por que a “desnazificação” faz sentido

A ideologia Banderanista remonta a quando esta parte da Ucrânia era de fato controlada pelo império austro-húngaro, o império russo e a Polônia. Stepan Bandera nasceu na Austro-Hungria em 1909, perto de Ivano-Frankovsk, no – então autônomo – Reino da Galiza.

A Primeira Guerra Mundial desmembrou os impérios europeus em pequenas entidades frequentemente não viáveis. Na Ucrânia ocidental – uma intersecção imperial – inevitavelmente levou à proliferação de ideologias extremamente intolerantes.

Os ideólogos banderanistas lucraram com a chegada dos nazistas em 1941 para tentar proclamar um território independente. Mas Berlim não apenas o bloqueou, mas os enviou para campos de concentração. Em 1944, embora os nazistas tenham mudado de tática: eles libertaram os banderanistas e os manipularam para o ódio anti-russo, criando assim uma força de desestabilização na URSS ucraniana.

Portanto, o nazismo não é exatamente o mesmo  dos fanáticos de Banderastão: eles são, de fato, ideologias concorrentes. O que aconteceu desde Maidan é que a CIA manteve um foco para incitar o ódio russo por quaisquer grupos marginais que ela pudesse instrumentalizar. Portanto, a Ucrânia não é um caso de “nacionalismo branco” – para dizer de forma branda – mas de nacionalismo ucraniano anti-russo, para todos os fins práticos manifestado através de saudações ao estilo nazista e símbolos do estilo nazista.

Assim, quando Putin e a liderança russa se referem ao nazismo ucraniano, isso pode não ser 100% correto, conceitualmente, mas soa um acorde em cada russo.

Os russos rejeitam visceralmente o nazismo – considerando que praticamente toda família russa tem pelo menos um antepassado morto durante a Grande Guerra Patriótica. Da perspectiva da psicologia da guerra, faz total sentido falar de “ukro-nazismo” ou, direto ao ponto, de uma campanha de “desnazificação”.

Como os anglos amavam os nazistas

O governo dos Estados Unidos liderando abertamente os neonazistas na Ucrânia dificilmente seria uma novidade, considerando como apoiou Hitler ao lado da Inglaterra em 1933 por razões de equilíbrio de poder.

Em 1933, Roosevelt emprestou a Hitler um bilhão de dólares de ouro, enquanto a Inglaterra lhe emprestou dois bilhões de dólares de ouro. Isso deve ser multiplicado 200 vezes para chegar aos valores atuais. Os anglo-americanos queriam construir a Alemanha como um baluarte contra a Rússia. Em 1941 Roosevelt escreveu a Hitler que se ele invadisse a Rússia, os EUA estariam do lado da Rússia, e escreveu a Stalin que se Stalin invadisse a Alemanha, os EUA apoiariam a Alemanha. Falemos sobre uma ilustração gráfica do equilíbrio de poder Mackindersiano.

Os britânicos tinham se preocupado muito com a ascensão do poder russo sob Stalin enquanto observavam que a Alemanha estava de joelhos com 50% de desemprego em 1933, se contarmos os alemães itinerantes não-registrados.

Até mesmo Lloyd George tinha dúvidas sobre o Tratado de Versalhes, enfraquecendo insuportavelmente a Alemanha após sua rendição na Primeira Guerra Mundial. O objetivo da Primeira Guerra Mundial, na visão de mundo de Lloyd George, era destruir juntos a Rússia e a Alemanha. A Alemanha estava ameaçando a Inglaterra com o Kaiser construindo uma frota para tomar conta dos oceanos, enquanto o Czar estava muito perto da Índia por conforto. Por um tempo a Britânia venceu – e continuou a governar as ondas.

Depois a construção da Alemanha para lutar contra a Rússia tornou-se a prioridade número um – completada com a reescrita da História. A união dos alemães austríacos e Alemães dos Sudetos com a Alemanha, por exemplo, foi totalmente aprovada pelos britânicos.

Mas depois veio o problema polonês. Quando a Alemanha invadiu a Polônia, a França e a Grã-Bretanha ficaram de lado. Isso colocou a Alemanha na fronteira da Rússia, e a Alemanha e a Rússia dividiram a Polônia. Era exatamente isso que a Grã-Bretanha e a França queriam. Os dois haviam prometido à Polônia que invadiriam a Alemanha do Ocidente enquanto a Polônia lutava contra a Alemanha do Oriente.

No final, os poloneses foram duplamente traídos. Churchill até elogiou a Rússia por invadir a Polônia. Hitler foi avisado pelo MI6 que a Inglaterra e a França não invadiriam a Polônia – como parte de seu plano para uma guerra germano-russa. Hitler tinha sido apoiado financeiramente desde os anos 20 pelo MI6 por suas palavras favoráveis sobre a Inglaterra no Mein Kampf. O MI6 de fato encorajou Hitler a invadir a Rússia.

Corte rápido para 2022, e aqui vamos nós de novo – como uma farsa, com os anglo-americanos “incentivando” a Alemanha sob o fraco Scholz a voltar a se unir militarmente, com 100 bilhões de euros (que os alemães não têm), e criando em tese uma força europeia renovada para mais tarde ir à guerra contra a Rússia.

Sugestões para a histeria russofóbica na mídia anglo-americana sobre a parceria estratégica Rússia-China. O medo anglo-americano mortal é Mackinder/Mahan/Spykman/Kissinger/Brzezinski, todos enrolados em um só: Rússia-China como gêmeos concorrentes assumem a massa terrestre eurasiática – a Iniciativa Cinturão e Rota encontra a Parceria da Grande Eurásia – e assim governam o planeta, com os EUA relegados ao status de ilha inconseqüente, tanto quanto a anterior “Rule Britannia”.

A Inglaterra, a França e mais tarde os americanos tinham impedido quando a Alemanha aspirava fazer o mesmo, controlando a Eurásia lado a lado com o Japão, desde o Canal da Mancha até o Pacífico. Agora é um jogo completamente diferente.

Portanto, a Ucrânia, com suas patéticas quadrilhas neonazistas, é apenas um peão – dispensável – no esforço desesperado para deter algo que está além do anátema, da perspectiva de Washington: uma Nova Rota da Seda totalmente pacífica entre alemães, russos e chineses.

A Russofobia, impressa maciçamente no DNA do Ocidente, nunca desapareceu realmente. Cultivada pelos britânicos desde Catarina, a Grande – e depois com o “The Great Game”. Pelos franceses desde Napoleão. Pelos alemães, porque o Exército Vermelho libertou Berlim. Pelos americanos porque Stalin forçou neles o traçado da Europa – e depois continuou e seguiu durante toda a Guerra Fria.

Estamos apenas nos estágios iniciais do impulso final do Império moribundo para tentar deter o fluxo da História. Eles estão sendo enganados, já estão sendo superados pelo poderio militar mais alto do mundo, e receberão o xeque-mate. Existencialmente, eles não estão equipados para matar o Urso – e isso dói. Cosmicamente.

***

Pepe Escobar é jornalista e correspondente de várias publicações internacionais

Originalmente em Strategic Culture Foundation

Torne o Nazismo Grande Novamente | Pepe Escobar 1

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui